Capes desenvolve projeto para estudantes da região amazônica

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) está desenvolvendo um projeto para levar estudantes de graduação da região amazônica para atuarem em projetos de iniciação científica em universidades de outras regiões do país. Segundo o presidente da Capes, Jorge Almeida Guimarães, o projeto funciona no período de férias dos estudantes e tem o objetivo de despertar o interesse desses alunos para que sigam os estudos e se titulem mestres e doutores. A intenção é que o projeto comece até, no máximo, as férias do fim deste ano.

Imagem: HP LIBRARY

– Estaremos treinando os próximos mestres e doutores. Eles já começam a ter interesse. O estudante que fizer isso duas, três, quatro vezes durante a graduação, já sabe o que vai fazer no mestrado dele – explica Guimarães. A intenção é que mesmo quem se titule em outros estados, volte e se fixe na própria região. “Fixar profissionais de outros estados na região amazônica é uma grande dificuldade. Queremos aperfeiçoar os programas das universidades na região para que tenhamos mais alunos de lá”.

O estudo Mestres 2012: Estudos da Demografia da Base Técnico-Científica Brasileira, informa que, de 1996 a 2009, foram concedidos na Região Norte, 7.778 títulos de mestre. O número é o menor do Brasil. A Região Sudeste, concentra o maior número de títulos, com 196.220 no mesmo período.

Em relação aos programas de mestrado, a região também apresenta o menor número. Em 2009, eram 119 programas, contra 1.346 na Região Sudeste. Apesar de ter apresentado o maior crescimento desde 1996, 341%, em números absolutos, a região ainda tem poucos programas.

Com o intercâmbio institucional, os estudantes de graduação terão a oportunidade de conhecer outras universidades do país. A Capes fará um levantamento dos alunos interessados e em quais áreas atuam. A partir daí, buscará institutos de educação superior para receberem esses estudantes. Não existe uma região ou estado prioritário. Os estudantes devem receber uma bolsa para que possam passar o período em outra cidade. O valor deve ser o de uma iniciação científica, em torno de R$ 400.

Além dessa iniciativa, a Capes incentiva a fixação de pós-graduandos na região por bolsas de estudo e por associação de cursos mais qualificados com outros com uma qualificação menor, para que o de mais baixa qualificação possa se aprimorar com a troca de conhecimento, o chamado mestrado e doutorado interinstitucional.

 

Fonte: Correio do Brasil

+ sobre o tema

Inscrições para bolsas de estudo na Suécia terminam na próxima semana

Programa é oferecido pelo Ciências sem Fronteiras e abrange...

5 hábitos diários que ajudam a escrever melhor

São Paulo - “O escritor é um homem que,...

Palavras de origem africana no vocabulário brasileiro

Afora o Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Guiné-Equatorial,...

Escola paraibana é premiada por valorizar a cultura africana Paraíba

Escola paraibana é premiada por valorizar a cultura africana...

para lembrar

As Religiões de Matriz Africana e a Escola Apostila (1)

Nossa contribuição começa quando analisamos o mapa da diáspora...

“Não esperava ódio”, diz autora de projeto antirracismo, alvo de… racismo

A campanha fotográfica, divulgada em um Tumblr na semana...

A tarefa monumental de Sociologia e Filosofia

Há sete anos, disciplinas se tornaram disciplinas obrigatórias no...

Microsoft cria rede social só para professores

Olá professores, Do Canal do Ensino  A Microsoft desenvolveu uma rede...
spot_imgspot_img

Estudo mostra que escolas com mais alunos negros têm piores estruturas

As escolas públicas de educação básica com alunos majoritariamente negros têm piores infraestruturas de ensino comparadas a unidades educacionais com maioria de estudantes brancos....

Educação antirracista é fundamental

A inclusão da história e da cultura afro-brasileira nos currículos das escolas públicas e privadas do país é obrigatória (Lei 10.639) há 21 anos. Uma...

Faculdade de Educação da UFRJ tem primeira mulher negra como diretora

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) tem a primeira mulher negra como diretora. A professora Ana...
-+=