quarta-feira, setembro 23, 2020

    Tag: Música

    Foto: Ignácio Ferreira/ Agência O Globo

    Para que não se deixe de cantar: Jovelina Pérola Negra e o seu samba de sorriso aberto

    Ahhhhh, o samba! Manifestação popular em forma de oração que veio dar no Brasil enquanto expressão de canto e dança para se louvar a esperança de um novo viver, de novos cotidianos livres de toda dor, sofrimento e preconceito. Expressão cultural de resistências e sobrevivências afro-brasileiras ante ao nosso racismo secular, além de memorial vivo de ancestralidades e saberes afro em uma sociedade historicamente estruturada para negar e, em último caso, destruir – física e psicologicamente – toda importância e qualquer virtude de sociabilidades negras.  Muito mais do que uma “simples” forma de canção, é uma oração que portanto visa o reconectar dos seus a algo maior do que as agruras do mundo material, possibilitando-lhes o ato de religar com as suas origens e com a sua potencialidade de sujeito transformador do mundo que o cerca, sendo Jovelina Pérola Negra, nesse sentido, uma de suas maiores vozes e intérpretes, uma ...

    Leia mais
    Tiganá Santana (Foto: José de Holanda / Divulgação)

    ‘Branquitude não se compromete com luta antirracista’, diz Tiganá Santana

    O compositor Tiganá Santana, 38 anos, seria diplomata se não fosse a paixão pela música. Sua mãe, Arany Santana, sonhava que o filho pudesse entrar para o Itamaraty. Negro, ele desconstruiria ali o racismo enraizado na história do país que é "o grande paraíso do segregacionismo", como afirma o cantor. Na família de fundadores do Movimento Negro da Bahia e dirigentes do bloco afro Ilê Aiyê, Tiganá encontrou, aos 14 anos, outra trincheira na luta antirracista: a musicalidade. Considerado o primeiro compositor brasileiro a gravar um disco nos idiomas africanos quicongo, quimbundo, wolof e mandinka ("Maçalê", de 2009). Tiganá conecta música e filosofia em suas canções. Com dois novos álbuns recém-lançados - "Vida-Código", em fevereiro, e "Milagres", de julho — em que faz uma revisita a "Milagre dos Peixes", de Milton Nascimento, censurado pela ditadura militar em 1973 —, o compositor também se debruça sobre os escritos do congolês Bunseki ...

    Leia mais
    Beyoncé (Getty images)

    No aniversário de 39 anos de Beyoncé, relembre 5 vezes em que a cantora revolucionou a indústria musical

    Beyoncé Giselle Knowles-Carter, ou simplesmente Beyoncé, completa 39 anos nesta sexta-feira, 04 de setembro de 2020. Diva pop, mãe e ativista social, a cantora tem um legado simbólico para o show-business que vai além da música! O POPline preparou uma matéria especial mostrando 5 momentos em que Beyoncé revolucionou a indústria musical! 1. Ao ser a mulher mais premiada em uma única edição do Grammy Beyoncé fez história em 2010 quando foi a vencedora em 6 categorias do Grammy em 2010 pelo álbum “I Am… Sasha Fierce“. Até hoje, nenhuma outra cantora superou esse número de prêmios em uma só noite. Porém, isso é muito simbólico para além da quantidade de Grammies. Beyoncé é uma mulher negra norte-americana e nos Estados Unidos até 1957 existia o regime de segregação racial, em que negros não poderiam frequentar os mesmos locais que brancos. O preconceito racial era tão grande que a atriz Hattie McDaniel, vencedora do Oscar de melhor ...

    Leia mais
    Marvvila - Foto: Guto Costa

    Com apenas 21 anos, Marvvila é a representação feminina que o pagode precisava: “Quero levar essa força”

    Se o Pop o Sertanejo contam com personalidades femininas fortes, já era hora do pagode e o samba terem sua própria estrela! Marvvila, de 21 anos, é a nova aposta da gravadora Warner Music BR para trazer representatividade para o estilo musical. Nascida em Bento Ribeiro, subúrbio do Rio de Janeiro, a cantora acaba de lançar o seu primeiro single, Dizendo por Dizer, que estreou na última terça-feira (1°) nas principais plataformas de streaming. Para ficarmos por dentro da trajetória dela, a todateen bateu um papo exclusivo com a cantora. Confira! onde tudo começou Marvvila começou cantando aos cinco anos de idade na igreja, mas foi só na sua adolescência que percebeu que tinha o sonho de trabalhar com música. “Principalmente depois da minha participação no The Voice Brasil, em 2016. Demorei para encarar a música como uma profissão.”, conta. A artista ainda lembra com carinho da experiência de participar ...

