quinta-feira, fevereiro 25, 2021

Saúde

Adobe

Dados preliminares mostram que 64% dos recuperados de covid têm sintomas persistentes

Resultados preliminares de uma pesquisa com pacientes recuperados de covid-19, acompanhados pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, revelam que 64% têm algum sintoma persistente seis meses depois do início dos sintomas. Entre os pacientes atendidos pelo ambulatório pós-covid (MINC) do Hospital das Clínicas da FMRP, os principais sintomas persistentes são fadiga, falta de ar, dor de cabeça, perda de força muscular, dificuldade para enxergar ou incômodo nos olhos. Os dados são coletados pelo projeto Recovida, que acompanha, desde maio de 2020, sobreviventes da covid-19 para observar as repercussões da doença. “O Recovida é um projeto que foi pensado logo no início da pandemia no Brasil. Começamos a pesquisar e organizar o estudo em abril do ano passado, no final desse mesmo mês ele foi aceito pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) e em maio começamos a coletar os dados”, conta a fisioterapeuta Lívia Pimenta Bonifácio,...

Leia mais
Imagem: iStock

Mais um viva à ciência: a tesoura de DNA que poderá curar anemia falciforme

Se há um bom hábito que as pessoas criaram nesses tempos de pandemia é o de torcer pela ciência — que, ainda mais aqui no Brasil, precisa mesmo de uma pitada de sorte e uma boa dose de incentivo. E, óbvio, nem só de covid-19 vivem as pesquisas. No ano passado, enquanto ficamos de olhos vidrados no desenvolvimento de vacinas contra a infecção pelo Sars-Cov 2, pesquisadores do país e mundo afora conquistaram inúmeros outros feitos que também são dignos de aplausos. Quis escolher um deles como exemplo e logo me lembrei da dupla Emmanuelle Charpentier e Jennifer Doudna — a primeira, microbiologista e imunologista francesa e a segunda, bióloga molecular americana. No 2020 terrível dominado pelo novo coronavírus, elas foram laureadas com o Nobel de Química, mas sem talvez os justos holofotes iluminando a importância de seu trabalho para nós, leigos. Ou melhor, as pesquisadoras até chamaram bastante a atenção,...

Leia mais
A pesquisa foi realizada com mulheres em remissão de câncer de mama que praticam remo na Raia Olímpica da USP pelo Projeto Remama, que busca oferecer qualidade de vida às pacientes que passaram pelo tratamento da doença no Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) – Foto: Arquivo Programa Remama

Pandemia piorou condições de saúde de mulheres em remissão do câncer de mama

Apandemia levou um grupo de mulheres em remissão de câncer de mama a piorar suas condições de saúde. Antes atuantes na prática de atividade física, durante o isolamento social, período em que tiveram de ser afastadas da canoagem da Raia Olímpica da USP, elas apresentaram ganho de peso corporal (de 1 a 15 quilos), 90% pararam ou reduziram a prática de atividade física e a maioria (58%) apresentou sintomas relacionados à covid-19. O detalhamento dessa pesquisa, feita com remadoras que praticam canoagem na Raia Olímpica da USP, está descrito no artigo “Determinants of health and physical activity levels among breast cancer survivors during the Covid-19 Pandemic”, que será publicado em breve no Journal Frontiers in Physiology. “Compreender correlações dessa dinâmica é fundamental, uma vez que a obesidade é um fator de risco para reincidência de vários tipos de cânceres, inclusive o de mama, além de contribuir para o agravamento da covid-19”,...

Leia mais
Foto: Dado Ruvic /Reuters

Trabalhadoras domésticas devem ser prioritárias na fila da vacina contra a Covid-19

É com satisfação que vimos o programa de vacinação de prevenção à Covid-19 começar no Brasil, mas sabemos que o caminho ainda está longo até sairmos do desastre social, econômico e humano que estamos vivendo. Depois de quase um ano de crise, já estamos com mais de 210 mil mortes relacionadas à Covid-19, a maior taxa de desemprego alcançada nas últimas décadas (cerca de 14 milhões de desempregados/as) e um sistema de saúde saturado ao ponto de faltar oxigênio no estado do Amazonas. As trabalhadoras domésticas foram uma das categorias mais atingidas pela crise. Cerca de 1.5 milhões de empregos foram perdidos no ano de 2020, enquanto as que permaneceram no trabalho se encontraram expostas aos altos riscos de contaminação, à falta de acesso aos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) como máscaras e luvas, às quarentenas forçadas no local de trabalho, ao assédio, violência, e maus tratos, chegando às vezes...

Leia mais
Anielle Franco (Foto: Bléia Campos)

Uma luta incansável

Desde que escrevi minha última coluna, muitas coisas aconteceram em nosso país. Sem dúvidas, a mais importante foi o início da vacinação contra a Covid-19 em vários estados do Brasil. Em que pese que o momento ainda seja de incerteza, seja pela ineficiência do poder público em garantir insumos básicos para estados e municípios, como acontece nos últimos dias em Manaus, seja pela confusão e mudanças recorrentes sobre como se desenvolverá o plano de vacinação em todo território nacional, sabemos que o início da vacinação fez com que em muitos profissionais de saúde da linha de frente do combate à pandemia da Covid-19, que desde março de 2020 estão salvando milhares de vidas, finalmente começarão a ver uma luz no fim desse longo túnel chamado Covid-19. E é sobre essas trabalhadoras e trabalhadores que quero falar hoje. No último domingo (17), foi impossível não se emocionar com a imagem e a fala da...

Leia mais
Bianca Santana (Foto: Natália Sena)

Cuidados comunitários evitam mortes por Covid-19

Como já contei em textos anteriores, o projeto Agentes Populares de Saúde oferece monitoramento a pessoas com sintomas de Covid-19 em cinco territórios onde a UNEafro atua. Com o apoio de médicas e médicos voluntários, a utilização de termômetros, oxímetros e a distribuição de materiais informativos, agentes populares contribuem com o SUS e desafogam o sistema de saúde ao apoiarem cuidados domésticos, ao mesmo tempo que salvam vidas ao identificar casos de agravamento no momento exato em que o hospital se torna necessário. A baixíssima taxa de letalidade do projeto é um dos indicadores que permitem afirmar sua eficácia: de 387 pessoas com sintomas de Covid-19 monitoradas até 10 de novembro de 2020, data do último relatório produzido, apenas 23 precisaram de internação hospitalar e uma morreu. Apesar do luto pela morte de Jorge Luiz Neves Pereira, aos 67 anos, vibramos a cada pessoa que se recupera sem precisar de internação...

Leia mais
Reprodução/Facebook

O que será dos profissionais de saúde que distorcem a ciência?

A semana de sofrimento e morte promovida em Manaus pela incompetência logística e pelo desdém das lideranças políticas que tinham a obrigação de proteger as pessoas da morte por desassistência mas que, deliberadamente, escolheram nada fazer foi, sem dúvida, das coisas mais tristes que muitos de nós viu e vai ver na vida. Tão incômodo e doloroso quanto ver as cenas das pessoas morrendo sufocadas por falta de oxigênio dentro de unidades de saúde foi ver o desespero dos colegas profissionais da saúde chorando, implorando por ajuda, pedindo recursos ao telefone, nas redes sociais e na televisão. Contudo, não estávamos todos desesperados e chorosos em meio ao caos. Uma parte dos profissionais de saúde brasileiros estava usando suas redes sociais para incentivar seus milhares de seguidores a desafiar as autoridades e o vírus. Faziam em seus stories verdadeiras convocações para que as pessoas saíssem às ruas sem máscara, sem evitar aglomerações, sem...

Leia mais
(Foto: Danilo Verpa/ Folhapress)

É falso que Ministério da Saúde pré-cadastre para vacinação contra Covid-19 por telefone ou SMS

Golpistas se aproveitam da expectativa pela vacinação contra Covid-19 para enganar cidadãos e obter acesso a aplicativos de mensagens como o WhatsApp e o Telegram, segundo informou o Ministério da Saúde no dia 14 de janeiro. De acordo com publicação da pasta nas redes sociais, os golpistas ligam para os celulares das vítimas e fazem um falso questionário para levar o cidadão a acreditar no golpe e compartilhar com o criminoso um código que dá acesso aos aplicativos de mensagens. A isca usada pelos golpistas é a possibilidade de pré-agendar uma data para a vacinação. A pasta, no entanto, não está agendando datas para a vacinação contra a Covid-19 e não faz ligações para cidadãos. "O Ministério da Saúde esclarece que não realiza agendamento para aplicação de nenhum tipo de vacina, e nem envia códigos para celular dos usuários do SUS (Sistema Único de Saúde). Caso receba solicitação de cadastro,...

