Início Áreas de Atuação Direitos Humanos Brasil, quarto país que mais mata defensores dos direitos humanos no mundo,...

Brasil, quarto país que mais mata defensores dos direitos humanos no mundo, tem programa de proteção ameaçado

Relatório “Começo do fim”, das ONGs Terra de Direitos e Justiça Global, aponta crise na defesa de ativistas no governo Bolsonaro

Stockphotos / Direitos Reservados Transcrição

O Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos, Comunicadores e Ambientalistas (PPDDH) enfrenta uma grave crise que põe em risco ativistas em todo o Brasil. Essa é a principal conclusão do relatório “Começo do fim?”, que as ONGs Terra de Direitos e Justiça Global divulgam na próxima quinta-feira (9). 

O trabalho aponta o desmantelamento do programa ao longo do governo Bolsonaro, que envolve desde a baixa execução orçamentária à diminuição de casos incluídos no programa, passando pela insegurança política na gestão e pela inadequação quanto à perspectiva de gênero, raça e classe. Segundo a Global Witness, o Brasil ocupa quarto lugar no ranking dos países que mais matam defensores e defensoras de direitos humanos, atrás apenas de Colômbia, México e Filipinas. A situação fica ainda mais dramática quando se usa por base a série histórica da Organização das Nações Unidas (ONU): entre 2015 e 2019 foram 1.323 vítimas, das quais 174 no país, o que leva o Brasil ao segundo lugar na lista de pais mais perigosos para defensores dos direitos humanos.

A crise no programa, ou o “pior momento”, como define o relatório, acontece em um momento dramático da defesa dos direitos humanos no país. O Brasil ocupa o 3º lugar  em ranking global de assassinatos de defensores de direitos humanos. O desmatamento na Amazônia brasileira é o maior em 15 anos. O país enfrenta a pandemia de Covid-19 com a demanda de políticas públicas urgentes e específicas. Em contrapartida, tramitam, no Congresso, com apoio do governo federal, propostas legislativas restritivas de processos de demarcação de terras indígenas e permissivas para que o setor privado explore e se aproprie de territórios indígenas e de terras destinadas à reforma agrária. Há ainda um sem número de ações e políticas violadoras de direitos de quilombolas, LGBTQIA+, mulheres, crianças e adolescentes.

O documento lista as oito maiores ameaças ao programa, começando pela baixa execução orçamentária. As medidas de austeridade fiscal implementadas a partir de 2016, que criaram um teto para os gastos; e a eleição de um governo claramente contrário às políticas públicas de direitos humanos se refletiram diretamente nas verbas destinadas ao PPDDH. Nos últimos anos, ficou clara ainda a estratégia de destinar recursos, mas não executá-los. Em 2019, menos de 17% do orçamento destinado para o programa foram pagos. Em 2020, para um orçamento de R$ 9.140.968,00, o governo liberou apenas 10,27% desse valor.

Outro aspecto importante que o relatório destaca é o esvaziamento ou extinção de conselhos ligados à defesa dos direitos humanos. Segundo pesquisa do Núcleo de Democracia e Ação Coletiva do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), após analisar 100 (cem) órgãos, houve um esvaziamento ou extinção de 75% (setenta e cinco por cento) dos conselhos ou comitês mais importantes. Esse esvaziamento e/ou extinção, implicam “em uma perda na qualidade da política e um enfraquecimento, fragilização da própria democracia brasileira”, conforme análise da cientista política Carla Bezerra.

Em 2021, apenas nove programas estaduais estão totalmente implementados: Bahia, Ceará, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Pernambuco, Rio de Janeiro e Mato Grosso. Além disso, outros dois programas estaduais estão em fase de implementação, no  Amazonas e no Rio Grande do Sul e dois programas regionais estão sendo implantados, em Rondônia e Mato Grosso do Sul.

A gravidade da situação chamou a atenção da Comissão Interamericana de Direitos Humanos. Este ano, a entidade  recomendou que o Estado brasileiro fortaleça, “estrutural e orçamentariamente o Programa de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos, garantindo a implementação de medidas efetivas e eficazes de proteção”

Criado em 2004, o Programa de Proteção de Defensores de Direitos Humanos no Brasil (PPDDH), nasceu vinculado à então Secretaria Especial de Direitos Humanos, mas, até hoje, segue sem a edição de uma lei federal que o institucionalize como política de Estado. Atualmente, como o marco normativo nacional é integrado pelo Decreto nº 6.044, de 12 de fevereiro de 2007, que aprovou a Política Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos; pelo Decreto nº 9.937, de 24 de julho de 2019,com redação modificada pelo Decreto nº10.815, de 2010, que alterou a política para constituí-la como Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos, Comunicadores e Ambientalistas (PPDDH).

-+=