Tim Maia 81 anos: rei da música soul brasileira é destaque do Prêmio da Música Brasileira

Obra do cantor será revisitada por vários artistas de sucesso durante cerimônia da premiação

“A gente vai ter a oportunidade de trazer para o palco a obra de um rei da música soul brasileira, um expoente da música negra no Brasil de uma relevância imensa, que desbravou um território importantíssimo”, afirmou em comunicado à imprensa o criador e idealizador do Prêmio da Música Brasileira, José Maurício Machline.

Tim Maia, um dos maiores cantores da história da música brasileira, será o homenageado principal na 31ª edição do Prêmio da Música Brasileira, que acontecerá em maio de 2024. A organização do prêmio fez o anúncio oficial nesta quinta-feira (28) na data que teria marcado o 81º aniversário do grande “Síndico”, se ele ainda estivesse entre nós. 

rei do soul brasileiro já recebeu 13 prêmios no PMB desde a sua inauguração em 1987 até o ano de seu falecimento. No próximo ano, ele será postumamente homenageado no evento, juntando-se a um grupo exclusivo de artistas que já foram homenageados anteriormente. 

Esta lista de honrados inclui grandes nomes da música brasileira como Dorival Caymmi, Luiz Gonzaga, Gilberto Gil, Elis Regina, Milton Nascimento, Rita Lee, Gal Costa, Dona Ivone Lara, Noel Rosa, Tom Jobim e Gonzaguinha.

Tim Maia (1942 – 1998), que hoje faria 81 anos, será celebrado no Prêmio da Música Brasileira em cerimônia prevista para maio de 2024 (Foto: Reprodução da capa do álbum ‘Tim Maia’, de 1971)

Trajetória e carreira

Sebastião Rodrigues Maia, nascido no bairro da Tijuca em 28 de setembro de 1942, sempre teve uma conexão inata com a arte. Desde tenra idade, aos 7 anos, já demonstrava seu talento musical compondo melodias e realizando apresentações para sua família. Aos 14 anos, sua paixão pela música o levou a formar seu primeiro grupo musical, Os Tijucanos do Ritmo. Eles se apresentavam na igreja local, marcando o início de uma jornada musical que viria a se tornar lendária.

Tim Maia, então conhecido como Tião, ganhou seus primeiros holofotes com a banda Os Sputniks, que ele formou junto com Roberto Carlos, Arlênio Lívio, Edson Trindade e Wellington Trindade. No entanto, o grupo só conseguiu sobreviver a uma única apresentação na televisão. Foi após essa breve experiência que Tião começou a ser conhecido pelo nome que o consagrou na música brasileira: Tim Maia.

Após a perda de seu pai em 1959, Tim Maia embarcou em uma jornada para os Estados Unidos, determinado a expandir seus conhecimentos sobre televisão e cinema. Ele se estabeleceu em Tarrytown, Nova York, hospedando-se com uma família amiga. Na “terra das oportunidades”, Tim deixou um pouco de lado o ritmo brasileiro e se entregou à soul music, um gênero que viria a influenciar profundamente seu estilo musical quando retornou ao Brasil.

Durante sua estadia nos Estados Unidos, Tim Maia teve que se virar com diversos trabalhos para se manter. Ele entregou pizzas, atuou como zelador e trabalhou em asilos e lanchonetes. No entanto, suas aspirações eram maiores e ele decidiu se mudar para Nova York. Apesar de ter passado apenas dois anos na cidade, foi lá que ele embarcou em uma aventura ousada e ilegal com três amigos que havia feito.

Tim Maia começou sua carreira musical trabalhando em uma produtora, onde compôs músicas para Erasmo Carlos e Roberto Carlos. Ele apreciava o trabalho, que lhe proporcionava uma exposição mais discreta.

No entanto, com o tempo, Tim decidiu que queria mais do que apenas ficar nos bastidores. Ele decidiu apostar em uma carreira solo, e essa aposta se mostrou acertada em 1970, com o lançamento de seu primeiro LP, intitulado “Tim Maia”.

O álbum foi um sucesso estrondoso, mantendo-se no topo das paradas por seis semanas consecutivas em sua terra natal. Impulsionado por esse sucesso inicial, Tim Maia lançou uma série de álbuns subsequentes: ‘Tim Maia Volume II’, ‘Tim Maia Volume III’ e ‘Tim Maia Volume IV’, consolidando seu lugar como um dos grandes nomes da música brasileira.

A fama, muitas vezes, traz à tona o lado oculto dos artistas. Com Tim Maia não foi diferente. Seus problemas pessoais começaram a ganhar destaque na mídia. Acostumado com uma vida simples, a riqueza permitiu que Tim desfrutasse de tudo o que desejava a qualquer momento. Isso levou o cantor a ganhar muito peso, chegando a pesar cerca de 150 kg em seu auge. 

Ele até tentou se internar em uma clínica de reabilitação para lidar com seu problema de compulsão alimentar, mas não conseguiu permanecer por muito tempo. Os excessos se tornaram parte integrante da personalidade do cantor, que fazia referências em suas composições a muitas das coisas que consumia e animava seus shows pedindo seus “baurets”, cigarros de maconha.

Tudo isso mudou quando Tim se juntou a uma filosofia liderada por Manoel Jacintho, chamada Imunização Racional. Os membros do movimento vestiam-se apenas de branco, não comiam carne, não fumavam, não bebiam e não usavam drogas.

Após dois meses e dois álbuns icônicos gravados sob a temática do Universo em Desencanto, Tim decidiu que aquele estilo de vida não era para ele. Ele percebeu que precisava cuidar de sua saúde e decidiu se internar em clínicas que poderiam ajudá-lo. Os anos seguintes foram cruciais para sua saúde. Tim Maia faleceu em março de 1998, aos 55 anos, após ser internado por passar mal no palco.

“Eu não bebo, não cheiro e não fumo, só minto um pouquinho”, o cantor costumava dizer, sempre com um espírito alegre e cheio de ironia. Tim Maia deixou um legado imenso na música brasileira.

+ sobre o tema

Pharrell Williams receberá prêmio de “Ícone Fashion” em evento de moda

Pharrell Williams já recebeu muitos prêmios por sua música...

Serena: ‘Se fosse homem, seria gay’

Americana dá entrevista a jornal francês antes de estrear...

Salvador terá base policial nos moldes das UPPs do Rio de Janeiro

Nordeste da Amaralina será a primeira das 164 previstas...

Daniel Kaluuya confirma que não estará em Pantera Negra 2

Daniel Kaluuya, ator vencedor do Oscar que interpretou W'Kabi em Pantera...

para lembrar

Nei Lopes – Retratos do Brasil Negro

Fonte: O Toupeira - Poeta, compositor, sambista, pesquisador e...

Para derrubar Spider ainda é preciso muito mais

É possível que Anderson Silva repita a trajetória de...

Cinco dissidentes fazem greve de fome por morte de Zapata

Opositor foi enterrado na quinta; governo prendeu cerca...
spot_imgspot_img

Carnaval 2025: nove das 12 escolas do Grupo Especial vão levar enredos afro para a Avenida

Em 2025, a Marquês de Sapucaí, com suas luzes e cores, será palco de um verdadeiro aquilombamento, termo que hoje define o movimento de...

Dia 21, Maurício Pazz se apresenta no Instrumental Sesc Brasil

Maurício Pazz, paulistano, nos convida a mergulhar nos diferentes sotaques oriundos das diásporas africanas no Brasil. No repertório, composições musicais do próprio artista, bem...

Mostra Competitiva Adélia Sampaio recebe inscrições de filmes de mulheres negras até 16 de junho

A 6ª edição da Mostra Competitiva de Cinema Negro Adélia Sampaio está com inscrições abertas para filmes dirigidos por mulheres negras de todo o...
-+=