Leia mais
Mônica Calazans tem 54 anos e trabalha na UTI do Instituto de Infectologia Emílio Ribas (Foto: Arquivo pessoal)

Corinthians celebra primeira vacinada no Brasil: “corintiana de Itaquera”

O Corinthians comemorou hoje a vacinação de Monica Calazans, enfermeira que foi a primeira pessoa a ser vacinada com a vacina contra covid-19 em território brasileiro. Em publicação, o Timão celebrou o momento e afirmou que a enfermeira ser corintiana é algo que "comove". "Parabéns, Mônica Calazans. Saber que a primeira brasileira vacinada contra a Covid-19 é uma enfermeira corinthiana de Itaquera é algo que comove a todos nós. A Fiel inteira te abraça no simbolismo e na esperança trazida por este momento. #VacinaJá", disse o clube paulista em publicação.   Ver essa foto no Instagram   Uma publicação compartilhada por Corinthians (@corinthians) O presidente do Corinthians, Duilio Monteiro Alves, convidou Mônica para visitar o Parque São Jorge e receber uma homenagem do clube. "Hoje, uma corinthiana de Itaquera fez história. Para a enfermeira Mônica Calazans, a 1a. pessoa vacinada contra o coronavírus no país, meu desejo de muita saúde...

Leia mais
Carl Hart (Foto Harper Collins)

Álcool e cafeína são as drogas mais consumidas durante a pandemia, diz neurocientista Carl Hart

Álcool e cafeína são as drogas mais consumidas durante a pandemia, afirma o neurocientista americano Carl Hart — lembrando que a cafeína não está presente apenas no café e na barra de chocolate, mas também em analgésicos e inibidores de apetite. No entanto, para quem acha que, findo o isolamento, haverá um número maior de alcoólatras e viciados em pílulas para emagrecer, Hart dá um freio. Para o professor do departamento de Psicologia e Psiquiatria da Universidade Columbia, em Nova York, o maior consumo dessas substâncias não implicará dependência pós-covid. Mas ele não duvida que essas drogas venham a ser acusadas de degringolar ainda mais a sociedade para tirar o foco da inabilidade dos governos de lidar com os problemas socioeconômicos advindos da pandemia. Seria assim, em qualquer tempo e crise, com a cocaína, o crack e os opioides — estes últimos apontados como um dos fatores da redução gradativa...

Leia mais
Manifestantes a favor do aborto legal marcham diante do Congresso em Buenos Aires, em 29 de dezembro.AGUSTIN MARCARIAN / Reuters

Argentina legaliza o aborto e se põe na vanguarda dos direitos sociais na América Latina

É lei. Na Argentina, as mulheres que decidem interromper a gravidez podem fazê-lo de forma legal, segura e gratuita no sistema de saúde. O Senado aprovou na madrugada desta quarta-feira a legalização do aborto até a semana 14 da gestação por 39 votos a favor, 29 contra e uma abstenção. Enterrou assim a lei em vigor desde 1921, que considerava a prática crime, exceto em caso de estupro ou risco de vida da mãe. Nas ruas, a maré verde, a cor símbolo do feminista no país, explodiu de alegria. Com a nova legislação, a Argentina está mais uma vez na vanguarda dos direitos sociais na América Latina. A partir desta quarta-feira é o primeiro grande país da região a permitir que as mulheres decidam sobre seus corpos e se querem ou não ser mães, como já fizeram Uruguai, Cuba, Guiana e Guiana Francesa (e regiões como a Cidade do México)....

Leia mais
Getty Images

Saiba o que é SUA, condição que afeta uma em cada três mulheres e pode ser sintoma de problemas no útero ou nos ovários

Dúvidas sobre sangramentos vaginais são bastante comuns entre as mulheres, tanto que a pesquisa no Google para saber “quando a menstruação é normal” cresceu 58% de janeiro a outubro deste ano, em comparação com o mesmo período de 2019. Segundo a Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (FIGO), o Sangramento Uterino Anormal (SUA) é uma condição que atinge uma a cada três mulheres (33%) em algum momento da vida. Pode ser considerado anormal qualquer sangramento que fuja do padrão daquela mulher. Em média, são usados de três a cinco absorventes diariamente no ciclo menstrual, que normalmente dura por volta de cinco dias. Quando houver sangramentos além destes limites, consulte um ginecologista. É normal que mulheres que estejam beirando os 50 anos tenham ciclos menstruais irregulares por estarem se aproximando da menopausa. Mas sangramentos naquelas que já entraram nesta fase são sinais de que há algo de errado. O SUA tem...

Leia mais
Guilherme Alves Costa Silva iniciou a terapia durante a quarentena: lidando com o racismo sem adoecer - (crédito: Arquivo pessoal)

Como o racismo pode levar ao adoecimento mental

O racismo pode afetar a população negra de diversas formas e em diferentes dimensões. “Na sua forma de existir, de serem potências, de se enxergar enquanto bonitos, na sua forma de enfrentar os adoecimentos, o racismo atinge a nossa vivência, em qualquer parte do cotidiano”, acredita o psicólogo especialista em direitos humanos Matheus Asmassallan. O profissional ressalta que falar de racismo é levar em consideração a situação da população indígena no país, que sofre com apagamentos históricos. “Ainda hoje, as pessoas indígenas lutam pelo mapeamento de sua terra. Os quilombolas labutam para ter direito ao seu território. O racismo chega de diversas formas, inclusive nessa desterritorialização, e não garante o direito de estabilidade de vida.” Matheus lembra que diferentes realidades serão atingidas por essas violências de formas diferentes. “Se eu sou um jovem professor universitário, psicólogo, dentro do meu condomínio fechado, vivencio atravessamentos do racismo de uma forma totalmente diferente...

Leia mais
O câncer de próstata é o segundo tipo mais comum entre os brasileiros, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA). (Foto: Pixabay/Reprodução)

Novembro Azul: mais da metade dos homens brasileiros atendidos pelo SUS nunca foram ao urologista, segundo instituto

Mais da metade dos homens brasileiros que são atendidos pelo SUS nunca foi ao urologista, segundo Instituto Lado a Lado pela Vida. O "Novembro Azul" é usado pelos médicos para chamar atenção deles para necessidade de tomar todos os cuidados contra o câncer de próstata. O Instituto Nacional do Câncer (INCA), estima que 65.840 novos casos de câncer de próstata em 2020. Este tipo de câncer é o mais comum entre os homens brasileiros. "Acima de 50 anos essa doença passa a ser mais comum, mas aqueles que têm parentes com câncer de próstata devem procurar médico a partir de 45, assim como a população afrodescendente. A doença manifesta nessa população de forma mais precoce", explicou Fernando Marcicano, médico urologista. O médico ainda disse que o homem deve procurar todo ano o urologista para fazer exame de sangue e próstata. O advogado José Valter Lopes recebeu o diagnóstico da doença...

Leia mais
Imagem: Marcelo Casal Jr / ABR

SUS não é só “plano de saúde” para pobre; saiba qual é o papel dele no país

Um dos maiores patrimônios do povo brasileiro completou 30 anos no último dia 19 de setembro. Estamos falando do SUS (Sistema Único de Saúde). Muita gente não sabe, mas ele é bem mais que um "plano de saúde" para pobres: ele é fundamental para ações, serviços e políticas públicas na área sanitária. O debate sobre a importância do SUS foi impulsionado na quarta-feira após um decreto federal (que fora revogado no mesmo dia) autorizar estudos para privatização em UBS (Unidades Básicas de Saúde). Ecoa falou com especialistas em saúde e políticas públicas para explicar o que está em jogo quando se fala de SUS. O SUS só atende pessoas pobres? Além do atendimento médico e hospitalar à população (que pode ou não pagar por serviços), muitos outros pontos compõem o SUS — e eles fazem parte da sua vida. Um bom exemplo são transplantes, que só são feitos por meio...

Leia mais
Jorge Aragão — Foto: Léo Queiroz / Divulgação

Jorge Aragão recebe alta e volta para casa

Por uma mensagem nas redes sociais, o cantor e compositor Jorge Aragão, de 71 anos, confirmou que foi para casa após passar por uma internação por causa do coronavírus. Ele afirma que se recupera em casa da doença. “Vencemos mais essa batalha. Já estou em minha casa desde o último domingo e em plena recuperação. Fica aqui a minha reverência e gratidão aos profissionais da saúde e a todos vocês pelas mensagens positivas”, afirmou Aragão. Jorge Aragão foi internado na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Hospital Unimed, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, no dia 13 de outubro. No último dia 20 de outubro, a assessoria do cantor confirmou que ele foi transferido para um quarto. Mesmo durante a pandemia, Jorge Aragão lançou trabalhos. Na segunda parte do álbum o álbum Jorge Aragão 70 – Ao vivo em São Paulo, apresentada na sexta-feira, 23...

Leia mais
NADIA_BORMOTOVA VIA GETTY IMAGES

A saúde mental da população negra importa! Por que ainda precisamos afirmar?

*Este artigo é uma produção do GT Racismo e Saúde da Abrasco (Associação Brasileira de Saúde Coletiva) em parceria com o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) Aproximadamente 1 bilhão de pessoas foram diagnosticadas e convivem com algum transtorno mental no mundo. Três milhões de pessoas têm como causa morte o uso abusivo de álcool e a cada 40 segundos alguma pessoa é vítima de suicídio. Segundo a OPAS (Organização Pan-Americana de Saúde), no Brasil o campo da saúde mental é o mais desinvestido no âmbito da saúde pública. Essa realidade, quando analisada à luz do marcador social raça/cor, revela que a saúde mental da população negra é pauta de primeira ordem. Segundo dados do Ministério da Saúde de 2012, na comparação das taxas de mortalidade (por 100.000 habitantes) devido ao uso de álcool, o percentual de pretos é de 5,93 e o de pardos 3,89, enquanto, o percentual...

Leia mais
Courtesy, iStockphoto

Câncer de mama: 62% esperam fim da pandemia para consultas e exames

Uma pesquisa feita com 1.400 mulheres a partir dos 20 anos mostra que 62% estão esperando a pandemia acabar para retomar consultas médicas e exames de rotina para detecção de câncer de mama. O levantamento feito pelo Ibope, em conjunto com a farmacêutica Pfizer, mostra que o índice é ainda mais alto a partir dos 60 anos, chegando a 73% das mulheres. Participaram da pesquisa mulheres das classes A, B e C e residentes da cidade de São Paulo, no Distrito Federal e nas regiões metropolitanas de Belém, Porto Alegre, Rio de Janeiro e Recife. O levantamento foi feito entre os dias 11 e 20 de setembro, via plataforma online. “Embora o momento exija cuidados para evitar a contaminação pelo novo coronavírus, atrasar consultas e exames pode significar se expor a riscos desnecessários. O monitoramento da saúde precisa permanecer em dia, pois alguns tipos de cânceres mais agressivos podem se...

Leia mais
IMAGEM CEDIDA AO METRÓPOLES

Conheça Juliano Moreira, médico negro que fundou psiquiatria no Brasil

Nascido em Salvador em 1873, Juliano Moreira foi um dos primeiros médicos negros formados no Brasil e, frequentemente, é citado como um dos fundadores da psiquiatria no país. Entre os feitos do médico baiano, estão a humanização do tratamento de pacientes com transtornos mentais e o enfrentamento do racismo científico, uma vertente argumentativa que atribuía problemas de saúde às misturas étnicas. Juliano contribuiu para a abolição do uso de camisas de força e de grades nas janelas dos hospitais de internação. Também trabalhou para a aprovação de uma legislação federal que garantisse assistência médica e legal aos doentes psiquiátricos. Filho de empregada doméstica negra com funcionário público português, ele só teve sua filiação paterna reconhecida após o falecimento de sua mãe. Para se formar, contou com a ajuda do patrão de sua genitora, o barão de Itapuã. Aos 13 anos, Juliano ingressou na Faculdade de Medicina da Bahia, ainda dois anos antes da...

Leia mais
Estudo teve como base dados de pacientes que receberam tratamento nos Estados Unidos Imagem: Istock

Câncer de mama: espera de negras para iniciar tratamento é mais longa

Um estudo publicado recentemente no periódico científico Cancer sugere que, após um diagnóstico de câncer de mama, mulheres negras têm uma espera mais longa para o início do tratamento do que as mulheres brancas, além de maior chance de ter um tratamento com duração prolongada. A equipe de pesquisadores avaliou se esses dois aspectos do atendimento —tempo para atendimento e duração do tratamento— podem ser fatores contribuintes para um dado já levantado por outras pesquisas mais antigas: as mulheres negras enfrentam um risco maior de morrer por causa da doença, apesar das taxas semelhantes de diagnóstico em mulheres brancas, e essa disparidade é especialmente alta entre as mulheres mais jovens. Como o estudo foi feito A análise incluiu 2.841 participantes (números aproximadamente iguais de mulheres negras e brancas) com câncer de mama em estágio entre um e três, com dados do Carolina Breast Cancer Study, um estudo populacional de mulheres...

Leia mais

Últimas Postagens

Artigos mais vistos (7dias)

Twitter

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms bellow to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist