IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

Enviado por / FonteG1

No total, 10,6 milhões de paulistas não conseguem fazer todas as refeições como deveriam. Prefeitura de São Paulo disse que, em 2023, reservou para o Fundo de Assistência Social da capital mais de R$ 2 bilhões.

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Isso significa que, atualmente, há 1,3 milhão de pessoas sem alimentos, incluindo crianças.

  • No total, 10,6 milhões de paulistas não conseguem fazer todas as refeições como deveriam;
  • 5,4 milhões sofrem de insegurança alimentar leve, quando a qualidade da alimentação está comprometida;
  • 1,7 milhão enfrentam insegurança alimentar moderada, quando a quantidade de comida é restrita;
  • 1,3 milhão não sabem se vão ter o que comer: é a insegurança alimentar grave;
  • Em 2018, eram 381 mil domicílios ameaçados pela fome;
  • Agora já são 523 mil.

“A insegurança alimentar grave é quando a gente tem crianças no domicílio que passaram por restrições tanto de quantidade quanto de qualidade no que se refere à alimentação”, explicou Jefferson Mariano, analista socioeconômico do IBGE.

Para ele, a surpresa é que, ao contrário do que aconteceu no país, esse número cresceu em São Paulo.

Rodrigo Afosno, diretor-executivo da ONG Ação da Cidadania Contra a Fome, diz que os municípios precisam reforçar as equipes de assistência social e ampliar o cadastro de beneficiários de programas de distribuição de renda:

“Se você não oferece uma rede profunda de atendimento e profissional para que essas pessoas possam ser atendidas, você acaba limitando o acesso dessas pessoas. A gente tem registros, em algumas cidades do Brasil, de filas de seis meses para as pessoas conseguirem marcar o acesso ao CRAS [Centros de Referência de Assistência Social], por exemplo”.

A prefeitura disse que, em 2023, reservou para o Fundo de Assistência Social da capital mais de R$ 2 bilhões.

“É um investimento pesado. Ano passado, só nesses programas de segurança alimentar e nutricional da secretaria de Direitos Humanos foram mais de R$ 270 milhões, sem contar a educação distribuindo merenda nas férias, entregando cesta-básica às famílias nas férias. É um esforço gigantesco”, alegou Soninha Francine, secretária de Direitos Humanos e Cidadania.

A Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social informa que ampliou o número de pessoas atendidas na rede Bom Prato em 2023, fechando o ano com mais de 40 milhões de refeições servidas. Disse também que oferece o o Programa Vivaleite, que beneficia mais de 300 mil cadastrados por mês. A pasta afirmou que segue avaliando outras medidas para ampliar o atendimento à população em todo o Estado.

+ sobre o tema

STF começa a julgar nesta terça (18) supostos mandantes da morte de Marielle

O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia, na tarde desta...

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e...

para lembrar

Casa Branca sofre derrota no Congresso

Fonte: Zero Hora Foto: Achmad Ibrahim / AP Foi um revés...

Piketty recusa condecoração do governo francês

O economista que ganhou projeção internacional com o livro...

O futuro de Brasília: ministra Vera Lúcia luta por uma capital mais inclusiva

Segunda mulher negra a ser empossada como ministra na...

Como o analfabetismo funcional influencia a relação com as redes sociais no Brasil

Três entre cada dez brasileiros têm limitação para ler,...

Janja defende direito ao aborto legal, diz que projeto é ‘absurdo’ e afirma que Congresso deve garantir acesso ao SUS

A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, afirmou que do projeto de lei (PL) 1904, que quer colocar um teto de 22 semanas no acesso ao...

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a tramitação em regime de urgência do projeto de lei que equipara aborto acima de 22 semanas...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste ano, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque...
-+=