terça-feira, janeiro 26, 2021

Tag: analfabetismo

Marcus Leoni - 10.mar.16/Folhapress

Nunca se escreveu tanto, tão errado e se interpretou tão mal

Saber ler e interpretar é questão de sobrevivência e amplia nossos horizontes por Otávio Pinheiro no Folha de São Paulo A pesquisa Indicador de Alfabetismo Funcional, conduzida pelo Instituto Paulo Montenegro em parceria com a ONG Ação Educativa, aponta que apenas 22% dos brasileiros que chegaram à universidade têm plena condição de compreender e se expressar. Na prática, esses jovens adultos estão no chamado nível proficiente –o mais avançado estágio de alfabetismo. São leitores capazes de entender e se expressar por meio de letras e números. Mais ainda, compreendem e elaboraram textos de diferentes modalidades (email, descrição e argumentação) e estão aptos a opinar sobre um posicionamento ou estilo de autores de textos. Em contrapartida, a pesquisa de 2016 aponta que 4% dos universitários estão no grupo de analfabetos funcionais. Os dados de leitura, escrita e interpretação do Brasil ajudam a entender algumas das origens desse baixo índice de letramento como, por exemplo, ...

Leia mais

Empresa alfabetiza auxiliares de limpeza ao invés de demiti-los por não saberem ler

Nátaly Bonato é community manager da WeWork Paulista, um espaço de trabalho compartilhado, na Avenida Paulista, em São Paulo. Para resolver problemas de limpeza da unidade, Nátaly imaginou que um relatórioseria o suficiente. Do A Grande Arte De Ser Feliz O relatório deveria ser preenchido pelos funcionários da limpeza todos os dias dizendo se a sala do cronograma tinha sido limpa e, caso não, colocar um comentário explicando o porquê. “O relatório demorou 1 semana pra chegar e quando veio, o banheiro virou um caos. Não entendi nada e ai nos reunimos e a descoberta foi que 50% do time (terceirizado) era iletrado”, escreveu Nátaly no Facebook. Ao invés de trocar a equipe, Nátaly teve uma ideia muito melhor: procurar nas escolas que fazem parte da WeWork alguém que pudesse alfabetizar os auxiliares de limpeza. Foi assim que ela conheceu a pedagoga Dani Araujo, da MasterTech, que topou o desafio. “As pessoas não são descartáveis. Eu não queria que alguém passasse pela ...

Leia mais

Mulher negra avança no social, mas segue distante no trabalho e na política

Mulher, negra, estudou, foi à faculdade, tem um bom emprego em uma multinacional e, por seu esforço e talento, é reconhecida na carreira e fora dela. As informações contam a trajetória de Lisiane Lemos, 28, mas não a história toda. É ela mesma quem faz a ressalva: “Não me tome como regra. Tive muitas oportunidades, sou uma exceção”. De quando Lisiane era criança até ela virar especialista em soluções da Microsoft e aparecer na revista Forbes, as mulheres negras no Brasil tiveram considerável avanço em indicadores sociais, principalmente em educação. A igualdade, porém, ainda está longe nas universidades, no mercado de trabalho e na política. Para ficar em um exemplo, a renda média de uma mulher negra é 42% da de um homem branco. No ritmo dos últimos 25 anos, será preciso mais de 80 para que sejam equivalentes. As discrepâncias ganham destaque no momento em que o Geledés —Instituto ...

Leia mais

Estudante da UFRJ comove a internet com declaração do pai semianalfabeto

Estudante compartilhou no Facebook declaração do pai semianalfabeto e post comoveu a internet (Foto: Reprodução/Facebook) Por Daniel Silveira Do G1 Ela criticou quem debocha das pessoas que não sabem ler e escrever. 'Meu pai não teve a mesma oportunidade que eu', afirmou a jovem, cujo o pai é semianalfabeto A declaração de amor de um pai à filha comoveu a internet nesta semana. O “eu te amo” foi seguido por um pedido de desculpas por ele não saber escrever. Ao compartilhar a mensagem, a estudante da Universidade Federal do Rio de Janeiro Micarla Lins, de 21 anos, lembrou que saber ler e escrever é um privilégio num país com tantas desigualdades sociais. “Vi o compartilhamento de uma mensagem de uma pessoa dizendo que saber ler não é inteligência, é privilégio. Acabei me lembrando de algumas situações de preconceito vividas por meu pai e resolvi publicar uma mensagem que ...

Leia mais

Ato de lesa-pátria

O governo Temer anunciou a suspensão do Programa Nacional de Combate ao Analfabetismo, que fazia parte do Sistema Brasil Alfabetizado desde 2003. Trata-se de um ato de lesa-pátria de um governo ilegítimo, que assaltou o poder por meio de um golpe parlamentar para impor um programa derrotado nas urnas. Por Gilberto Alvarez Giusepone enviado para o Portal Geledés O Sistema Brasil Alfabetizado tem reconhecimento internacional e apresenta números muito elogiáveis na redução do analfabetismo abordado na educação de jovens e adultos. Na verdade, é um corte orçamentário de pequeníssimo impacto na reorganização dos gastos governamentais, mas de profundas e negativas consequências no âmbito da promoção da cidadania e garantia dos direitos humanos a todos os cidadãos. O Sistema Brasil Alfabetizado tem inspiração histórica nos centros de cultura popular, os CPCs, que no início da década de 1960 aproximaram educadores das realidades mais necessitadas de intervenção educacional. Foi no combate ao analfabetismo que o ...

Leia mais
Foto: Getty Images

Falar só um idioma é o analfabetismo do século 21?

Especialista lançou debate em encontro nos EUA, defendendo que dominar apenas língua nativa pode ser barreira para jovens Do iG Foto: Getty Images Em 2013, ao participar da Conferência da Sociedade Asiática do Idioma Chinês, em Boston, nos Estados Unidos, Gregg Roberts não imaginava que aquele momento o transformaria em celebridade global em sua área de atuação. Ele apresentava o programa de imersão em idiomas que comanda no pequeno e conservador Estado de Utah quando disse: "O monolinguismo é o analfabetismo do século 21". A plateia aplaudiu, especialistas tomaram nota e leigos começaram a ver a frase pipocar nas redes sociais. "Esse é o tipo de frase que você apenas diz sem pensar na sua repercussão", afirma Roberts. Mas, assim como não saber ler e escrever determinava o futuro profissional de uma pessoa no século 20, hoje, não dominar mais do que seu idioma nativo é ...

Leia mais

Brasil inclui criança, mas perde jovem no ensino médio e mantém analfabetos

Relatório da Unesco mostra que País atingiu apenas duas das seis metas de universalização da educação nos últimos 15 anos Por Cristiane Capuchinho - iG Imagem retirada do site: http://ultimosegundo.ig.com.br O Brasil atingiu a meta de universalizar o ensino fundamental para as crianças brasileiras, tanto para meninos quanto para meninas. No entanto, o País ainda perde alunos no ensino médio, não conseguiu expandir devidamente a educação infantil e mantém 13 milhões de analfabetos acima dos 15 anos de idade. Isso é o que indica o relatório global Educação para Todos 2000-2015 (em tradução livre), lançado pela Unesco nesta quarta-feira (8). Das seis metas de universalização da educação lançadas no ano 2000 e acordadas por 164 países, o Brasil atingiu apenas duas: a universalização do ensino fundamental e a paridade e equidade de gênero. A qualidade do ensino, a evasão do aluno no ensino médio e a alfabetização de adultos ainda ...

Leia mais
Foto: Dione Afonso/ Agência O Globo

IBGE: Analfabetismo entre negras é duas vezes maior que entre brancas

A taxa de analfabetismo caiu de forma mais acelerada entre as mulheres pretas e pardas entre 2000 e 2010, divulgou hoje (31) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Apesar disso, o indicador para ambas ainda é mais do que duas vezes maior do que o entre as mulheres brancas, registra a pesquisa Estatísticas de Gênero, que utiliza dados do Censo. Por Vinícius Lisboa, do UOL Foto: Dione Afonso/ Agência O Globo No ano 2000, 12,9% das mulheres brasileiras com mais de 15 anos não sabiam ler nem escrever. O percentual caiu para 9,1% em 2010, aumentando a vantagem que já era observada em relação aos homens, que tiveram redução de 13% para 9,8%. Entre as mulheres brancas, a taxa diminuiu de 8,6% para 5,8%. Quando analisadas as mulheres pretas, a queda se deu de forma mais intensa, de 22,2% para 14%, mas o patamar ainda permanece ...

Leia mais
O analfabeto 
funcional

O analfabeto 
funcional

Por Braulio Tavares As próprias palavras são o detalhe essencial: 
repetir o que foi lido é fácil, mas o propósito do exercício é saber se somos capazes de traduzi-lo Pesquisas recentes mostram que grande parte dos universitários brasileiros é de analfabetos funcionais, isto é, são capazes de ler corretamente um texto, inclusive em voz alta, mas não conseguem entender o significado. (Na melhor das hipóteses, saem pela tangente com aquele velho papo de estudante preguiçoso: “Eu sei, mas não sei como explicar”.) Quando eu era estudante havia certa insistência das professoras (nessa fase mais remota, eram sempre mulheres) em dizer: “Leia esse texto, e depois o explique com suas próprias palavras”.  As “próprias palavras” são o detalhe essencial, porque repetir o que foi lido é fácil, mas o propósito do exercício é saber se somos capazes de traduzi-lo (sim, é um processo tradutório, tanto quanto o de passar uma frase ...

Leia mais
joel_rufino34

Alfabetização: memórias de um escritor leitor…

As crianças que são deixadas no analfabetismo, na falta de livro, falta de educação formal, essas crianças não estão excluídas da sociedade. Elas estão excluídas da escola. Mas elas estão incluídas, por exemplo, pela linguagem televisiva. E embora isso não seja uma conspiração, não seja um maquiavelismo, o fato é que a televisão comercial, a televisão de massa no Brasil, se beneficia do analfabetismo, da baixa escolaridade das crianças. Então você vê: a escola deixa de fora, mas a televisão põe para dentro. É nesse sentido que é perigoso falar em exclusão. As crianças não estão excluídas; só que elas estão incluídas de uma maneira que nós, do nosso ponto de vista de educadores, achamos ruim. Mas elas estão incluídas. Salto - Joel, do que você se lembra, de quando você aprendeu a ler e a escrever? Joel Rufino - Bom, como foi para todo o mundo, foi uma experiência forte. Não ...

Leia mais
280605

Desigualdades Raciais na Educação

O índice de analfabetismo entre jovens negros é duas vezes maior que entre brancos, segundo levantamento divulgado ontem pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Os negros, no entanto, vêm aumentando a frequência no ensino médio. As matrículas quase duplicaram em 10 anos. Contudo, a distância entre os grupos encurtou nos últimos 10 anos: em 1998, o analfabetismo entre jovens negros era quase três vezes maior do que entre os brancos.No ensino médio, o número de jovens brancos que frequenta a Escola é 44,5% maior em comparação ao de negros. Já no ensino superior, a frequência é cerca de três vezes maior entre os brancos. O Ipea destaca, no entanto, que houve significativa melhora no nível de adequação educacional entre os jovens negros nos últimos anos. Enquanto se observou entre os brancos certa estagnação, entre os negros a melhoria na frequência ao ensino médio é bastante significativa: em 10 anos, ...

Leia mais
semi-analfabeto

País tem 11,5% de crianças analfabetas

  Dados do IBGE apontam que entre 2001 e 2007, a redução de analfabetos com 8 e 9 anos de idade foi só de 2,5 pontos Por ANTÔNIO GOIS, da UOL Se a queda for na mesma velocidade, dificilmente o Brasil cumprirá a meta de ter até 2022 todas crianças alfabetizadas aos 8 anos   Apesar dos avanços, o Brasil ainda tem 11,5% das crianças de oito e nove anos analfabetas. Este percentual já foi bem maior (47% em 1982), mas, na atual década, vem caindo em ritmo mais lento, segundo a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), do IBGE. De 2001 a 2007, a redução foi de apenas 2,5 pontos. Uma criança não alfabetizada com mais de oito anos de idade apresenta dificuldades não apenas em português, mas em todas as outras disciplinas, já que sua capacidade de compreender textos é limitada. É normal que, a medida que um ...

Leia mais
rtuu

Governo de SP lança projeto para alfabetizar jovens e adultos

Programa começa em agosto com a ajuda de parceiros Fonte: Folha São Paulo  O governo estadual inicia em agosto deste ano o programa Alfabetiza São Paulo, voltado para a alfabetização de jovens acima de 15 anos e adultos. O curso será equivalente aos primeiros quatro anos do ensino fundamental -da primeira à quarta séries. Apesar da existência de outros programas semelhantes no Estado, São Paulo é hoje o segundo no país com maior número de analfabetos. Para o secretário Paulo Renato Souza (educação), a segunda posição na lista se deve à concentração de 23% da população nacional em São Paulo. "O Brasil tem 9,9% de analfabetos; nós temos 4,6% em relação ao total da população", diz. A secretaria da Educação ainda não sabe estimar quantos pessoas serão atendidas pelo projeto, que será executado em parceria com ONGs, universidades e profissionais do Programa Escola da Família. O governo repassará a verba ...

Leia mais

Últimas Postagens

Artigos mais vistos (7dias)

Twitter

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms bellow to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist