MG lidera novamente a ‘lista suja’ do trabalho análogo à escravidão

Atualização da "Lista Suja" conta com cadastro de 57 novos empregadores mineiros condenados por submeter trabalhadores a condições análogas à escravidão

Minas Gerais lidera o ranking de empregadores inseridos na “Lista Suja” do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). A relação, atualizada na última sexta-feira (5/4), conta com empresas e pessoas de todo o país com ações judiciais por terem submetido trabalhadores a condições análogas à escravidão. Desde outubro de 2023, foram incluídos 57 nomes. Em 2023, o estado também esteve no topo da lista, com 114 nomes cadastrados. 

Ao todo, foram incluídas 248 pessoas físicas e jurídicas. Conforme o governo federal, este foi o maior número de inclusões já registradas na história, totalizando 654 empregadores com processos trabalhistas por submeter funcionários a trabalhos forçados, jornadas exaustivas, condições degradantes ou restrições de locomoção. Nesta edição, entre as atividades econômicas com maior número de empregadores condenados estão: trabalho doméstico, cultivo de café, criação de bovinos, produção de carvão e construção civil. A atualização possui decisões de casos de trabalho análogo à escravidão identificados entre 2018 e 2023. A lista completa  está disponível no site do MTE, neste link.

O objetivo da lista é dar transparência aos atos administrativos que decorrem das ações fiscais de combate ao trabalho análogo à escravidão. As ações são feitas por auditores-fiscais do MTE, e também podem contar com a participação de equipes da Defensoria Pública da União, dos Ministérios Públicos Federal e do Trabalho, e das forças policiais.

A “Lista Suja” existe desde de 2003 e, atualmente, conta com 654 empregadores, que exploraram trabalhadores. A inclusão de pessoas físicas ou jurídicas no cadastro só aconteceu após a conclusão do processo administrativo que julgou o crime. Os nomes dos empregadores e dados como CPF ou CNPJ ficam expostos por dois anos. Por isso, nesta atualização, foram excluídos 50 nomes que já completaram esse tempo de publicação.

Extensão territorial e fiscalização

Para o advogado Rodrigo Bedran, especialista em direito do trabalho, Minas lidera o ranking devido à sua extensão territorial e predominância de atividades nas quais o trabalho análogo à escravidão são maiores. “Se nós notarmos bem, todas as atividades listadas pelo Ministério do Trabalho e Emprego são predominantes de áreas rurais. Aqui, temos um fator de ser um território extremamente grande, do tamanho de um país, e com isso também temos uma área rural muito avantajada”, afirma.

Bedran reforça que a fiscalização faz com que os números no estado saltem. Durante as vistorias do Ministério do Trabalho e Emprego, assim que encontrados trabalhadores em condição análoga à de escravizados, são lavrados autos de infração para cada irregularidade encontrada. Além disso, também é feito auto de infração específico com a caracterização da submissão de trabalhadores à condição.

A Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT), do Ministério do Trabalho e Emprego, realizou, em 2023, 598 ações fiscais de combate ao trabalho escravo, o que representa o maior número de ações registrado na história para um mesmo ano. Ao todo, 3.190 trabalhadores foram resgatados – o maior quantitativo desde 2009.

Minas Gerais é o estado que lidera em número de fiscalizações em 2023, com 117 inspeções e 651 resgatados. Na sequência vem Goiás (84 ações e 739 pessoas resgatadas), São Paulo (63 ações e 392 resgatados), Rio Grande do Sul (44 ações e 334 resgatados) e Pará (34 ações e 74 resgatados).

Cada auto de infração gera um processo administrativo e, durante o processamento, são assegurados aos autuados garantias processuais constitucionais, como o contraditório e a ampla defesa em duas instâncias administrativas. Além disso, mesmo após a inserção no cadastro, conforme estipulado pelo artigo 3º da Portaria Interministerial que o regulamenta, o nome de cada empregador permanecerá publicado por um período de dois anos. Por isso, nesta atualização, foram excluídos 50 nomes que já completaram esse tempo de publicação.

+ sobre o tema

Aprovado no Senado, PL dos planos de adaptação esboça reação a boiadas do Congresso

O plenário do Senado Federal aprovou nesta terça-feira (15/05)...

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram...

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

para lembrar

Museu Afro lança projeto Corpo Digital em São Paulo

Fonte: Correio Braziliense- Cerca de 60 jovens de 16...

A herança de FHC

A avaliação de seus mandatos captada em pesquisas explica...

Ao lado de autoridades e familiares, Dilma será diplomada presidente pelo TSE nesta sexta

Lula não deverá ir à cerimônia, mas fará coquetel...

Petista cresce onde tucano faz mais campanha

Apesar de José Serra (PSDB) ter concentrado sua...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda 2024, ano-base 2023, termina em 31 de maio. Até as 17 horas do dia 30 de...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança e ganham menos que os homens ao desempenhar a mesma função, apesar destes indicadores registrarem...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...
-+=