Negros pediram mais auxílio emergencial, mas brancos tiveram maior sucesso

Enviado por / FonteExame, por Ligia Tuon

A maioria dos que solicitaram ao governo o auxílio emergencial de 600 reais, anunciado à população mais vulnerável em meio à pandemia do coronavírus, é formada de pessoas negras. Entre os contemplados até agora, no entanto, a taxa de sucesso dos não negros é melhor.

Levantamento feito pelo Instituto Locomotiva mostra que, entre os negros que pediram o auxílio, 74% tiveram o pedido liberado. Essa taxa foi de 81% entre os não negros que fizeram a solicitação. Do grupo total de candidatos ao benefício temporário, 43% eram negros e 37% não negros.

A informação é de um estudo mais amplo divulgado nesta quarta-feira, 17, pelo instituto e que mostra como o racismo está arraigado no Brasil, onde negros ocupam mais posições precárias e com menor renda, mas são menos beneficiados.

“7% ainda acham que não existe racismo no país. Precisamos continuar incentivando e falando sobre a importância de cada vez mais os pretos estarem nos espaços de poder”, diz Celso Athayde, fundador da Central Única das Favelas (Cufa) e do Data Favela.

A pesquisa também deixa mais claro de que forma a população negra sentiu mais os efeitos econômicos do coronavírus, especialmente quanto à diminuição da renda e não pagamento de contas: 73% dos que afirmam terem tido diminuição da renda famíliar, 73% negros e 60% não negros. Dos que deixaram de pagar contas, o número é 49% ante 32%, respectivamente.

“A diferença salarial é muito grande. O que impacta na economia, já que os negros perdem poder de consumo. É importante que o mercado olhe para essa pesquisa, e comece a se diversificar”, diz Renato Meirelles, presidente do Instituto Locomotiva e fundador do Data Favela

Trabalhadores não negros ganham em média 76% a mais que os negros, mostra o estudo. A média do salário também é bem discrepante: R$ 1.764 contra R$ 3.100.

Mesmo assim, dos pequenos empresários que estão tendo de manter seu negócio fechado durante a pandemia, a maioria é formada de negros: 38% ante 35% de não negros.

A população negra consome R$ 1,9 trilhão por ano, o que representa 40% do total do consumo brasileiro, de acordo com a Locomotiva. No país, 56% se declaram negros (pretos ou pardos) ou 118,9 milhões de pessoas.

A pesquisa foi feita entre os dias 4 e 5 de junho, por meio de um questionário que coletou 1.459 entrevistas, de 72 cidades de todos os estados do país.

+ sobre o tema

Ministra Luiza Bairros anuncia novo ciclo de políticas de igualdade racial

"O Sinapir inaugura a possibilidade de um novo ciclo...

Governo Federal e PNUD firmam cooperação para fortalecimento do Sinapir

Parceria se dá entre o Ministério das Mulheres, da...

Xaolin da Rocinha critica em artigo vaias à Dilma

Antonio Xaolin, líder comunitário da Rocinha, escreveu artigo para...

para lembrar

Estado tem de apoiar a favela para isolamento seguro, diz chefe da Fiocruz

A presidente da Fundação Oswaldo Cruz, Nísia Trindade Lima,...

Crise tem cor e gênero

Negros e mulheres enfrentam as maiores taxas de desemprego Por...

Mapa Corona nas Periferias

Mapa Corona nas Periferias Um mapa para dar visibilidade às...

Covid- 19 e as noites escuras da alma

“Você não escolhe a noite escura – ela lhe...
spot_imgspot_img

Polícia Civil de Alagoas prende homem por injúria racial e ameaça

A Polícia Civil, por meio da seção de capturas da Dracco, realizou nesta terça-feira (9), o cumprimento de um mandado de prisão contra um...

SP: Vigilante que sofreu racismo religioso no trabalho deve ser indenizado

Uma empresa de segurança e um shopping foram condenados a indenizar um funcionário que foi alvo de racismo religioso por colegas de trabalho. A...

Brasileiras denunciam racismo em palestra, em Harvard: ‘Tem piolho nas tranças?’

Duas brasileiras relataram ter sofrido racismo em uma das palestras da Brazil Conference no último sábado, na universidade de Harvard, nos Estados Unidos. Naira...
-+=