segunda-feira, julho 13, 2020

    Afro-brasileiros

    Milton Nascimento (Foto: Divulgação/Prefeitura de Sorocaba)

    ‘É a nossa força que tá aí’, diz Milton Nascimento sobre a união contra o racismo

    "Todo artista tem de ir aonde o povo está", diz a letra de Nos Bailes da Vida, um dos grandes sucessos de Milton Nascimento. Mantendo-se fiel a essa convicção, o cantor e compositor recorre ao único espaço em que os admiradores de sua obra podem vê-lo nesses tempos de pandemia, com teatros e casas de shows fechados: a internet. Por conta disso, amanhã não será um domingo qualquer. A partir de 18h30, Milton faz a primeira live transmitida em seu canal no YouTube, interpretando canções escolhidas pelo público. O estímulo para fazer a live veio do filho do artista, Augusto. Resguardado em Minas, na cidade de Juiz de Fora, Milton conta que passa o tempo tocando violão, vendo filmes e programas de TV. Recentemente, teve uma bela surpresa ao ler pela primeira vez o roteiro de Jules e Jim - Uma Mulher Para Dois (1962), de François Truffaut. Foi depois...

    Leia mais
    O poeta Carlos de Assumpção: 'Só faço poemas com tema negro. Não me aventuro a outras coisas, porque já tem outras pessoas para fazer isso' (Foto: Ricardo Benichio)

    Um poeta que o Brasil precisa conhecer

    É tempo de protesto. Punhos ao ar, ruas em chamas, símbolos dessacralizados e monumentos supremacistas desprezados e depredados. Em plena pandemia do Covid-19, do epicentro da América Negra do Norte, explode mais um protesto negro. Aos gritos de “vidas negras importam”, a juventude assume o protagonismo no enfrentamento real ao racismo. Meio a essa turbulência necessária, nos chega o potente manifesto poético do sempre jovem Carlos de Assumpção. Aos 93 anos, vigoroso na escrita e na récita, o decano da literatura negra brasileira frequenta saraus e navega nas redes sociais com a desenvoltura de um menino. Nesta sexta (26), por exemplo, participa do sarau virtual de lançamento do festejado Não Pararei de Gritar (Companhia das Letras), que reúne suas poesia completas. O evento será às 18h, com transmisssão no canal de YouTube da editora. O título da obra refere-se aos versos “Mesmo que voltem as costas / Às minhas palavras...

    Leia mais
    Oswaldo de Camargo (Foto: Pedro Borges/Alma Preta)

    Oswaldo de Camargo: “Sou um negro brasileiro”

    Um elo entre as gerações: assim é visto o escritor Oswaldo de Camargo por muitos autores e autoras negras. Filho de lavradores muito pobres, nasceu em 1936, em Bragança Paulista – SP. Mesmo nascido muito depois da abolição da escravatura, o escritor viveu em ambiente com todas as marcas do mundo escravocrata, que estão em sua obra de modo vivo. Com a morte dos pais ainda na infância, morou em instituições de caridade, no interior. Quando adolescente estudou em seminário católico, o que lhe rendeu uma formação intelectual sofisticada, mas acabou não seguindo a carreira eclesiástica – em sua percepção, o caminho estava bloqueado. Em entrevista ao site Geledés, ele observou: “A noção de que existia, sim, preconceito na sociedade brasileira mostrou-se clara para mim nos meus 16 anos”. Esta passagem foi marcada por uma forte crise emocional, como também reforçava a importância da melanina como passaporte para o futuro...

