sábado, junho 25, 2022

Geledés Instituto da Mulher Negra e Museu da Pessoa iniciam parceria de conteúdo

Em uma parceria de conteúdos e com a proposta que reverberar histórias de vida, Geledés Instituto da Mulher Negra inicia uma parceria com o Museu da Pessoa que atualmente possui um acervo 100% digitalizado que apresenta, sob uma perspectiva humana, íntima e diversa, as inúmeras experiências de vida, costumes, emoções, conflitos e desafios de brasileiros e brasileiras de todas as idades, raças, religiões, classes e regiões do país Fundado em 1991, o Museu da Pessoa é um espaço virtual, construído de forma colaborativa e que se propõe a contar histórias de diferentes pessoas, pois acredita que a escutar, conhecer e preservar histórias de vida pode mudar seu jeito de ver o mundo. Geledés Instituto da Mulher Negra, fundado em 1988, é uma organização da sociedade civil que atua política e socialmente na questão racial, nas questões de gênero e de direitos humanos, educação, saúde, comunicação, mercado de trabalho, pesquisa acadêmica e políticas públicas.

Como as histórias das mulheres podem inspirar o Brasil neste momento? Os vídeos da mostra audiovisual Vidas Femininas foram produzidos por mulheres de todo o Brasil a partir de uma chamada aberta.

Erika Januza conta sobre sua infância em Contagem, Minas Gerais, período em que lhe agradava a dança e a escola. Ela já participou de concursos de beleza, trabalhou como secretária em escritório de advocacia e em escola até os testes de Suburbia. A perspectiva e sonho de vir para o Rio e continuar a carreira de atriz se tornou realidade. Em Suburbia, Erika interpreta a personagem Conceição.

Gabriela Augusto conta na exposição “Vidas Femininas” sobre seu processo de transição. Ao longo da vida, escreveu um livro sobre combate a LGBTQIA+ fobia, igualdade racial e respeito à pessoa com deficiência, o que a levou a ser chamada para palestrar em empresas.

Maíra da Costa conta na exposição Vidas Femininas sobre a criação da Free Soul Food com a mãe, uma empresa do ramo alimentício e o sonho de democratizar a alimentação para ter um Brasil melhor.

No dia 5 junho de 2021, Dia Mundial do Meio Ambiente, o Museu da Pessoa, a Tecer |Memórias e Legados|, o Atelier Hugo França e a Cordel Audio entregaram um presente para os paulistanos: o Banco Sonoro Raízes Negras.

Cyda Baú conta um pouco sobre seu encantamento com a televisão, sobre a decisão de se tornar atriz.

Eliane Leite conta na exposição Vidas Femininas do Museu da Pessoa sobre a responsabilidade que sente por ser uma mulher negra e diretora Etec Profª Dra. Doroti Quiomi Kanashiro Toyohara.

Conheça mais Histórias

-+=