Cassar registro de psicóloga que oferecia “cura gay” é defender a ética da profissão

No dia 17 de fevereiro o Conselho de Psicologia do DF cassou o registro de Rozângela Justino, que oferecia "cura gay"

A decisão do Conselho Regional de Psicologia do Distrito Federal, publicada no dia 17 de fevereiro, de cassar o registro profissional de Rozângela Alves Justino, que oferecia “cura gay”, demonstra a responsabilidade social que o CRP representa e reafirma o compromisso da categoria de psicólogas e psicólogos, com a defesa da diversidade, das liberdades e da democracia.

Nenhuma profissão está legalmente ou cientificamente habilitada a converter a identidade de gênero e/ou a orientação sexual de quem quer que seja.

A sexualidade de cada pessoa é uma dimensão/condição da vida humana, ou seja, existe independentemente de convenções sociais.

E isso é afirmado — com diferentes abordagens — por vários estudos e áreas das ciências humanas e sociais. Como resultado da luta da sociedade civil e de vários estudos, em 17 de maio de 1990 (portanto há mais de três décadas), a Organização Mundial da Saúde (OMS) retirou a homossexualidade da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID).

Desde 22 de março de 1999, o Conselho Federal de Psicologia (CFP), por meio da Resolução Nº 001/99, estabelece normas de atuação das e dos profissionais da Psicologia com relação à sexualidade e afirma que estes profissionais devem seguir os princípios éticos da profissão, não podendo contribuir com a discriminação, patologização e estigma da orientação sexual das pessoas.

Ainda na referida resolução, o CFP é bem incisivo quando diz que os profissionais da Psicologia não podem fazer pronunciamentos ou participar de eventos que reforcem preconceitos existentes com relação a homossexuais, como pessoas portadoras de desordens psíquicas, ou que proponham cura e/ou tratamento das homossexualidades.

Há décadas o movimento social utiliza o 17 de maio, como o Dia Internacional de Enfrentamento à LGBTFOBIA, porque apesar das importantes decisões citadas acima e tantos outros marcos políticos e históricos, que compõem nossa trajetória de luta e de resistência contra a discriminação, pela liberdade de sermos o que somos e exercermos nosso direito de amar quem amamos, isso não foi suficiente para eliminar a ignorância, o ódio e a intolerância na sociedade mundial.

Tampouco a discriminação por parte de profissionais de diferentes áreas, a exemplo da Saúde, em que deveriam seguir a orientação pela promoção do bem estar.

Seguimos reafirmando que não há cura para o que não é doença. Mas essa reflexão ainda não alcançou centenas de milhares de pessoas, que lamentavelmente acreditam em reversão sexual. 

Cabe enfatizar — com profunda indignação — que a lgbtfobia existe e se sobrepõe aos princípios éticos e aos compromissos de cuidado, que muitas categorias profissionais assumiram quando adquiriram suas formações.

Para quem não compreende o que é a lgbtfobia, a que nos referimos, é “uma construção social que consiste numa permanente promoção de apenas uma forma de sexualidade (heterossexual) e de uma única forma de identidade de gênero (cisgênero) em detrimento de outras formas de desejo, como o desejo homoafetivo e de outras construções identitárias de gênero” (Resolução Conjunta CNAS e CNCD/LGBT N° 01/2018, de 24 de setembro de 2018).

A partir disso, uns querem nos obrigar — nós LGBT+ — a seguir essa cisheteronormatividade, como se tal fosse a forma correta de um humano ser.

A decisão do CRP-DF é uma importante ação no sentido de fortalecer a nossa luta pela cidadania.

O que nós queremos é o direito humano fundamental da liberdade: de existir, de ir e vir, de ser o que somos, de amar quem amamos, de expressar as nossas ideias e sentimentos, de constituir nossas famílias, de usufruir de afeto, e de ocupar as cidades e/ou qualquer espaço ou lugar público, sem sermos ameaçados, agredidos e/ou violentados.

Queremos o nosso direito à vida! Quando nos negam esses direitos, nos desumanizam e legitimam as violências e as violações históricas às quais somos submetides há séculos.

“Seja qual for a liberdade pela qual lutamos, deve ser uma liberdade baseada na igualdade”. (Judith Butler)

*Andrey Roosewelt Chagas Lemos é doutorando em saúde coletiva e presidente nacional da União Nacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (UNALGBT).

**Silvia Cavalleire é graduada em Letras, Coordenadora do Centro Estadual de Referência LGBT+ Thina Rodrigues e presidenta da UNALGBT do Ceará.

+ sobre o tema

As diásporas da b¡cha preta

A descoberta da sexualidade pelos homens negros, e aqui...

ONG conclui primeira edição de programa de capacitação a jovens LGBTs+

Embaixadorxs capacitou em empreendedorismo social e liderança 26 jovens...

Jovens indígenas incluem pauta LGBT no debate

Juventude discute a questão LGBT e pretende levar o...

Argentina tem primeira condenação por crime de ódio contra transexual

Gabriel David Marino foi condenado à prisão perpétua por...

para lembrar

Por quê criminalizar a Homofobia?

A maioria dos brasileiros assiste passivamente cenas diárias de...

Tolerância a ofensas prejudica candidatos, por Renato Janine Ribeiro

Por Renato Janine Ribeiro Aécio Neves e Eduardo Campos quiseram...

RS em meio a polêmicas de racismo e homofobia

Intolerância colocou Estado em evidência Valores fundamentais das sociedades, as...

Relator de comissão no Congresso propõe veto à adoção por casais gays

O deputado federal Ronaldo Fonseca (PROS-DF) apresentou nesta semana...
spot_imgspot_img

Homofobia em padaria: Polícia investiga preconceito ocorrido no centro de São Paulo

Nas redes sociais, viralizou um vídeo que registra uma confusão em uma padaria, no centro de São Paulo. Uma mulher grita ofensas homofóbicas e...

ONG contabiliza 257 mortes violentas de LGBTQIA+ em 2023

Em todo o ano passado, 257 pessoas LGBTQIA+ tiveram morte violenta no Brasil. Isso significa que, a cada 34 horas, uma pessoa LGBTQIA+ perdeu...

Justiça manda Governo do RJ pagar R$ 80 mil a Cacau Protásio por ataques em gravação em quartel dos bombeiros

A Justiça do Rio de Janeiro determinou, em segunda instância, que a atriz Cacau Protásio seja indenizada em R$ 80 mil por ataques e...
-+=