    Leia mais
    Reprodução/Instagram

    Ludmilla se torna 1ª mulher negra latina com 1 bilhão de streams no Spotify

    Ludmilla quebrou um novo recorde ao se tornar a primeira cantora negra latina com 1 bilhão de streams em suas músicas no Spotify. Ao anunciar a nova marca, na manhã de hoje, a artista relembrou o início da carreira e destacou a representatividade por trás do feito. "Quando comecei a cantar, aos 15 anos, fazendo shows em cima de cadeiras — porque não tinha palco para me apresentar — jamais poderia imaginar que eu teria milhões de visualizações, muito menos que chegaria a um BILHÃO", escreveu Ludmilla no post comemorativo, com um vídeo compilando alguns de seus maiores sucessos. "Pra uma mulher preta, que veio da Baixada, isso é muito. E saber que sou a primeira negra latina a fazer isso só me impulsiona e me lembra que, sim, somos possíveis e cada vez mais estamos sendo mais e mais possíveis", continuou a cantora carioca, de apenas 25 anos. Ela ...

    Leia mais
    Foto por Eitan Miskevich

    Public Enemy anuncia novo disco e retorno à Def Jam após 25 anos

    Depois de 25 anos, o Public Enemy está de volta à lendária gravadora Def Jam e vai chegar logo com um novo disco muito em breve. What You Gonna Do When the Grid Goes Down é o título da obra que está prevista para chegar em 25 de Setembro e marca o primeiro lançamento com o nome PE desde Nothing Is Quick in the Desert, de 2017. Falando sobre o trabalho em comunicado (via CoS), o icônico Chuck D comentou: Instituições Culturais são importantes. Ser uma parte integral de uma é uma honra concedida e que deve ser respeitada. As músicas do Public Enemy são para sempre impressões sonoras nas areias do tempo. E é hora — é necessário — trazer o barulho de volta de um lugar chamado casa. Def Jam. Fight the Power 2020. Novo álbum do Public Enemy A primeira prévia divulgada foi o single “State of the Union (STFU)” lá em Junho, e mais recentemente ...

    Leia mais
    Reprodução/Black is King

    A importância de Black is King e aquilo que podemos considerar uma crítica construtiva

    “Creio que quando nós negros contamos nossas próprias histórias podemos mudar o eixo do mundo e narrar a verdadeira história da prosperidade geracional e da riqueza da alma que não se conta em nossos livros de história” Beyoncé O filme musical da cantora pop Beyoncé Knowles, leva o nome de Black is King em referência a realeza negra. Em pouco mais de 1h de duração a Obra-filme traz elementos do movimento afro futurista, reacende o debate político-cultural em torno da identidade africana na diáspora e de como a história contada por nós pretos (as), não falará apenas de miséria, heróis brancos e escravizados pretos. Falar da miséria representa, objetivamente, a intervenção e usurpação do continente Europeu e suas consequências. Falar da riqueza em África significa transcender o debate e lançar luz sob a necessidade de um novo marco civilizacional que considere o legado africano. São debates que surgem com o ...

    Leia mais
    Ilustração: Diogo Carvalho (com design de João Bettencourt)

    Labanta Braço, uma compilação contra o racismo e a intolerância

    O Rimas e Batidas e o Raptilário uniram esforços para criar uma compilação solidária que serve de reacção a eventos recentes (que foram alavancados pelo ódio e racismo que se sentiu por esse mundo fora — com focos mediáticos nos Estados Unidos da América, mas também em Portugal). Labanta Braço reúne faixas de 37 artistas negros e pode ser escutada no Bandcamp. Alexandre Francisco Diaphra, Ângela Polícia, Arekkusu, Bambino, Blaeckfull, Cachupa Psicadélica, Danykas DJ, Deejay Télio, Dellafyah aka Kilu, DJ ADAMM, DJ Lycox, DJ Marfox, DJ Núcleo, DJ Satelite, Dotorado Pro, El Conductor, FRXH, Herlander, Jackpot BCV, Juzicy, Macaia, Mizzy Miles, Nástio Mosquito, Nelassassin, Nelsoniq, Nídia, Nigga Fox, Nzhinga, oseias., PHOEBE, prétu, rkeat, Wake Up Sleep, Slow J, Studio Bros, Tóy Tóy T-Rex e Young Max foram os criativos que aceitaram deixar a sua marca neste Labanta Braço. A capa é um trabalho da dupla Diogo Carvalho (ilustração) e João ...

    Leia mais
    O Cantor Péricles (Foto: Divulgação/Angelo Pastorello)

    Péricles diz que sucesso na música trouxe respeito a ele: ‘Homem negro e gordo’

    O cantor Péricles está ativo na música desde os anos 80, quando se juntou ao grupo Exaltasamba. Com vários hits em mais de 30 anos de carreira, o artista reconhece que o sucesso fez com que muitas pessoas o respeitassem. O assunto foi abordado durante uma live concedida ao perfil da ‘GQ Brasil’ no Instagram, com transcrição do ‘Uol’. Durante o papo, o cantor refletiu sobre a fama e o reconhecimento na música. “A música foi uma porta para que eu pudesse proporcionar uma vida melhor para minha família. A música me proporcionou respeito, para que eu, homem negro e gordo, pudesse chegar nos lugares”, disse. Péricles acredita, inclusive, que esse mesmo respeito será transferido a seus filhos – especialmente Maria Helena, nascida no início de 2020. “Ela vai ser uma mulher, negra, numa sociedade que não respeita ninguém. Mas ela vai ter o amor da família e espero que ...

    Leia mais
    DISNEY+/REPRODUÇÃO

    ‘Black is King’ de Beyoncé: imperialismo e representações negras no mainstream audiovisual estadunidense e raça e história como discursos

    Temos de começar este texto fazendo referência a uma recente colocação da respeitada professora e pesquisadora Lilia Schwarcz que, em artigo no jornal Folha de S. Paulo, escreveu que com relação ao seu novo álbum visual "Black is King" a cantora Beyoncé recorre a imagens estereotipadas  “e cria uma África caricata perdida no tempo das savanas isoladas”, “com muito figurino de oncinha, leopardo, brilho e cristal”. Depois, Lilia “ensina a ‘nosotros’” que já faz tempo que populações negras “tiraram a África do lugar da barbárie e revelaram um continente repleto de filosofias, cosmologias, técnicas, religiões, culturas materiais, imateriais e estéticas visuais”. Por fim, alegando que o novo álbum visual de Beyoncé representa uma “África essencial e idílica”, Lilia indaga que talvez esteja na hora de “Beyoncé sair um pouco de sua sala de jantar e deixar a história começar outra vez, e em outro sentido”.  Iremos tentar fazer aqui uma crítica mais aprofundada à produção ...

    Leia mais
    VALDA NOGUEIRA/ESPECIAL PARA O HUFFPOST BRASIL

    Black is King: álbum visual de Beyoncé já é histórico

    Você sabia que os egípcios eram negros? Aprendeu sobre História Africana na escola? Leu intelectuais negros na universidade? O apagamento da produção de conhecimento negra, também chamado de epistemicídio, é uma das formas de invisibilização produzidas pelo racismo. Em Black Is King, Beyoncé desafia as forças de morte impostas à cultura africana e mostra que, apesar de todas as tentativas de estigmatizar o que é negro como feio, ruim ou perigoso, nossa ancestralidade tem muito a nos oferecer. O processo de conscientização racial não é indolor. Uma pessoa negra, que vive na diáspora africana, fruto do sequestro em massa que deu origem ao sistema escravocrata no mundo há séculos atrás, precisa descobrir sozinha qual caminho percorrido por seus ancestrais. Não aprendemos sobre os antigos reinos africanos, não sabemos as histórias de grandes líderes, de civilizações e de invenções produzidas pelo continente, não sabemos nem de onde nossos familiares vieram ou ...

    Leia mais
    O saxofonista norte-americano John Coltrane CHUCK STEWART PHOTOGRAPHY

    Alabama de John Coltrane, o Jazz contra o racismo

    A clássica e triste canção “Alabama” de John Coltrane, um canto emocionante contra o racismo e um grito em favor dos excluídos ao som do saxofone mais conhecido da história do Jazz. A história dos Estados Unidos fez o negro viver o pesadelo americano de uma forma dura e cruel durante muitos anos (e ainda faz). Uma das contribuições mais importantes da cultura afroamerciana para o mundo foi o Jazz. Esse ritmo, criado por escravizados e ex-escravizados, à beira dos riachos, sempre transpareceu a tristeza e luta dos negros por liberdade e igualdade de direitos. Na primeira metade do Século XX era difícil para os negros até adorarem a Deus sendo segregados em igrejas de bairros pobres, sem energia elétrica e instrumentos de qualidade para o louvor. As vozes dos adoradores negros precisavam ser mais ressonantes e a sincronia e arranjos mais bem construídos, pois a música fazia seus corações ...

    Leia mais
    Foto: Vinicius Xavier / Divulgação

    Mestre da sonoridade africana, Mateus Aleluia leva os terreiros a seu novo disco

    “Andei céu, terra e mar a procurar meu bisavô”, canta Mateus Aleluia na abertura de seu novo disco, “Olorum”. O álbum é mais um passo na busca de uma vida inteira. “Aquilo que procurei anos atrás, continuo procurando”, diz o artista, que integrou os Tincoãs, grupo que revolucionou a música brasileira adaptando para coros doces os cânticos do candomblé na década de 1970. “É temporal, uma circunstância que nos acompanha. Nesse mundo são poucos que têm a possibilidade de fazer sua árvore genealógica. No nosso caso, não foi bem assim.” Aleluia nem conheceu os avós. Mas ele não está falando só da própria história em “Olorum”. A canção, da mesma forma que quase toda a sua obra, é uma perseguição da ancestralidade pela cultura —em especial a música e a religião. No caso de Aleluia, essas não são coisas separadas. Nascido em Cachoeira, no Recôncavo Baiano —com forte presença de afrodescendentes—, ...

    Leia mais
    (Foto: Divulgação)

    Yannick Hara, Asaph e BIG THE KIID criticam uso compulsivo de tecnologia em novo single

    O uso compulsivo de tecnologia pode aflorar males como depressão e ansiedade. É com essa premissa o rapper Yannick Hara divulga o single Vida Offline no dia 31 deste mês. Com participação especial de Asaph e BIG THE KIID, a faixa ainda trata-se de uma crítica à toxicidade do mundo virtual. A música integra a versão estendida do álbum O Caçador de Andróides. Disponibilizado originalmente em novembro de 2019, o disco está sendo reeditado e deve chegar às plataformas de streaming até o fim deste ano. A produção do álbum e do novo single ficou a cargo do beatmaker Paulo Júnior. Já a masterização foi feita por Blakbone. Yannick ressalta que a obsessão pelas redes sociais é prejudicial para a saúde mental das pessoas. “Realmente precisamos ficar conectados 24 horas por dia? Essa música aborda essa questão enquanto incentiva o público a vivenciar experiências reais. A alta tecnologia reflete diretamente ...

    Leia mais
    Reprodução/Instagram

    Precisamos falar de Gabriele Leite

    Conheci Gabi em um festival da cidade de Cerquilho chamado FEPOC (Festival de Poemas de Cerquilho). Lembro de ter me apresentado no mesmo dia, e quando começou sua performance com o violão me encantei e logo postei no instagran: “Quem é você?”.  Hoje, depois de um ano e meio venho contar um pouco sobre o que conheço de Gabi e sobre a sua importância no mundo do violão clássico, pois mesmo não sabendo sobre a área de atuação do instrumento, sem conhecer grandes nomes, movimento artístico, falo do lugar de mulher preta.  Gabriele Leite, uma violonista dedicada e exigente com seus estudos, buscando sempre o aprimoramento dentro da sua pesquisa e trabalhos, uma jovem no auge dos seus 22 anos formada pelo Instituto de Artes da Unesp (Universidade Estadual Paulista), já conquistou diversos Festivais Nacionais rodando por todo o Brasil. No Festival Koblenz da Alemanha conseguindo o título de melhor ...

    Leia mais
    Jaden Smith (Reprodução/YouTube)

    6 músicas para entender Jaden, o talentoso filho rapper de Will Smith

    Na última quarta, 8, Jaden, filho de Will Smith, completou 22 anos - e destes, cerca de 10 foram dedicados à música. A primeira vez que o rapper alcançou popularidade no mundo musical foi em 2010, quando cantou a faixa “Never Say Never”, com Justin Bieber. A canção fez parte de trilha sonora de Karate Kid, filme o qual o artista protagonizou. Em 2012, Jaden lançou a primeira mixtape da carreira: The Cool Cafe. CTV2, segunda mixtape, estreou dois anos depois, em 2014. Na época, ele começou a se dedicar a SYRE, disco de estreia que seria lançado em 17 de novembro 2017. “Icon”, single do álbum, foi lançado no mesmo dia e alcançou o terceiro lugar na lista Bubbling Under Hot 100, da Billboard. Com transições, rimas, criatividade e, inclusive, parcerias com a irmã e cantora Willow Smith, Jaden se provou um talentoso compositor e rapper. Ele ultrapassa barreiras ...

    Leia mais
    Não é tempo de festa para Karol Conká, que retorna com single mais sóbrio e que traz alerta às futuras gerações (Reprodução /Instagram)

    Karol Conka reflete os “Tempos Insanos” em novo clipe

    Desde os protestos em apoio ao movimento Black Lives Matter, passando pela pandemia que assola o mundo, até as injustiças que infelizmente sempre fizeram parte do nosso país, a nova música de Karol Conká traz bastante reflexão com o jeito único da artista. “Tempos Insanos” já chega com videoclipe que transmite a observação da cantora sobre o momento atual no mundo. “Sempre abordei temas atuais nas minhas canções, e agora não seria diferente. Faço da minha arte instrumento de incentivo, acreditando que novos e melhores tempos virão. Escrevi ‘Tempos Insanos’ nesse momento de isolamento em que estamos vivendo, como uma forma de retratar o que estava sentindo”, conta Karol Conka. A música conta com a produção de WC no Beat, que falou sobre a forma de trabalhar com a cantora. “Foi muito maneiro trabalhar com a Karol, transparecer o nosso lado musical brasileiro junto com dois produtores dos Estados Unidos ...

    Leia mais
    Naima Nascimento (Foto: Rolling Stone EUA / Cortesia Sequoia Chappellet Volpini)

    Menina de 10 anos faz sucesso com música sobre Black Lives Matter: ‘Orgulhosa e completamente triste’, diz mãe

    Aos 10 anos, Naima Nascimento escreveu uma música para ajudar a processar os sentimentos dela em relação à recentes mortes de pessoas negras inocentes. No mês de junho, a mãe da menina, Sequoia Chappellet-Volpini, postou um vídeo nas redes sociais da filha sentada e tocando ukulele. Desde então, o clipe foi visto 1 milhão de vezes apenas no Facebook. Intitulada de “BLM”, em apoio ao movimento Black Lives Matter, Naima faz referências à violência e as mortes viriais de George Floyd e Ahmaud Arbery. “Eu não posso mudar você / Você tem que mudar sozinho / Eu gostaria de te ajudar / Veja, eu sou apenas como todo mundo”, diz a jovem cantora. Ao longo da canção, a menina de 10 anos celebra a própria vida como uma jovem mulher negra e o direito dela de lutar. Em uma postagem do Instagram, Sequoia escreveu que a filha mandou o vídeo ...

    Leia mais
    Arquivo Pessoal/Divulgação

    MC Soffia encerra com sucesso a ocupação no perfil de Luísa Sonza

    A jovem rapper, cantora, compositora e apresentadora Mc Soffia, ocupou de 17 a 23 de junho, o perfil do Instagram da cantora  Luísa Sonza, para discutir luta antirracista a partir do olhar de jovens  periféricos. Foi um trabalho intenso que exigiu empenho da produção da rapper para realizar as lives, mas que obtiveram ótimos resultados. Jovens negras/os e um indígena participaram de maneira descontraída e apresentaram seu potencial, enquanto rappers, poeta, dançarina e atriz e o compromisso na luta antirracista através da cultura. A luta antirracista acontece há décadas através de ações do Movimento Negro e os jovens sempre estiveram engajados e participativos, construindo pautas de combate ao racismo e ao genocídio da população negra e indígena. Quem não conseguiu assistir ao vivo, as lives estão no IGTV da cantora Luisa Sonza. “Achei esse movimento de ocupar perfil de artistas brancos positivo e espero que além disso aconteçam outras ações ...

    Leia mais
    Teresa Cristina Imagem retirada do site Extra

    Tudo que move é sagrado…¹

    Teresa Cristina é sagrada, é sarcasmo, é poesia, é utopia, é rebeldia, é ventania, é alegria, é anti pandemia, é, é, é, é... É soma, expansão, excesso de alegria e remédio pra nostalgia.  Eu estava há algum tempo para fazer essa declaração de amor, admiração e retribuição à existência da artivista Teresa Cristina, mas não estava conseguindo, nem sabia por onde começar a falar da grandeza, da existência iluminada, da resistência necessária e generosidade de TT. Me autorizo a chamá-la assim, afinal eu participo das lives da leveza desde quanto era tudo mato, quem é “Cristenders” vai entender... Há uma cumplicidade e amorosidade entre seus fãs, amigos, conhecidos, admiradores que se espraia, no ao vivo da transmissão, e que nos aproxima da artista e ativista engajada em produzir coisas belas e justas.   E desde o momento que o Brasil ficou doente de covid-19, as lives de TT acontecem. Com suas ...

    Leia mais
    Página 1 de 54 1 2 54

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist