Autores trans derrubam estereótipos e mostram outra realidade para além do preconceito

Entenda o que é a literatura trans e por que ela ganha força nas livrarias e universidades

Por Bolívar Torres, do O Globo

Ex-prostituta e doutora em Letras na Unicamp, Amara Moira foi uma das atrações da última Bienal do Livro do Rio, em 2019 Foto: Léo Martins / Agência O GLOBO

Quase 40 anos separam a publicação de “Eu Ruddy”, da poeta Ruddy Pinho, considerado por muitos o primeiro livro de autoria trans publicado no país, de “Cartas pra Pepita”, da youtuber e escritora Mulher Pepita, lançado no fim de 2019. Nesse meio tempo, muita coisa mudou na produção da literatura trans — ou seja, qualquer obra escrita por uma pessoa que se identifica com um gênero diferente do que lhe foi atribuído quando nasceu.

O que costumava ser uma raridade no mercado tornou-se uma faceta editorial. Nos últimos dez anos, a produção explodiu: foram 57 obras publicadas nos anos 2010, contra apenas duas nos 2000 e seis na década de 1990, segundo levantamento da pesquisadora e escritora trans Amara Moira. A pujança também se reflete na diversidade de gêneros. A lista vai de livros de poesia a romances, passando por autobiografias e histórias em quadrinhos. No entanto, trazem em comum temas como identidade e representatividade, que também norteiam o Dia Nacional da Visibilidade Trans no Brasil. Estabelecida em 2004, a data será comemorada na quarta-feira, dia 29.

Desde 2018, Amara é doutora em Letras pela Unicamp. Os espaços “nunca sonhados” aos quais ela se refere não incluem apenas o mundo acadêmico, mas também grandes eventos culturais, como a mais recente Bienal Internacional do Livro do Rio. Em setembro último, ela e outras personalidades trans, como Luisa Marilac, Tarso Brant e Mulher Pepita participaram da primeira mesa sobre a temática em toda a história do evento. A atração foi marcante para a comunidade LGBT. O encontro lotou o palco da Arena#SemFiltro, um dos espaços de debates da Bienal, mobilizando uma caravana com gente de diversos cantos do estado para assisti-lo. Na plateia, algumas pessoas choravam ao se verem representadas no palco.

Poemas de amor

O crescimento dessa produção acompanha o avanço de pautas LGBT na sociedade, que pode ser visto em outras áreas, como o cinema e as artes plásticas, e também no campo acadêmico. A cena literária, porém, tem suas peculiaridades. Tanto entre os nomes mais pop que lotam mesas, como Amara, Pepita e Marilac, quanto nos saraus que atraem autores ainda não publicados, a escrita pode ser especialmente confessional.

— A literatura ajuda a romper os estereótipos que acompanham a nossa existência, e que são um dos expedientes de interdição da nossa cidadania — diz a pesquisadora Danieli Christovão Balbi, autora do prefácio da antologia de ensaios “Transliteraturas: expressões literárias de gênero”. — É importante que possamos falar sobre nós mesmos para que o outro não nos enquadre.

Nesse sentido, um simples poema de amor pode botar abaixo muitas visões equivocadas sobre a comunidade. Com os versos do seu “Das águas do Rio Acre”, por exemplo, Kika Sena, poeta e atriz alagoana radicada em Brasília, quis quebrar dois preconceitos: o de que uma mulher travesti não pode desejar outra mulher; e o de que pessoas trans são, necessariamente, hipersexualizadas.

— Quando escrevo algo romântico me declarando para uma mulher já estou mostrando outra realidade— diz Kika, mestranda em Artes Cênicas na Universidade de Brasília e autora de “Periférica” (2017). — Não preciso falar sobre opressão para expressar nossa existência. A literatura também vai para os lugares comuns do ser humano. Nosso corpo não recebe só opressão, ele também recebe afeto e amor.

O caminho do reconhecimento, porém, ainda é longo. Kika, por exemplo, conta que já foi apedrejada quando se apresentava em um sarau poético, em 2018. Não por acaso, o medo da transfobia é um tema recorrente em especial naqueles textos de cunho autobiográfico.

— São escritas que se estruturam em torno desse trauma, que desde a mais tenra idade opera cruelmente sobre suas vidas — afirma a pesquisadora Leocádia Aparecida Chaves, que estuda autobiografias produzidas por pessoas transgêneras no Brasil contemporâneo.

A poeta e performer trans Kika Sena Foto: Janine Moraes / Divulgação

A vertente confessional, lembra a pesquisadora, é uma das mais comuns entre os escritores, que resgatam suas próprias vivências para revelar a hipocrisia e violência da sociedade. Ruddy Pinho, por exemplo, usava humor e escárnio para trazer à tona aquilo que deveria ser escondido. Já em “E se eu fosse puta”, Amara Moira relembra um certo Domingo de Páscoa em que um cristão veio procurar seus serviços.

— Parte dessa produção tem nascido em diálogo, se não vinculada ao ativismo estético-político identitário LGBT contemporâneo — observa Leocádia, doutoranda na Universidade de Brasília. — É uma produção que, mesmo incipiente, pode ser identificada, ao meu ver, como uma das faces da literatura brasileira.

Nomes para ficar de olho

Amara Moira. Doutora em Letras e autora de “E se eu fosse pura” é hoje uma das principais porta-vozes da literatura trans.

Kika Sena. A atriz e poeta reflete sobre o que chama de “corpos periféricos” em livros como “Marítimo” e “Periférica”.

Ruddy Pinho. Primeira autora trans a ser publicada, a poeta e memorialista descreveu a hipocrisia da sociedade com humor e escárnio.

Tom Lê Grito. Destaque da cena carioca, o slammer representou o Brasil no Rio Poetry Slam, o campeonato mundial de Poesia Falada .

+ sobre o tema

Uma rebelde no rebanho

A filósofa e teóloga Ivone Gebara é uma voz...

A militante e o motorista do busão

O ônibus cortava e recortava pela avenida principal. Nós,...

Geni Guimarães: a cor da ternura da literatura negra

Escritora e poetisa, Geni Guimarães versa sobre uma vida...

para lembrar

De que maneiras você, mulher magra, já me oprimiu

De que modo você já me machucou, já me...

AfroeducAÇÃO promove atividade sobre os desafios dos homens negros na educação brasileira

Neste mês de abril, a AfroeducAÇÃO trará à tona...

Empresas devem tornar ambiente mais inclusivo para pessoas LGBTQIA+

Ainda existe discriminação muito forte contra pessoas LGBTQIA+ no...
spot_imgspot_img

Justiça nega aborto legal de adolescente de 13 anos após seu pai pedir manutenção da gravidez

Uma adolescente de 13 anos que vive em Goiás teve o aborto legal negado pelo TJ-GO (Tribunal de Justiça de Goiás), após o pai da jovem...

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...
-+=