Morre Ykenga Mattos, que denunciou o racismo em seus cartuns, aos 71 anos

Carioca começou n'O Pasquim, trabalhou em jornais do Rio de Janeiro e é autor de livros como 'Casa Grande & Sem Sala'

Morreu na manhã desta segunda-feira aos 71 anos o professor, sociólogo e cartunista carioca Bonifácio Rodrigues de Mattos, mais conhecido como Ykenga Mattos. Vítima de um infarto fulminante, ele morreu em casa, na cidade fluminense de São Gonçalo, região metropolitana do Rio de Janeiro, onde ocorreu seu velório e sepultamento.

Nascido em 1952, Ykenga formou-se desenhista técnico, mas deixou a profissão para militar no jornalismo ilustrativo, ao ingressar, na década de 1970, n’O Pasquim, onde iniciou sua carreira.

Depois, migrou para outras publicações, como jornal Extra, O Dia, O Povo, Última Hora, O Fluminense e Jornal dos Sports, além de publicações do movimento negro, como o jornal Maioria Falante.

Seus trabalhos, sempre em tom muito cheio de humor e deboche, tratavam do racismo na sociedade brasileiro.

Cartum de Ykenga Mattos – Reprodução

Em 2015, Ykenga publicou o livro “Casa Grande & Sem Sala”, pela editora Nitpress, uma paródia bem-humorada ao livro de Gilberto Freyre, “Casa-Grande & Senzala”, com prefácio do colega e amigo Chico Caruso.

A sátira visava através dos quadrinhos combater o mito da democracia racial, referência do pensamento do sociólogo pernambucano.

Ao jornal Extra, sobre o livro, ele declarou: “Tinha muitas charges sobre a questão do preconceito racial, mas é difícil conseguir espaço para publicá-las, nem sempre elas cabiam. Fui juntando algumas e resolvi fazer um livro”, contou o artista. “O livro é uma paródia do ‘Casa-Grande & Senzala’, a bíblia da sociologia, do Gilberto Freyre. Parti para o contraponto, botando o dedo na ferida.”

Três anos depois, voltou ao livro com a obra “Humor à la Carte” e em texto de Haroldo Costa, ilustrou o romance gráfico “A História do Samba Contada em Qaudrinhos”. No ano de 2021, recebeu o prêmio Ângelo Agostini de mestre do quadrinho nacional.

O músico Martinho da Vila em charge que estará em livro do cartunista Ykenga – Reprodução

Os trabalhos do cartunista são espalhados em países como o Japão, onde participou de exposições no Yomiury Shimbum, na França, na galeria Angulenie, no Canadá, no São Internacional de Caricatura.
Ilustrou também livros do parceiro Martinho da Vila, a quem incentivou para se candidatar para a Academia Brasileira de Letras e divulgou muitos trabalhos autorais.

Militante do movimento negro, o material de trabalho de Ykenga foi a denúncia do racismo na sociedade brasileira. O artista reencena nos seus traços a morte do líder quilombola Zumbi dos Palmares e liga, de forma crítica, os navios negreiros aos camburões da atualidade.

Ykenga foi diretor da Associação Brasileira de Imprensa e membro da Academia Brasileira da Cachaça.

+ sobre o tema

Super Black: cultura pop americana e super-heróis negros

Escrito por Adilifu NamaSuper Black coloca o surgimento de...

Pesquisadores brasileiros e africanos desenvolvem tecnologias alternativas voltadas para segurança alimentar

Tecnologias que auxiliam os pequenos agricultores familiares a reduzir...

Terças Crespas Presenciais

A primeira edição no formato presencial acontece na terça-feira, 09...

Refugiado da Somália que chegou ao Canadá na década de 90 é eleito Ministro da Imigração

Em 1993, o então adolescente de 16 anos Ahmed Hussen deixava...

para lembrar

Leilão de escravos na Líbia causa indignação em toda a África

Jovens africanos na rota migratória para a Europa, vendidos em...

O chute de Éder

Quando o número 9 português marcou o gol da...

Argentina discute políticas públicas para la población afrodescendiente

  En el contexto de las celebración del Año Internacional...

12 frases inspiradoras sobre coragem de grandes nomes da história

Na última segunda-feira (18), foi celebrado nos Estados Unidos...
spot_imgspot_img

Cientistas revelam mistério por trás dos antiquíssimos baobás, as árvores da vida

Cientistas afirmam ter resolvido o mistério em torno da origem dos antigos baobás. De acordo com análises de DNA, as árvores teriam surgido pela primeira...

Carnaval 2025: nove das 12 escolas do Grupo Especial vão levar enredos afro para a Avenida

Em 2025, a Marquês de Sapucaí, com suas luzes e cores, será palco de um verdadeiro aquilombamento, termo que hoje define o movimento de...

iAMO lança seu programa de residência artística audiovisual durante Festival de Cannes

O Instituto Audiovisual Mulheres de Odun (iAMO), presidido pela cineasta Viviane Ferreira, anuncia na sexta-feira, 17 de maio, o lançamento do seu Programa de...
-+=