Enfrentamento ao racismo é abordado de forma limitada

Considerando a relevância do racismo, pode-se dizer, que o governo traçou es­tra­tégias, definiu instrumentos e previu recursos muito limitados para enfrentar a condição injusta e desigual em que vivem as mulheres negras. Apesar de o PPA 2012-2015, se referenciar no Estatuto da Igualdade Racial (lei nº 12.288/2010), e alguns dispositivos do Estatuto fazerem referência às desigualdades de gênero e as políticas para as mulheres – vinculadas ao acesso ao crédito, contra a marginalização da mulher negra no trabalho artístico e cultural, na atenção as mulheres negras em situação de violência -, essa dimensão composta da discriminação (sexista e racista) ficou muito fora no Plano.

Mesmo assim, a promoção da igualdade racial e enfrentamento ao racismo nesse PPA difere qualitativamente do seu anterior. Observa-se que as questões sobre raça estão distribuídas em diversas outras áreas temáticas do Plano e abordam o Enfrentamento ao Racismo e Promoção da Igualdade Racial de forma específica. Contudo, a substantiva redução do orçamento da SEPPIR prevista no PPA e proposta no Projeto de Lei Orçamentária para 2012 denuncia que os discursos do governo mudaram, incorporando outras perspectivas para promover a igualdade, mas os recursos para financiar a ação efetiva nesse sentido minguaram. Uma contradição insustentável para quem quer ver mudanças reais na vida de cada cidadã e cidadão.

A análise sobre o ciclo orçamentário feita pelo CFEMEA aponta que o valor global destinado para os quatro anos de vigência do Plano Plurianual é de R$ 312,6 milhões para este programa, ocupando a 57º lugar entre os 65 programas temáticos. O curioso é que 72,6% deste total, ou seja, R$ 227 milhões, são destinados às despesas de capital, certamente vinculada à regularização fundiária das comunidades quilombolas.

O Enfrentamento ao Racismo e à Promoção da Igualdade Racial está, sob a responsabilidade da SEPPIR, organizado a partir de dez objetivos, sendo seis vinculados de forma mais ampliada ao enfrentamento do racismo e à promoção da igualdade racial, três direcionados especificamente às comunidades quilombolas e um às comunidades tradicionais.

Em nenhuma das descrições dos dez objetivos deste programa explicita-se a incorporação da perspectiva de gênero, mas em cinco deles observam-se metas e/ou iniciativas que incorporam tal perspectiva, como é o caso da que propõe a inclusão e aperfeiçoamento de indicadores desagregados por raça/cor e sexo nos sistemas governamentais.

Um dos objetivos deste programa está vinculado à ação primordial para as chamadas políticas transversais que é a constante promoção de sua incorporação e implementação pelos demais órgãos federais, estaduais e municipais, e seu monitoramento e avaliação pelo órgão de referência da política, no caso a SEPPIR.

O problema é que nessa meta, como em outras, falta um compromisso mais consistente apontando onde se quer chegar. Não basta que o PPA aponte o sentido em que vai orientar a política, mas onde quer chegar, em que ritmo vai andar ano a ano para alcançar suas metas, e quanto vai investir para isso.

Fonte: Cfemea

+ sobre o tema

SEPPIR é premiada em concurso de inovação na gestão pública federal

Projeto de Integração de Dados do Programa Brasil Quilombola...

Negros pediram mais auxílio emergencial, mas brancos tiveram maior sucesso

A maioria dos que solicitaram ao governo o auxílio...

Ministra Luiza Bairros é condecorada com a medalha Mérito Santos Dumont

A ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da...

Primeiro Dicionário de Políticas Públicas no Brasil pode ser acessado pela internet

Capital social, Estado de Direito, Gestor Público,  Esfera Pública...Como...

para lembrar

Mato Grosso: Mulheres negras se encontram na OAB para discutir políticas públicas

O Instituto de Mulheres Negras de Mato Grosso promove...

Políticas sociais: a urgente mudança de patamar

O Brasil precisa de políticas sociais inovadoras e mais...

Jornalista pede perdão a Joaquim Barbosa após carta demolidora

Uma carta de Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal...

SEPPIR realiza reunião nacional de órgãos de PIR

Todos os estados do país e o Distrito...
spot_imgspot_img

Políticas sociais: a urgente mudança de patamar

O Brasil precisa de políticas sociais inovadoras e mais ambiciosas. De um lado, porque anos de desmonte continuado das que construímos levaram-nos a uma...

Carta em defesa de políticas públicas de promoção do respeito religioso

Carta das Religiões Afro-Brasileiras, autoridades religiosas, intelectuais e acadêmicos a ser endereçada, na segunda quinzena de Setembro, aos postulantes aos executivos Nacional e Estaduais. O...

Brasil vive espécie de apartheid institucional, diz pesquisador

Quem produz políticas públicas no Brasil? A pergunta retórica é do sociólogo Luiz Augusto Campos, que responde: "Homens brancos". E quais são as pessoas mais atingidas pelas...
-+=