Comissão da Saúde aprova PL de garantia de direitos à pacientes falciformes

A Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira (5), o Projeto de Lei nº 1.301/2023, que reconhece a doença falciforme como deficiência para todos os efeitos legais. A proposta, de autoria do Deputado Clodoaldo Magalhães (PV-PE), visa garantir que os portadores da doença tenham acesso aos mesmos direitos e benefícios assegurados a outras pessoas com deficiência.

A doença falciforme é uma condição genética que afeta principalmente a população afrodescendente e causa a deformação das hemácias, prejudicando o transporte de oxigênio no corpo. Isso pode levar a crises de dor intensa, complicações crônicas como insuficiência renal e acidente vascular cerebral, e redução da qualidade de vida e da capacidade laboral.

“O reconhecimento da doença falciforme como deficiência é um passo importante para garantir que este segmento tenha acesso a tratamento adequado, serviços de saúde especializados, reabilitação, e oportunidades no mercado de trabalho. Também contribui para combater o estigma e a discriminação que essas pessoas enfrentam”, comenta o autor.

A Comissão de Saúde aprovou o projeto com a inclusão da talassemia, outra doença genética que afeta a hemoglobina e causa sintomas e desafios semelhantes à doença falciforme.

Dentre alguns dos benefícios para os pacientes falciformes estão a isenção de taxas em serviços públicos; acesso à vagas de emprego reservadas; auxílio-doença e aposentadoria especial e acesso a medicamentos e tratamentos especializados.

O projeto será apreciado na Comissão de Constituição e Justiça, em caráter terminativo, e segue para o Senado.

+ sobre o tema

À beira do retrocesso

Os direitos humanos trazem a marca de seu tempo...

A felicidade não é uma futilidade nem um luxo, diz secretário-geral da ONU em Dia Internacional

    Para comemorar o Dia Internacional da Felicidade, celebrado em todo...

Racismo estrutural leva à maior mortalidade materna entre mulheres negras, aponta pesquisadora

A pandemia de Covid-19 descortinou a desigualdade que marca a...

PNDH3: Entidades de direitos humanos rechaçam mudanças no plano

Grupos dizem que durante a ditadura guerrilheiros já foram...

para lembrar

É preciso avançar sobre terras indígenas?

Portaria do Ministério da Justiça que muda o rito...

Conviver é possível?

Por Kátia Mello A pergunta é o tema do Trip...

Nota da EDUCAFRO Sobre artigo publicado no site da Revista Veja em 11/11/2014

Obs: A Entidade vai exigir da Revista Veja o...

Globo: o odor da saturação

A Globo foi e é parte diretamente interessada no...
spot_imgspot_img

Renovação do EMLER beneficia organizações de combate ao racismo

Geledés – Instituto da Mulher Negra anuncia com grande satisfação a renovação por mais três anos do mandato do Mecanismo de Especialistas para Promover...

Encontro do PNUMA é marco de combate ao racismo ambiental

O encontro promovido em Recife pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), com apoio de Geledés - Instituto da Mulher Negra...

País tem 300,8 mil pessoas em situação de rua, mais de 80 mil em SP

Um levantamento feito pelo Observatório Brasileiro de Políticas Públicas com a População em Situação de Rua, da Universidade Federal de Minas Gerais (OBPopRua/POLOS-UFMG), revelou...
-+=