Quem é Tierno Monénembo, escritor da Guiné que foi buscar sua ancestralidade na Bahia

Autor de 'Pelourinho', romance publicado pela Nós, é filho de Oxumaré e se apaixonou pelo Brasil ainda na adolescência, ao conhecer o samba e Pelé

O escritor Tierno Monénembo sente pelo Brasil “a mesma paixão devoradora e incontrolável que um homem sente por uma mulher”. Apaixonou-se ainda na juventude, quando vivia na Guiné, país da África Ocidental onde ele nasceu, em 1947. Lá, descobriu o samba e “um negro chamado Pelé, que jogava por um país cujo nome era novo aos meus ouvidos e inflamava os estádios”. Nos anos 1970, já morando na França, leu Jorge Amado, Guimarães Rosa e João Ubaldo Ribeiro. Um amigo belga, Conrad Detrez, que traduziu Jorge Amado e entrevistou Marighella, disse ao escritor que ele e o Brasil se pareciam: “Vocês têm o mesmo senso de excesso e de escárnio. Vá em frente”, disse.

E assim foi. Monénembo desembarcou pela primeira vez no Brasil em 1992. Passou seis meses por aqui — quatro deles na Bahia, onde conheceu Pierre Verger, fotógrafo e antropólogo francês que se converteu ao candomblé.

Monénembo foi embora com um romance na cabeça. Dedicado a Verger e à “gente da Bahia”, “Pelourinho” foi publicado na França em 1995, mas só saiu no Brasil no fim do ano passado, quando o escritor voltou ao país para participar do Festival Artes Vertentes, em Tiradentes (MG), e da programação paralela da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip).

No livro, um escritor guineense (chamado apenas de Escritore) vai à Bahia em busca de sua ancestralidade. “Tenho família aqui. Eu vim reencontrá-los”, diz ele, referindo-se a seus “primos”, os descendentes de Ndindi-Furacão, o valente rei dos Mahi, que jurou certa vez: “Façam de mim um vil escravo se me mostrarem qualquer coisa que eu não seja capaz de vencer e dominar”.

‘Duplo fictício’

Após derrotar as tribos inimigas, Ndindi-Furacão resolve se meter com um baobá. Ele manda lenhadores derrubarem a gigantesca árvore das estepes africanas e afirma que, quando o baobá começar a vacilar, vai segurá-lo no muque. Fracassa. Mas cumpre sua palavra: oferece-se para ser vendido como escravizado aos “Transparentes” (os brancos) e vai parar na Bahia, onde ainda vive sua prole. O Escritore suspeita que reconhecerá de imediato seus primos: está certo de que eles têm figas tatuadas nos ombros.

Monénembo descreve o Escritore como seu “duplo fictício”.

— Juntos, exploramos a Bahia, subimos e descemos ladeiras, perambulamos pelas lanchonetes, passeamos na praia com moças bonitas, degustamos uma moqueca de peixe e bebemos uma pinga ao som do Olodum. A diferença é que eu me mantive preso à realidade e ele se afundou em sua busca frenética por uma lembrança tragada pelas ondas — diz ele, que pontua frases com palavras em português, recurso usado em “Pelourinho”.

Assim como seu antepassado Ndindi-Furacão, o Escritore também fracassa em sua missão: termina assassinado (não é spoiler, isso se descobre na primeira frase do livro). Quem narra “Pelourinho” são dois baianos: Innocencio, um malandro que ganha a vida explorando turistas, e Leda-pálpebras-de-coruja, uma costureira cega, que desde menina sonha com um príncipe africano.

— Esses narradores representam o lado visível e o lado oculto de Salvador. Innocencio é a Bahia alegre e frívola do cotidiano, onde a desenvoltura é a regra. Leda é a Bahia secreta e profunda, que acredita nas divindades negras e sente saudades da África — explica Monenémbo, que conheceu um “Innocencio”, na Bahia, um guia turístico chamado Jorge, “simpático e honesto”. — Ele não tentou tirar vantagem de mim por ser estrangeiro. Aliás, todos os baianos, fossem eles negros ou brancos, gostavam de mim assim que sabiam que eu era africa.

Innocencio é um malandro decadente. Os gringos (e a esposa) fogem dele. “Desde que você passou por aqui, Escritore, não sei se ainda tenho bons reflexos”, confessa. Tanto que ele hesita em se aproveitar de um clarinetista descuidado e em aceitar dinheiro de um médico que propõe usar sua avozinha doente como cobaia de suas pesquisas (que, segundo o doutor, podem curá-la). Innocencio nem sempre foi tão cauteloso. Foi ele quem cegou Leda.

A busca pela ancestralidade africana em diferentes latitudes guia a literatura de Monénembo. Seus romances passeiam por cenários que vão do Senegal a Cuba, da Costa do Marfim à Bahia. O escritor convida os africanos a procurar suas raízes não apenas em seu próprio continente, mas por todos os territórios onde a diáspora espalhou seus antepassados.

Comer, ouvir, dançar

A jornada do Escritore sugere que a literatura pode ajudar nessa empreitada.

— Eu sou guineense, e os personagens de “Pelourinho” são brasileiros, nossas experiências e histórias não são as mesmas. Mas nossa origem é uma só, temos ancestrais em comum. — diz Monénembo. — A música nos lembra disso. Você sabia que o samba e os ritmos caribenhos influenciaram mais a música africana contemporânea do que o jazz? E a literatura revela as identidades que, ao longo do tempo, foram enxertadas no nosso tronco comum. Um livro como “Black Boy”, de Richard Wright, me ensinou mais sobre o que é ser negro nos EUA do que os discursos de Martin Luther King.

Confiante no poder da literatura, o autor escolhe uma frase do escritor colombiano Santiago Gamboa para se despedir da entrevista: “Vocês africanos e nós, latino-americanos, já temos o essencial em comum: comida, música e dança. A partir daí, todo o resto se torna possível”.

Serviço:

‘Pelourinho’

Autor: Tierno Monénembo. Tradução: Mirella do Carmo Botaro. Editora: Nós. Páginas: 192. Preço: R$ 70.

+ sobre o tema

A inspiradora história do sem-teto que se recusa a pedir esmola e ganha a vida vendendo livros usados

Nos sinaleiros de Joanesburgo, na África do Sul, Philani Dladla não...

Centro de Documentação Samora Machel

História do Centro O Centro de Documentação Samora Machel é...

Idris Elba vai ser Nelson Mandela em cinebiografia

Idris Elba vai ser Nelson Mandela em cinebiografia: o...

Mandela enfraquece enquanto família briga por seu legado

JOHANNESBURGO — "Sorria!", pediu o visitante, com uma ponta...

para lembrar

A bronca que Machado tinha de Eça

A bronca que Machado tinha de Eça. Numa crítica e...

Livro reúne poemas eróticos escritos por e para freiras nos séculos 17 e 18

Novo lançamento da L&PM, "Que Seja em Segredo" reúne...

Aparição distorcida do negro na literatura reforça preconceito

Os escritores Nei Lopes, Conceição Evaristo, Paulo Lins e...

António Jacinto

António Jacinto(Golungo Alto,28 de Setembro de 1924 -...
spot_imgspot_img

Crianças do Complexo da Maré relatam violência policial

“Um dia deu correria durante uma festa, minha amiga caiu no chão, eu levantei ela pelo cabelo. Depois a gente riu e depois a...

Em autobiografia, Martinho da Vila relata histórias de vida e de música

"Martinho da Vila" é o título do livro autobiográfico de um dos mais versáteis artistas da cultura popular brasileira. Sambista, cantor, compositor, contador de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...
-+=