    Leia mais
    Aylton Lafayette o Papai Noel (Foto: Gilvan de Souza / Agencia O Dia)

    Morre primeiro Papai Noel negro do Rio

    A Escola de Papai Noel do Brasil comunicou que o papai noel conhecido como Obama Noel, Aylton Lafayete, de 66 anos, faleceu na noite desta terça-feira, no Instituto Nacional do Câncer (INCA), onde estava internando lutando contra o câncer. Segundo a escola de Papai Noel, Lafayete frequentava as aulas da instituição desde 2008 e havia se formado como bom velhinho em 2000, sendo um dos mais antigos ainda na ativa. Mas apenas após 19 anos da sua formatura, o Madureira Shopping foi o primeiro a recebê-lo de braços abertos como personagem de Natal. O diretor da escola de papel noel Limachem Cherem, conta que Lafayette era um aluno ávido, alegre e que o maior sonho era sentar no trono de papai noel, no natal para atender as crianças: "Quando ele entrava na sala de aula, ele não gostava de dar boa tarde, mandavam todos os alunos falarem HOHOHO Feliz Natal....

    Leia mais
    (Foto: Getty Images)

    “Encontros Temáticos da Comunidade Negra” lança blog

    O Programa de Extensão da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) ‘Encontros Temáticos da Comunidade Negra’ lançou um blog para divulgação de conteúdos sobre o racismo e o papel do negro na sociedade brasileira. Em tempos de isolamento social para conter a pandemia de Covid-19, a intenção é que a iniciativa permita a aproximação entre os pesquisadores, os estudantes e a comunidade em geral. “Este meio de comunicação tem a importância de levar ao público em geral, principalmente às pessoas que se interessarem pela temática do negro na sociedade brasileira, em especial na região de Juiz de Fora, discussões, entrevistas, filmes, também conversas com pesquisadores e/ou pessoas ligadas a esta temática”, explica o coordenador do programa de extensão e professor do Departamento de Matemática da UFJF, Willian José da Cruz. O docente acrescenta que a intenção também é colaborar para o combate às fake news. “Criamos um canal para...

    Leia mais
    João Cândido, o Almirante Negro da Revolta da Chibata (Imagem retirada do site Nossa Política)

    João Cândido, o Almirante Negro da Revolta da Chibata

    Filho de escravos, nascido nove anos depois da lei do Ventre Livre (que não considerava cativos os filhos de escravos nascidos a partir dali) numa fazenda em Encruzilhada do Sul, interior gaúcho, João Cândido entrou para a Marinha aos 14 anos, onde teve carreira exemplar. Durante 15 anos navegou pelas águas doces e salgadas de todo o Brasil, percorreu quatro continentes, aprendeu técnicas e ofícios, foi instrutor de marujos iniciantes, encharcou-se das paisagens exuberantes, das realidades sociais e suas contradições, conheceu personagens e episódios políticos importantes – até ser expulso da corporação, por causa da rebelião de que participou com destaque, nas águas da Guanabara, defendendo a dignidade da condição humana. João Cândido não corresponde ao estereótipo construído sobre sua imagem de um homem sem instrução. Ele foi, sim, instruído e instrutor. Frequentou a Escola de Aprendizes de Marinheiros em Porto Alegre, em 1895. Depois, já engajado, esteve lotado na...

    Leia mais
    Imagem: Arquivo Nacional

    João Cândido, um brasileiro

    Há 50 anos, morria João Cândido Felisberto. Ele foi um dos líderes da Revolta da Chibata, movimento que por quatro dias, em novembro de 1910, alarmou o Rio de Janeiro, então capital da jovem República, e resultou no fim dos castigos físicos na Marinha. Banido da corporação, pela qual só foi anistiado em 2008, tornou-se ícone da luta por direitos do povo negro brasileiro. No último 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, foi incluído no Livro dos Heróis do Estado do Rio, projeto dos deputados André Ceciliano e Waldeck Carneiro (ambos do PT), aprovado pela Alerj e sancionado por Wilson Witzel. Por contradições que a política comporta, o reconhecimento foi formalizado pelo governador que é ex-fuzileiro naval e patrocina uma política de segurança que não livraria o Almirante Negro. João Cândido nasceu no Rio Grande do Sul em 1880, pouco mais de oito anos depois da Lei do...

    Leia mais
    Imagem enviada ao Portal Geledés

    Diretor executivo da Raça Brasil faz palestra gratuita na Livraria do Comendador

    No dia 20 de novembro – data que homenageia Zumbi dos Palmares, o principal líder do maior quilombo do Brasil, a Livraria do Comendador traz o escritor e diretor executivo da Revista Raça Brasil – pioneira e mais antiga publicação dedicada à população negra do país, Maurício Pestana, para o bate papo gratuito “Construção de narrativas: onde negros encontram espaço para disseminar suas ideias”. O objetivo é fazer uma reflexão sobre a importância do povo e da cultura africana no Brasil. O convidado também vai analisar o impacto que os negros tiveram no desenvolvimento da identidade cultural brasileira. Para participar, é necessário fazer uma inscrição prévia pelo e-mail [email protected] Na semana do dia 18 a 24 de novembro, haverá uma vitrine temática na loja em que o público poderá adquirir títulos da obra literária de Pestana, além de outras publicações relacionados ao tema, como: Quem tem medo do feminismo negro,...

    Leia mais
    GT Racismo e Saúde da Abrasco reunido durante o 8º Congresso Brasileiro de Ciências Sociais e Humanas em Saúde, em João Pessoa. (Foto: Imagem retirada do site Abrasco)

    As discussões do GT Racismo e Saúde no 8º CBCSHS

    Para o 8º Congresso de Ciências Sociais e Humanas em Saúde – 8º CBCSHS, o Grupo Temático Racismo e Saúde da Abrasco decidiu discutir com os congressistas dois temas (1) inclusão da temática étnico racial nos currículos e na formação em saúde coletiva e (2) as iniquidades em saúde. “Na discussão do currículo/formação estamos identificando que Cursos e Programas de Saúde Coletiva estão implementando ações afirmativas e para isso basta responder ao questionário albergado neste link ” informa Luís Eduardo Batista, pesquisador do Núcleo de Serviços e Sistemas de Saúde do Instituto de Saúde da Secretaria de Estado da Saúde, em São Paulo e coordenador do GT Racismo e Saúde da Abrasco. Trilhando um caminho metodológico inovador, a Comissão científica do 8º CBCSHS abriu chamada para criação de grupos temáticos especiais, durante a construção ao 8º Congresso, onde seriam avaliadas propostas de grupos de pesquisa, movimentos sociais, coletivos e indivíduos...

    Leia mais
    ACERVO ABDIAS NASCIMENTO/ IPEAFRO Abdias Nascimento em Nova York, 1997.

    Quando um herói nacional é negro: Abdias do Nascimento e a História que não aprendemos

    Você sabe o que aconteceu com os escravos a partir de 13 de maio de 1888? Ou o seu livro de História pulou esse capítulo do pós-abolição? A liberdade foi assinada. Mas era só um papel a lei da princesa Isabel. Centenas de milhares de negros foram direto da senzala no campo para as senzalas do esquecimento. Formaram a massa de pobres e miseráveis do Brasil no fim do século 19. Fosse áurea mesmo aquela canetada, teria vindo com políticas públicas de integração e emancipação. Fosse áurea mesmo, eu não estaria agora prestando minha homenagem aos 100 anos de um dos maiores heróis negros do século 20, Abdias do Nascimento. A lacuna no nosso livro de História Não, o negro não era mais propriedade do senhor de engenho após a abolição. Porém, o Império nada fez para garantir as mínimas condições da pretensa liberdade. Não houve incentivos à alfabetização e...

    Leia mais
    Foto: Banner Divulgação

    Semana Tereza de Benguela discute o mundo do trabalho da mulher negra

    Uma reunião de mulheres negras que têm o objetivo principal de discutir as diversas nuances do mundo do trabalho. Este será o tema central da Semana Tereza de Benguela. O evento acontece de 22 a 26 de julho, nas cidades de Santos e Cubatão, na Baixada Santista. Idealizado por diversos grupos dos movimentos sociais, em conjunto com o Grupo de Pesquisa Trabalho e Capital, da Universidade de São Paulo (USP), a semana de atividades culturais e acadêmicas em comemoração ao Dia Tereza de Benguela traz para reflexão “O que é o trabalho da mulher negra e como ele é visto e percebido pelo mundo do trabalho, a partir do olhar das mulheres negras”. A programação é a seguinte: 22 de julho – 18 às 22 horas 18 horas- SLAM PIRA VDC; 18h30 – Ornella Rodrigues; 19 horas – “História, Luz e Som: memórias de velho engenho”; 19h30 – “O Trabalho...

    Leia mais
    Joel Zito de Araújo (Foto: Imagem retirada do site EBC)

    Joel Zito de Araújo

    Joelzito Almeida de Araújo (Nanuque, Minas Gerais, 1954). Diretor, roteirista, escritor e pesquisador. É tido como um dos responsáveis pela implantação do chamado cinema negro, tanto na ficção quanto no documentário, com filmes que debatem o racismo e a desigualdade entre negros e brancos. O tema também se encontra em suas pesquisas universitárias, particularmente, na presença dos afrodescendentes no audiovisual. Forma-se em psicologia na Fundação Mineira de Educação e Cultura (Fumec) e faz mestrado em Sociologia da Educação na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Entretanto, é como bancário, nos anos 1980, que Araújo se aproxima da militância. Exibe filmes em bairros populares e trabalha nos setores de educação e TV de entidades sindicais, antes de se dedicar à sua produção. Em 1988, vira sócio da produtora Tapiri Cinema e Vídeo. Temáticas referentes às desigualdades raciais ocupam sua carreira cinematográfica, desde o primeiro curta, Memórias de Classe (1989), sobre negros no movimento...

    Leia mais
    Grafite em homenagem ao escritor brasileiro Machado de Assis, perto da casa em que teria nascido (Foto: Gabriel Monteiro/Agência O Globo)

    Machado de Assis chega aos 180 anos, e jovens o descobrem negro e do morro

    A aula acontece nas ladeiras do Morro do Livramento , ao pé da Providência, no Centro do Rio. É ali, diante de uma casa parcialmente demolida, que Pedro Guilherme Freire explica: antes de virar o Bruxo do Cosme Velho, celebrado na Academia e nos salões, Joaquim Maria Machado de Assis foi um garoto pobre do Livramento. Exatamente como muitos de seus alunos. A iniciativa de Freire, professor do Colégio Estadual Caic Tiradentes, na Zona Portuária , reflete um esforço para reconfigurar a imagem do maior escritor do Brasil. No mês passado, a campanha “ Machado de Assis Real” lançou a “primeira errata feita para corrigir o racismo na literatura brasileira”. E recriou a foto clássica do autor, ressaltando suas feições negras . Também criou um movimento para que as editoras deixem de comercializar livros em que o escritor apareça embranquecido. E saiu a campo para encorajar novos escritores negros . Nascido há 180 anos (a...

    Leia mais
    (Foto: Reprodução/ Faculdade de direito de São Paulo)

    Simpósio:Estudos em homenagem ao professor Kabengele Munanga

    Coordenação: Professor Associado Dr. ALBERTO AMARAL JUNIOR Coordenador da Área Direitos Humanos Cursos de Pós Graduação Livre docente Departamento de Direito Internacional Professora Dra. EUNICE APARECIDA DE JESUS PRUDENTE Departamento de Direito do Estado Monitoria Posgraduandos: CRISTIANO BUONICONTI CAMARGO MARCIA ANNUNCIATO • Atividade da Área Direitos Humanos dos Cursos de Pós Graduação, Projeto de Pesquisa: Democracia, igualdade e combate à dicriminação Dia 13 de maio de 2018 Segunda-feira Auditório Ruy Barbosa Nogueira (2º andar) 9:00 horas MESA DE ABERTURA * Pronunciamento das Autoridades ( cinco minutos ) Reitor Vahan Agopyan * Professor Titular Floriano Azevedo Marques – Diretor da Faculdade de Direito* Professor Titular Fernando Facury Scaff – Presidente da Comissão de Pós Graduação Professor Associado Alberto Amaral Junior - Coordenador Área Direito Humanos  Dr. José Gregori Presidente Comissão Direitos Humanos da USP * Ministro Enrique Ricardo Lewandowski (autor voto vitorioso pela constitucionalidade das cotas étnicas) Professor Dr. José Vicente...

    Leia mais
    (Foto: Danutta Rodrigues)

    Mãe Stella será homenageada na Academia de Letras da Bahia

    Se estivese viva, nesta quinta-feira (2), Mãe Stella de Oxóssi completaria 94 anos. Nesse mesmo dia, às 18h, a ialorixá receberá uma homenagem na sede da Academia de Letras da Bahia, bairro de Nazaré, em Salvador. Na sessão especial, que será declarada a vacância da cadeira, a oradora será a também acadêmica Yeda Pessoa de Castro. Desde 2013 na academia, Mãe Stella ocupou a cadeira 33, cujo patrono é o poeta Castro Alves (1847-1871) e teve como último ocupante o historiador Ubiratan Castro (1949- 2013), de quem era amiga. "Mãe Stella assumiu sua cadeira na academia numa quinta-feira em que comemorava seu aniversário de ordenação do candomblé. Hoje, também numa quinta-feira, e no dia em que ela faria aniversário será homenageada. Não é coincidência. É coisa de orixá", diz o presidente da Sociedade Cruz Santa do Afonjá, responsável pela manutenção do terreiro Ilê Axé Opô Afonjá, Ribamar Daniel. Mãe Stella morreu em...

    Leia mais
    Representação de Dandara (Foto: Jarid Arraes/Divulgação)

    Senado aprova Dandara dos Palmares e Luísa Mahin como ‘heroínas da pátria’

    Os nomes das guerreiras Dandara dos Palmares e Luísa Mahin podem ser incluídos no livro "Heróis e Heroínas da Pátria". No caso da primeira, a sugestão foi do deputado baiano Valmir Assunção (PT-BA), mas as duas tiveram seus nomes aprovados em sessão do Senado, nesta quarta-feira (27). Com isso, a medida agora segue para sanção presidencial. "Temos duas mulheres negras, de histórias de luta, fundamentais para nossa ancestralidade. Vamos acompanhar o trâmite final e celebrar, pois isso mostra a força da mulher, da luta por terra e por liberdade. Principalmente no período e a conjuntura política que vive o Brasil. Não tenho dúvida que a aprovação desse projeto será uma das muitas vitórias que teremos", destaca Assunção. Companheira de Zumbi dos Palmares, Dandara comandou um quilombo na luta contra a escravidão. Quando foi presa, a guerreira cometeu suicídio ao se jogar de uma pedreira ao abismo para não retornar à...

    Leia mais
    Montagem AH (Foto: Imagem retirada no site Aventuras na História)

    Conheça 5 brasileiros negros famosos que foram retratados como brancos

    Foi muito comum no Brasil que pessoas negras de grande sucesso em suas áreas, quando se tornassem populares, ficassem conhecidas por imagens que sugerissem que fossem brancas. Principalmente no início do século XX, em que o racismo científico, o pós-abolição e a máquina fotográfica em preto-e-branco compunham as inovações das sociedades urbanas no Brasil, foi muito comum a divulgação de autores, escritores, artistas e políticos afrodescendentes como pessoas brancas. Dadas as limitações do retrato em preto-e-branco, era fácil o clareamento das imagens, que passavam uma ideia de ''branquitude'' incompatível com a realidade. Conheça 5 casos em que isso aconteceu ao longo dos anos: 5. Maria Firmina dos Reis Imagem retirado do site Aventuras na História Maria Firmina dos Reis foi uma importante escritora maranhense, relevante pelo marco de ser a primeira autora a publicar um romance no Brasil: Úrsula, lançado em 1859. Mas sua carreira, não se resumindo...

    Leia mais
    MILTON SANTOS, GEÓGRAFO BRASILEIRO (FOTO: FLICR/SITE MILTON SANTOS/CREATIVE COMMONS)

    Os deficientes cívicos – Milton Santos

    Em tempos de globalização, a discussão sobre os objetivos da educação é fundamental para a definição do modelo de país em que viverão as próximas gerações. Por Milton Santos, no  Revista Prosa Verso e Arte MILTON SANTOS, GEÓGRAFO BRASILEIRO (FOTO: FLICR/SITE MILTON SANTOS/CREATIVE COMMONS) Em cada sociedade, a educação deve ser concebida para atender, ao mesmo tempo, ao interesse social e ao interesse dos indivíduos. É da combinação desses interesses que emergem os seus princípios fundamentais e são estes que devem nortear a elaboração dos conteúdos do ensino, as práticas pedagógicas e a relação da escola com a comunidade e com o mundo. O interesse social se inspira no papel que a educação deve jogar na manutenção da identidade nacional, na idéia de sucessão das gerações e de continuidade da nação, na vontade de progresso e na preservação da cultura. O interesse individual se revela pela parte que...

    Leia mais
    Mãe Stella de Oxóssi — Foto- Danutta Rodrigues

    Multidão acompanha enterro de Mãe Stella de Oxóssi em Salvador

    Mãe Stella de Oxóssi foi enterrada por volta das 11h30 (12h30 de Brasília) deste sábado (29), no cemitério Jardim da Saudade, em Salvador. O corpo da ialorixá, considerada uma das mais importantes do país, foi levado para o local após um cortejo que saiu da Terreiro Ilê Opô Ajonjá, em São Gonçalo do Retiro, pelas ruas do bairro. Uma multidão participou da cerimônia. Vestidos de branco, como manda a tradição da religião, filhos e filhas de santo do templo religioso liderado pela ialorixá, além de representantes de terreiros irmãos, acompanharam as últimas homenagens. Enterro de Mãe Stella de Oxóssi, no Jardim da Saudade, em Salvador — Foto- Phael Fernandes: G1 Ao chegar no cemitério, o corpo de Mãe Stella foi levado para uma das capelas, mas ficou pouco tempo no local, que foi tomado pelos amigos, familiares e admiradores da religiosa. Logo depois, foi iniciada a...

    Leia mais
    Mãe Stella morreu nesta quinta-feira aos 93 anos. — Foto- Alan Tiago Alves:G1

    Das folhas que tocam o chão 

    Todas as vezes em que o Òrun estiver em festa, provavelmente vamos estar nos sentindo órfãs aqui no Àiyé. Oh! Mãe Stella, quisera o seu Orí, fostes conduzida, novamente, para Orún no dia em que nos, aqui no Aiyé, celebramos a consagração de tua cabeça, Oxossi! Quisera Xango, fazer de ti uma das maiores representatividades negras e uma das maiores defensoras das nossas culturas religiosas afro-brasileiras! Sois vós, no auge da sua juventude do nonagésimo terceiro ano da sua existência, a grande dama negra que reluz neste dia como a nossa grande Iyalorixa, e agora ancestral. Fostes mãe, irmã, amiga dentro e fora do teu Egbé e nunca deixou de acolher com sorrisos sinceros os que chegavam até a ti. Certa vez, li um escritor malinês que assim definiu: "na África, cada ancião que morre é uma biblioteca que se queima". E com certeza é assim, que todas e todos nós estamos nos sentindo, mas cientes de que tu...

    Leia mais

    Últimas Postagens

    blank

    Artigos mais vistos (7dias)

    Instagram

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist