‘Baixar o porrete’: Pastor pode virar réu por incitar ódio aos gays

MINISTÉRIO PÚBLICO QUER QUE SILAS MALAFAIA SE RETRATE POR TER DEFENDIDO “BAIXAR O PORRETE” E “ENTRAR DE PAU” CONTRA INTEGRANTES DA PARADA GAY

por Fernando Porfírio

O Ministério Público Federal quer que a Justiça obrigue o programa “Vitória em Cristo”, exibido pela Rede Bandeirantes, se retrate de comentários homofóbicos feitos pelo pastor Silas Malafaia. O malfeito ocorreu em julho do ano passado.

Usando gírias e palavrões, o pastor defendeu “baixar o porrete” e “entrar de pau” contra integrantes da Parada Gay. De acordo com o pedido encaminhado pelo MPF, a retratação deverá ter, no mínimo, o dobro do tempo usado nos comentários preconceituosos.

“Os caras na Parada Gay ridicularizaram símbolos da Igreja Católica e ninguém fala nada. É pra Igreja Católica ‘entrar de pau’ em cima desses caras, sabe? ‘Baixar o porrete’ em cima pra esses caras aprender (sic). É uma vergonha”, afirmou o pastor evangélico, durante o programa.

Indignada com as manifestações preconceituosas, a associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais protocolou reclamação no Ministério Público Federal, o que motivou a abertura de um inquérito civil para apurar o caso e terminou numa ação, com pedido liminar.

O pastor chegou a ser ouvido pelo MPF. Malafaia explicou que tinha feito uma crítica severa às atitudes de determinadas pessoas “desse segmento social”, acrescida também de reflexão e crítica sobre a ausência de posicionamento adequado por parte das pessoas atingidas. Ele defendeu que as expressões “baixar o porrete” ou “entrar de pau” significam “formular críticas, tomar providências legais”.

Para o Procurador Regional dos Direitos do Cidadão, Jefferson Aparecido Dias, as gírias têm claro conteúdo homofóbico, por incitar a violência em relação aos homossexuais. “Mais do que expressar uma opinião, as palavras do réu em programa veiculado em rede nacional configuram um discurso de ódio, não condizente com as funções constitucionais da comunicação social”, disse o procurador.

Dias afirma que, como líder religioso, Malafaia é formador de opiniões e moderador de costumes. “Ainda que sua crença não coadune com a prática homossexual, incitar a violência ou o desrespeito a homossexuais extrapola seus direitos de livre expressão”, argumentou. Por isso, a importância da retratação de seus comentários homofóbicos diante de seus telespectadores, além da abstenção de veicular novas mensagens homofóbicas.

Fonte: Brasil 247

+ sobre o tema

A maravilhosa resposta dessa mulher às piadas sobre seu corpo no álbum de noivado

Até quando as mulheres vão aceitar ter seus corpos julgados por...

Marcha Mundial de Mulheres: Não à MP 557/2011! Em defesa da vida das mulheres!

Entidades feministas repudiam MP do Nascituro A Marcha Mundial de...

PEC que proíbe aborto avança no Senado e pode ser votada na CCJ

Desarquivada em fevereiro, a PEC 29/2015 garante a “inviolabilidade...

para lembrar

Mulheres contra a corrupção

 As procuradoras da República Raquel Dodge e Deborah Duprat...

Privilégio branco, monogamia e a esposa troféu

Quem eu era quase aos vinte anos de idade:...

As feministas não precisam ser perfeitas

Algumas feministas se digladiam por causa de suas divergências....

Lei quer dar mais tempo para os pais ficarem com o recém-nascido

Um projeto no Congresso Nacional pode ampliar o tempo...
spot_imgspot_img

Pesquisadora aponta falta de políticas para diminuir mortalidade materna de mulheres negras no DF

"O Brasil é um país muito difícil para uma mulher negra ser mãe, por diversos fatores, dentre eles as dificuldades de acesso a saúde pública,...

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...
-+=