Xaolin da Rocinha critica em artigo vaias à Dilma

Antonio Xaolin, líder comunitário da Rocinha, escreveu artigo para o Favela 247 criticando as vaias recebidas pela presidenta Dilma Roussef no jogo de abertura da Copa. Segundo Xaolin, há uma disputa política fora dos gramados: “Tudo não passa de um processo arquitetado para impedir o avanço da democracia e a geração de benefícios públicos. A população negra, favelada e pobre começa a conquistar seus direitos incentivados por politicas públicas que beneficiam milhões de trabalhadores brasileiros (…)”, e completa: “Tudo isso gera insatisfação numa classe que nunca dividiu o bolo (…) que o Estado oferecia”.

Por *Antonio Xaolin, para o Favela 247

Uma vaia inconcebível!

Jogo do Brasil e Croácia. Arena Itaquera lotada de torcedores.

O local e o cenário são de um ambiente de classe média burguesa saudável com plano de saúde em dia, formada em universidades públicas, mas que fez o ensino médio em escolas privadas, com estabilidade no emprego e que pagou caro por um ingresso excludente das demandas financeiras do povo. Ingresso cujo valor foi definido pela entidade que comanda o espetáculo de futebol transformado em indústria do entretenimento. A Copa do Mundo.

Quando os autofalantes anunciam a presença da Presidente da República Federativa do Brasil no estádio, os torcedores a recebem com vaias e impropérios.

Por quê?

A realidade brasileira mostra que há um jogo em disputa fora dos gramados da Fifa. Neste jogo é permitido jogar com todas as armas e formas, devido à democracia instaurada. Entretanto, hostilizar a mandatária do país do jeito que aconteceu é inadmissível. Essas atitudes inconsequentes da pequena burguesia não justificam a luta legal por mais educação, mais investimentos na saúde e na qualidade de vida do povo.

Para que ocorra qualquer reação contrária à insatisfação é necessária uma indignação. O Brasil deu um grande passo rumo às mudanças necessárias para o país se desenvolver. Essa melhoria para o povo trouxe descontentamento e ameaças para a classe dominante burguesa, saudável e riquinha. E quando começa a disputa no campo político dos direitos, essa mesma população se apercebe que a classe proletária pode avançar e conquistar direitos nunca dantes permitidos neste país e reage com agressividade.

A grande mídia hegemônica ameaçada pela luta da comunicação e com medo de perder o controle de dominação das massas passa a ser porta-voz da elite e tenta a todo custo criar o senso comum que nada presta incentivando o ódio e a desesperança. Nas redes sociais sites e blogs, os vassalos que formam a corrente de transmissão da grande mídia, repetem a panaceia e nas ruas os coxinhas e blackblocs aproveitam a cantilena incentivando o povo a pensar que tudo está degradado e atacam e achincalham as conquistas e as políticas públicas que beneficiam a população. Os mesmos coxinhas, mascarados ou não, incentivados sutilmente pela mídia, depreda os bens e patrimônios públicos com justificativa marota com agressão aos símbolos capitalistas e destruição do patrimônio público.

Tudo não passa de um processo arquitetado para impedir o avanço da democracia e a geração de benefícios públicos. A população negra, favelada e pobre começa a conquistar seus direitos incentivados por politicas públicas que beneficiam milhões de trabalhadores brasileiros e esses brasileiros ainda querem mais. Ter o médico ao alcance com o Programa Mais Médicos, Clínica da Família, Upa 24 Horas, embarcar no avião a preços acessíveis, ter a casa própria no Programa Minha Casa Minha Vida, Pró Uni, cotas para negros e carentes nas universidades públicas, erradicação da pobreza, diminuição da miséria, disponibilidade de mais empregos, cotas para negros e pardos nos concursos públicos, construção de mais universidades públicas… Tudo isto gera insatisfação numa classe que nunca dividiu o bolo e os benefícios que o estado oferecia.

Hostilizar com vaias a Presidenta da República, não pelos seus defeitos e sim pelos seus méritos, em função do ódio de classe, é simplesmente falta de respeito ao povo e a uma cidadã que lutou, junto com outros brasileiros, contra a ditadura para que hoje se tenha o direito a manifestar-se do jeito que queira, mas deve também ter o respeito à liberdade do outro e pelo outro.

A favela, a periferia, os negros, as mulheres, a juventude pobre, quer os mesmos direitos que a elite sempre manteve para si. O direito à cidade, o direito à moradia, o direito à educação, o direito à saúde, o direito a ter qualidade de vida, o direito ao saneamento, o direito à mobilidade, o direito aos bens de qualidade, o direito de usufruir daquilo que as políticas públicas têm de melhor para todos.

A presidenta não pode parar com os avanços. Avançar nas mudanças é promover mais legados, arquitetônicos e sociais, para um povo que sabe que o país mudou, mudou para melhor.

Querer impedir o avanço nas mudanças pressionando e manipulando as massas para escolhas erradas, não passarão! Retroceder jamais!

Os trabalhadores e o povo também têm direitos. Direito à dignidade! Direito à felicidade!

*Antonio Xaolin é coordenador geral da Câmara Comunitária da Rocinha, São Conrado e Gávea, foi presidente da Associação de Moradores da Rocinha e diretor do Sindicato os Metroviários

Fonte: Brasil 247

+ sobre o tema

10 livros infantis que abordam os direitos humanos

O direito à vida e à convivência familiar, o...

ONGs: a urgência de um novo marco regulatório

A recente onda de denúncias relacionadas à Operação Voucher,...

MP investiga regime de semiescravidão em canaviais em Campos

Fonte: G1- Agentes encontraram 96 pessoas em condições irregulares.Nenhuma...

Narrativa Krenak: O eterno retorno do encontro

A narrativa de Ailton “O Eterno Retorno do Encontro”...

para lembrar

Você é uma pessoa intolerante? Conheça as formas de preconceito e saiba a resposta

Hoje, 16 de novembro, comemora-se o Dia Internacional da Tolerância....

Desculpe, Chico

Quando nossa desilusão voltava diante de tantas perdas, censura,...

Feira Preta ganha loja no Mercado Livre para apoiar empreendedorismo negro

Uma parceria entre Mercado Livre e Feira Preta, evento voltado à economia...

Discurso de Sheherazade prospera: crescem os linchamentos

Discurso de Rachel Sheherazade surte efeito. Linchamentos com as...
spot_imgspot_img

Governo define nova data para o ‘Enem dos concursos’; CNU será em 18 de agosto

O Ministério da Gestão divulgou, nesta quinta-feira (23), a nova data para o Concurso Público Nacional Unificado (CPNU), que ficou conhecido como "Enem dos concursos"....

Anemia falciforme: 1º paciente no mundo inicia terapia genética contra a doença

Na quarta-feira, Kendric Cromer, um menino de 12 anos de um subúrbio de Washington, tornou-se a primeira pessoa no mundo com doença falciforme a...

‘Geração ansiosa’: transtornos mentais em crianças que vivem grudadas no celular aumentam no mundo todo

Veja o vídeo da matéria Crianças e adolescentes do mundo todo estão em perigo. É o que diz o livro “A geração ansiosa”, do psicólogo...
-+=