Tag: trans

Emanuelle da Silva, 44, é efetiva da guarda patrimonial (Foto: RONALDO SILVEIRA)

Mercado de trabalho ainda é desafio para as transexuais

O dia 9 de setembro de 2020 foi um marco na vida de Jhenny Silva, 28. Mesmo tendo assumido sua identidade de gênero aos 12 anos, ela enfrentou por anos na pele a dor do preconceito social e, como não conseguia se inserir no mercado de trabalho, passou a atuar como faxineira e cuidadora de idosos para sobreviver, mas de forma informal. A primeira oportunidade de um emprego com carteira assinada veio somente há quatro meses, quando ela foi contratada como agente de limpeza em uma empresa terceirizada no Hospital Regional de Betim. “Já passei por algumas situações, como olhares constrangedores. Mas nunca fui humilhada ou desrespeitada no meu trabalho. Ainda não fiz qualquer tipo de transformação no meu corpo e apenas tenho características femininas, o que acho que me ajudou ter uma aceitação mais fácil na sociedade. Mas vejo que as trans que têm o corpo transformado sofrem muita ...

Leia mais
Imagem retirada do site NÓS MULHERES DA PERIFERIA

Mostra ‘Afetividades Ordinárias’ revela a vida de pessoas trans

No Mês da Visibilidade Trans, o fotógrafo João Bertholini expõe uma mostra de fotos com temática LGBTQIA+ que inaugurou no dia 20 de janeiro, em parceria com a Oficina Cultural Oswald de Andrade e curadoria de Neon Cunha mulher trans, que faz parte da Marcha das Mulheres Negras. Adaptada para o modo virtual, “Afetividades Ordinárias” pode ser vista em seu site-galeria um acervo de fotografias de diversas mulheres trans em cenas comuns do cotidiano e também com retratos agendados ou tirados de forma inesperada. Há também textos autobiográficos e poéticos de Neon Cunha e da atriz e escritora Ave Terrena, e ainda uma música-poema da dançarina e cantora Danna Lisboa, cedida especialmente para integrar o projeto. A ideia é distribuir mil exemplares da publicação quando a exposição física tiver lugar em momento oportuno. A curadoria é de Neon Cunha, que trás consigo uma história pessoal de descobrimento e resistência sobre ...

Leia mais
O que quase ninguém sabe ou procurou saber, é que Ygona há pouco tempo estava sem lugar para morar, foi expulsa de casa por ser travesti e foi morar num abrigo, em São Paulo. Arte Claudio Duarte

Caso Ygona: Estado deve garantir o direito à vida da população trans e negra

Ygona Moura, 22 anos, influenciadora digital, travesti, negra entrou para as estatísticas da população trans e negra. À covid-19, ela não resistiu e morreu na noite de quarta-feira, 27 de janeiro. Internada há 10 dias, o agravamento do seu quadro clínico confirma dados do Ministério da Saúde: 55% dos pretos e pardos internados pelo coronavírus morrem. A notícia da partida de Ygona ocorre na semana do Dia Nacional da Visibilidade Trans (29 de janeiro) e escancara um fator que ainda está longe de ser resolvido: bem-estar e saúde dessas pessoas A história de Ygona é muito mais do que seu vídeo dizendo que “iria aglomerar mesmo”, contrariando os protocolos de segurança durante a pandemia da covid-19. Sua fala viralizou nas redes sociais e promoveu uma enxurrada de posts com mensagens de ódio contra a influenciadora. O que quase ninguém sabe ou procurou saber, é que Ygona há pouco tempo estava ...

Leia mais
Imagem: iStock

Aumento do número de suicídios entre população trans preocupa ativistas

No primeiro semestre de 2019, foram registrados 12 suicídios de pessoas transgênero no Brasil. Já no mesmo período de 2020, foram 16 suicídios mapeados prepresentando um aumento de 34% em relação ao mesmo período do ano passado, sendo 6 homens trans/transmasculines e 10 travestis/mulheres trans. Os dados são da Associação Nacional de Travestis e Transexuais, a Antra. Segundo a Associação, o suicídio é muito difícil de mapear, porque não são publicados. Então, este número representa os casos que conseguiram ser alcançados pela Antra. O tema é tabu, mas revela a necessidade de discutir e promover políticas públicas afirmativas voltadas e a questão da saúde mental para a população trans. A associação defende que esses números se devem ao fato de que as pessoas LGBTs comumente são excluídas de vários grupos sociais, seja pelos próprios pais, familiares ou pela sociedade, tendo constantemente sua orientação e/ou identidade questionadas. O bullying transfóbico começa ...

Leia mais
Ilustração: Caio Baldi

Oportunidades para mulheres negras cis e trans!

Mulheres negras cis e trans: queremos vocês no nosso projeto! O Museu da Vida torna público o processo seletivo de duas profissionais de nível superior e uma bolsista graduanda para atuar no projeto “Meninas negras na ciência: a divulgação científica como estratégia de promoção da saúde, cidadania e empoderamento”. A proposta é potencializar o trabalho educativo-cultural do Museu com escolas e organizar atividades para 25 meninas negras, estudantes de escolas públicas dos territórios de Manguinhos, Maré, Jacarezinho e Complexo do Alemão, cursando o ensino médio. Para atingir os objetivos do projeto, serão utilizadas diferentes estratégias, como rodas de conversa, cine-debates, palestras, dinâmicas e apresentações artísticas. Queremos montar uma rede colaborativa de trabalho, que será construída com a participação de cientistas e movimentos sociais. As atividades serão realizadas de modo remoto e/ou presencial, conforme as diretrizes do Plano de Contingência da Casa de Oswaldo Cruz, em linha com as determinações das autoridades sanitárias do país e da própria Fiocruz para ...

Leia mais
Keiny Andrade/UOL

Depoimento: Neon Cunha pediu morte assistida se Justiça não reconhecesse seu de gênero

Eu arrisquei minha vida para poder comemorar o Dia Internacional da Mulher. Não é figura de linguagem. Em 2016, pedi à Justiça o direito à morte assistida caso não pudesse mudar de nome e gênero. E impus uma condição, me recusava a ser diagnosticada com uma patologia, como acontecia até então com mulheres trans. Por Neon Cunha, no Universa Keiny Andrade/UOL Eu poderia ter me tornado um cadáver, mas me tornei Neon Cunha. Sou mulher. Não tenho doença alguma. E quando perguntam se eu estava disposta a morrer, digo um sonoro "É claro". Estava com 46 anos e havia experimentado de tudo. Sofri ameaças, surras, tive arma apontada para cabeça, trabalhei de olheira de cafetina, fiz boquete em policial para evitar espancamento e fui estuprada por bandidos. Mas nunca deixei de querer viver. E quando você tem certeza da vida, não tem medo da morte. E ...

Leia mais
Mulher trans que esteve presa por cinco anos em um presídio masculino de São Paulo relata casos de abuso emocional e sexual. — Foto: Fábio Tito/G1

Estupro e tortura: relatório inédito do governo federal aponta o drama de trans encarceradas em presídios masculinos

Pela primeira vez encomendado pelo Governo Federal, estudo mostra que lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais são pessoas mais vulneráveis aos efeitos da precariedade do sistema prisional brasileiro. Por Laís Modelli, do G1 Mulher trans que esteve presa por cinco anos em um presídio masculino de São Paulo relata casos de abuso emocional e sexual. — Foto: Fábio Tito/G1 Uma pesquisa inédita do governo federal publicada na quarta-feira (5) sobre a realidade da população LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais) no sistema carcerário mostra que travestis e transexuais sofrem constantes violências emocionais, físicas e sexuais, assim como práticas de tortura específicas da sua condição de gênero, dentro das prisões masculinas. Encomendado pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos por meio de uma chamada pública, o relatório “LGBT nas prisões do Brasil: Diagnóstico dos procedimentos institucionais e experiências de encarceramento” mostrou ser uma ...

Leia mais
Rio de Janeiro - Manifesto realizado na praia de Copacabana lembra as vítimas da transfobia no Brasil. (Tomaz Silva/Agência Brasil)

Brasil registrou 124 assassinatos de pessoas transgênero em 2019

Dados são divulgados no Dia Nacional da Visibilidade Trans Por Letycia Bond, da Agência Brasil  Rio de Janeiro - Manifesto realizado na praia de Copacabana lembra as vítimas da transfobia no Brasil. (Tomaz Silva/Agência Brasil) Em 2019, pelo menos 124 pessoas transgênero, entre homens e mulheres transexuais, transmasculinos e travestis, foram assassinadas no Brasil, em contextos de transfobia. Os dados estão no relatório da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) divulgado hoje (29). De acordo com organização, em apenas 11 dos casos os suspeitos de terem cometido os crimes foram identificados. No relatório, a Antra faz um alerta também para o problema da subnotificação já que a real motivação dos crimes nem sempre é explicitada. O relatório aponta que, em 2018, foram registrados 163 assassinatos. Já em 2017, foram 179 casos. De acordo com a associação, a redução dos números não representa exatamente uma queda ...

Leia mais
Ex-prostituta e doutora em Letras na Unicamp, Amara Moira foi uma das atrações da última Bienal do Livro do Rio, em 2019 Foto: Léo Martins / Agência O GLOBO

Autores trans derrubam estereótipos e mostram outra realidade para além do preconceito

Entenda o que é a literatura trans e por que ela ganha força nas livrarias e universidades Por Bolívar Torres, do O Globo Ex-prostituta e doutora em Letras na Unicamp, Amara Moira foi uma das atrações da última Bienal do Livro do Rio, em 2019 Foto: Léo Martins / Agência O GLOBO Quase 40 anos separam a publicação de “Eu Ruddy”, da poeta Ruddy Pinho, considerado por muitos o primeiro livro de autoria trans publicado no país, de “Cartas pra Pepita”, da youtuber e escritora Mulher Pepita, lançado no fim de 2019. Nesse meio tempo, muita coisa mudou na produção da literatura trans — ou seja, qualquer obra escrita por uma pessoa que se identifica com um gênero diferente do que lhe foi atribuído quando nasceu. O que costumava ser uma raridade no mercado tornou-se uma faceta editorial. Nos últimos dez anos, a produção explodiu: foram ...

Leia mais
Imagem: Getty Images

Juiz aplica Maria da Penha a favor de trans: “defesa de todos os direitos”

O Juizado de Violência Doméstica contra a Mulher de Arapiraca (AL), a 125 km de Maceió, usou a Lei Maria da Penha a favor de uma mulher transexual ofendida e agredida por outras duas mulheres. A decisão de ontem foi dada pelo juiz Alexandre Machado, que determinou medidas protetivas para a vítima. Por Carlos Madeiro, do Universa Imagem: Getty Images Na sua decisão, o magistrado afirmou que a defesa da comunidade LGBT é algo que deve ser valorizado não só no judiciário, mas por toda sociedade. "É importante que nós, cidadãos, não apenas defendamos nossos direitos individuais, mas que assumamos a defesa de todos os direitos dos demais indivíduos componentes da comunidade", escreveu. Para enquadrar o caso na Lei Maria da Penha, o juiz levou em conta que "cabe ao judiciário enfrentar a questão, definindo o alcance da lei." "O alcance da lei às mulheres transgênero ...

Leia mais

Pastora trans no altar não é pecado. É divindade e sopro de fé

Alexya Salvador se tornará a primeira mulher trans a ser nomeada reverenda na América Latina Por Franklin Félix, do Carta Capital A PASTORA ALEXYA SALVADOR (FOTO: WANEZZA SOARES) “Todo esse movimento ganha mais significado ao ser realizado no mês da visibilidade trans. O Brasil é o país que mais mata travestis, homens e mulheres trans no mundo. Ser ordenada clériga é a confirmação de que pessoas iguais a mim podem estar em todos os espaços da sociedade e da religião.” Alexya Salvador O mês de janeiro é considerado o mês da visibilidade trans, um mês de luta, marcado por questionamentos à invisibilidade histórica que as travestis, mulheres e homens transexuais enfrentam no Brasil em relação aos seus direitos. Por conta disso, no dia 26 de janeiro, São Paulo protagonizará um dos eventos mais aguardados por religiosos/as que acreditam numa religião inclusiva, amorosa, libertária e dialógica e ...

Leia mais
Semana da Visibilidade Trans (Foto: Divulgação)

Semana da Visibilidade Trans apresenta alerta à saúde LGBT

A partir do próximo domingo (26), a ATERR (Associação de Travestis e Transexuais do Estado de Roraima) contará com a ajuda jurídica da DPE (Defensoria Pública do Estado) para informar e ajudar toda população LGBT, na semana da Visibilidade Trans. Por Rafael Pereira, do Observatóriog Semana da Visibilidade Trans (Foto: Divulgação/Imagem retirada do site Observatóriog ) No domingo (26), o primeiro dia da semana de representatividade, contará com uma feijoada das 11h às 16h. Na segunda, alguns filmes das 18h às 22h, seminários e debates sobre ambulatórios para trans e travestis, Política Integral e a função do SUS com a integração. Em resumo, Segundo o site Folha BV, a defensoria pública atuará no último dia, (29), prestando serviços gratuitos das 8h às 12h. Um dos objetivos do evento é centralizar informações sobre a saúde das pessoas transexuais. Além desses outros serviços, também serão ofertados de forma ...

Leia mais
Bandeira do orgulho trans hasteada em São Francisco, nos Estados Unidos. Foto: Flickr (CC)/torbakhopper

OMS retira a transexualidade da lista de doenças mentais Publica

A Organização Mundial da Saúde (OMS) removeu da sua classificação oficial de doenças, a CID-11, o chamado “transtorno de identidade de gênero”, definição que considerava como doença mental a situação de pessoas trans – indivíduos que não se identificam com o gênero que lhes foi atribuído no nascimento. A decisão foi celebrada por especialistas das áreas de saúde pública e direitos humanos. Da ONU Bandeira do orgulho trans hasteada em São Francisco, nos Estados Unidos. Foto: Flickr (CC)/torbakhopper A Organização Mundial da Saúde (OMS) removeu da sua classificação oficial de doenças, a CID-11, o chamado “transtorno de identidade de gênero”, definição que considerava como doença mental a situação de pessoas trans – indivíduos que não se identificam com o gênero que lhes foi atribuído no nascimento. Em 25 de maio, a OMS aprovou uma resolução para remover o “transtorno de identidade de gênero” da CID-11 e ...

Leia mais
Foto : Divulgação/ Escola Maria Felipa

Escola é questionada sobre professor trans e resposta surpreende

Conversa foi compartilhada nos perfis da instituição privada nas redes sociais e acabou repercutindo na web, com mais de 4 mil compartilhamentos no  Educação UOL Foto : Divulgação/ Escola Maria Felipa Uma escola de educação infantil de Salvador, na Bahia, publicou um trecho de uma conversa entre a instituição de ensino e outra pessoa que não é identificada. No diálogo, a Escolinha Maria Felipa é questionada sobre ter um professor transexual e a resposta repercutiu nas redes sociais. "Vocês têm um professor trans na escola, né?", pergunta a pessoa. Após a confirmação da escola, dizendo que o educador é um "excelente profissional", o interlocutor segue com outra pergunta.   View this post on Instagram   Nosso interesse é lutar e construir pela via da educação o mundo que acreditamos. Não negociamos nossos sonhos! A post shared by Escolinha Maria Felipa (@escolinhamariafelipa) on Mar 19, 2019 at ...

Leia mais
Símbolo transgêneros coloridos e de desenhados

‘Cirurgia na rede pública é conquista, mas precisa melhorar’, avalia ativista trans

Procedimentos de readequação sexual são oferecidos pelo SUS desde 2008, mas só 5 estabelecimentos têm serviços para população trans. por Leda Antunes no HuffPost Getty Editorial - De acordo com informações do Ministério da Saúde obtidas pelo HuffPost Brasil, desde 2008 foram realizadas 526 cirurgias Há pouco mais de 10 anos o SUS (Sistema Único de Saúde) passou a oferecer a cirurgia de readequação sexual para mulheres trans. Ao longo da última década, o chamado “processo transexualizador” do SUS foi evoluindo e, hoje, tem como objetivo oferecer, além dos procedimentos cirúrgicos, a assistência integral de saúde para toda a população transgênero, incluindo acompanhamento psicológico e a terapia com hormônios. “O processo transexualizador foi uma conquista muito importante para a população trans, fruto da mobilização do movimento social, mas ele precisa ser melhorado”, afirma o ativista Alexandre Peixe dos Santos. Ele é o primeiro homem trans a ...

Leia mais
Bruna Benevides, ativista e mulher trans. Foto: Arquivo pessoal

No Dia Laranja, ONU Brasil aborda violência de gênero contra mulheres trans e travestis

Para marcar este 25 de janeiro, #DiaLaranja pelo Fim da Violência contra as Mulheres e Meninas, a ONU Brasil apresenta a história de Bruna Benevides, mulher trans que criou um dossiê para documentar a violência contra travestis e transexuais. Da ONU O ativismo de Bruna também inclui projetos para a inclusão da população trans no ensino superior e para a capacitação de agentes de segurança, a fim de combater a discriminação no atendimento a pessoas LGBT. Bruna Benevides, ativista e mulher trans. Foto: Arquivo pessoal Bruna Benevides é militante e defensora dos direitos humanos da população LGBTI, em especial das pessoas trans e travestis. Coordenadora e articuladora do Instituto Brasileiro Trans de Educação e presidenta do Conselho LGBT de Niterói, ela também é vice-presidenta da Rede Nacional de Operadores de Segurança Pública LGBT. Bruna se identifica como “uma mulher trans, identificada pela sociedade como travesti”. Desde ...

Leia mais
(Baluchis/Thinkstock)

Suicídio de Victória, uma garota trans brasiliense provoca apelo contra preconceito

Victória se matou no apartamento em que vivia com a bisavó materna. Familiares, amigos e militantes se queixam de exclusão social Por ÉRICA MONTENEGRO, do Metópoles  (Baluchis/Thinkstock) O suicídio de uma garota trans brasiliense de apenas 18 anos colocou em alerta a comunidade que luta pelos direitos da população LGBTI (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais, pessoas trans e intersex). A jovem, que estava em processo de transição de gênero, matou-se na sexta-feira da semana passada (4/1), depois de enviar mensagens a amigos e publicar textos nas redes sociais reclamando de preconceito e exclusão. Victória nasceu Victor em julho de 2000, filha de Alessandra Jugnet, 42 anos, e Pablo Grossi, 38. Segundo a mãe conta, desde cedo a família percebeu que os interesses do filho estavam mais relacionados ao que, convencionalmente, associa-se ao universo feminino. “Para mim, isso não era motivo de preocupação e, muito menos, razão para que eu ...

Leia mais
CAROLINE BICOCCHI/ESPECIAL PARA O HUFFPOST BRASIL Valéria Barcellos da Silva é a 135ª entrevistada do projeto "Todo Dia Delas", que celebra 365 Mulheres no HuffPost Brasil.

Valéria Barcellos da Silva: A voz e o canto em defesa da dignidade para as mulheres trans

Cantora, que já foi ferida na rua e vítima da violência transfóbica, usa sua arte e projeção para promover direitos para si e para outras: "Tenho um corpo que fala por mim." Por Isabel Marchezan, do HUFFPOST BRASIL CAROLINE BICOCCHI/ESPECIAL PARA O HUFFPOST BRASILValéria Barcellos da Silva é a 135ª entrevistada do projeto "Todo Dia Delas", que celebra 365 Mulheres no HuffPost Brasil. Com oito anos de idade, Valéria Barcellos da Silva descobriu que sua vida não seria nada fácil. Foi no banheiro da escola que uma colega pronunciou: "não, seu pinto não vai cair!". O que caiu, naquele momento, foi o mundo de uma criança que estava apenas aguardando o suposto evento biológico para se libertar. "Eu criei isso na minha cabeça, e por uns três ou quatro anos, fiquei esperando ele cair, como se fosse uma verruga. Naquele momento, me dei conta de que ia ter de conviver ...

Leia mais
Comercial Xampu com a modelo trans Rock Kwandala (Foto: Reprodução)

Comercial de Xampu na Tailândia viraliza por mostrar superação de mulher trans

Um comercial de xampu, veiculado pela TV Tailandesa, vem comovendo os seus telespectadores por trazer uma história de superação de uma mulher transgênero desde a sua infância até a fase adulta, passando por momentos de superação e preconceito. Em menos de 48 horas que foi lançado, o registro viralizou e em dois meses de veiculação já passa das 37 milhões de visualizações. Por Rangel Querino no Observatório Comercial Xampu com a modelo trans Rock Kwandala (Foto: Reprodução/Youtube) A Miss Tiffany Universe 2017 Rock Kwanlada, é a estrela da campanha, que revela sempre ter tido a vontade de ter cabelos longos, mas os episódios de transfobia e a sua conturbada relação com seu pai foram alguns dos fatores que atrapalharam o seu desejo. Logo nos primeiros momentos do vídeo é dito que pessoas trans apesar de conseguir muitos avanços na sociedade, ainda é alvo de estereótipos que são “dominantes a aceitação ...

Leia mais

Metade dos brasileiros não sabem o que significa ser trans, diz pesquisa

O estudo do Instituto Locomotiva chega na semana em que acontece na semana que São Paulo recepciona a Parada LGBT Por Maria Beatriz Melero, da Cláudia  MarijaRadovic/ThinkStock Cerca de metade dos brasileiros afirmam não saber o que são pessoas transgêneros. É o que aponta pesquisa do Instituto Locomotiva. Pessoas transgêneros são aquelas que não se identificam com as características biológicas que nasceram. De acordo com o estudo, 49% da população do país desconhece o significado da letra T na sigla LGBT e dois em cada 10 brasileiros entendem bem questões de gênero. O levantamento ainda apontou que 47% da população diz ser a favor que trans utilizem banheiros públicos de acordo com o gênero com o qual se identificam e 49% apoiam aqueles que desejam realizar cirurgias de redesignação sexual pelo SUS. O estudo do Instituto Locomotiva chega na semana em que acontece um dos maiores eventos LGBTs do país. Neste domingo ...

Leia mais
Página 1 de 2 1 2

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist