Guerra às drogas na Maré

Discutir políticas públicas e a não proibição de drogas consideradas ilegais no Brasil inclui diretamente o pobre, negro e favelado. Mesmo que seja aquele que não transporta ou comercializa, ou seja, a maioria. Utilizar algo considerado criminoso já marginaliza quem utiliza. E nada se fala sobre álcool, remédios ou cigarro. Que matam milhares de pessoas por dia, e ainda assim sua publicidade e comercialização são valorizadas.

por Thaís Cavalcante da Silva via Guest Post para o Portal Geledés

Grande variedade de drogas pode ser encontrada em uma favela, motivo justificado pelo Estado para a intensa onda de prisões arbitrárias, investimento em forças armadas e a massiva violência contra quem mora em periferias. Quando esse tipo de assunto é uma das vertentes para o extermínio, não é interessante investir em educação, emprego ou saúde para pessoas que têm seu direito violado apenas por morar lá. Isso é insistentemente colocado todos os dias pela mídia comercial e reproduzido por seu público alienado, consequência do poder crescente de manipulação dos meios de comunicação.

Diretamente criminalizada, a droga influencia no cotidiano dos moradores de favela. No Conjunto de Favelas da Maré, localizado no Rio de Janeiro, desde a política de ocupação militar que antecede a UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) implantada em 30 de Abril deste ano, as ruas foram tomadas por tanques de guerra e soldados fortemente armados. Essa ocupação que se mostra invasiva e desrespeitosa traz a sensação de falsa paz e segurança, para aqueles que já lidam diariamente com mais três forças armadas: milícia, tráfico e polícia.

Quando a droga é proibida e tratada como caso criminal, o pobre sente na pele por ser negro e é abordado e acusado diariamente, por algo que não é de sua responsabilidade e muito menos resolução. Não é compreensível combater violência com mais violência. Preconceito com mais preconceito.

Infelizmente, o que acontece em torno dessa problemática é mais que repressão. Graças à criminalização das drogas, o direito da vida, da escolha e da paz é retirado. Todos são tratados como criminosos sem chance de defesa. Exterminar aqueles que não são protagonistas principais da riqueza e poder que é o envolvimento com o “crime” só causa mais descaso, revolta e insatisfação.

Como exemplo, podemos observar panfletos distribuídos por militares da Maré: “A força de pacificação está presente para PROTEGER você e sua família”. Típica frase ilusória para aqueles que vivem todo dia a insegurança e abuso de poder dos mesmos. O atual modelo ditatorial e opressor de segurança pública pensado estrategicamente para apresentar um estado seguro e higienizado para a Copa do Mundo e Olimpíadas não favorece nenhum dos 132 mil moradores que moram do Conjunto de Favelas.

Para um livre consumo de substâncias consideradas ilícitas atualmente, a descriminalização deve ocorrer antes da legalização. Já é nítido que a proibição do uso das drogas, que é uma questão milenar, nunca funcionou. E o caminho é a discussão, conscientização e o entendimento de que o ser humano tem livre escolha e que criminalizar o pobre não é solução.

+ sobre o tema

Sakamoto: Depois de muito tempo, este blog desce do pedestal e responde a um leitor

por Leonardo Sakamoto Detesto fazer o que chamo...

TIRIRICA E SARNEY

Por: Luis Fernando Veríssimo Richard Nixon certa vez...

Fica MUF: Museu de Favela está perdendo seu espaço

A ONG Museu de Favela - MUF é uma...

para lembrar

Fomos todos severinos – uma reflexão sobre a funcionalidade econômica dos pobres

Não é necessário dizer o quanto as mudanças no...

Morando em Portugal, Pedro Cardoso fala sobre ‘desespero brasileiro’

Ator conhecido do público como o Agostinho, da série...

“Estamos cuidando das crianças, mas as deixamos morrer na adolescência”

Eliana Sousa Silva, diretora da Redes da Maré, escreveu...

Os desafios educacionais das meninas negras exigem compromissos nas políticas públicas

Programa Educação e Pesquisa – Geledés Instituto da Mulher Negra Março é um mês marcado por agendas relevantes para o enfrentamento às desigualdades: Dia Internacional...

Refletindo sobre a Cidadania em um Estado de Direitos Abusivos

Em um momento em que nos vemos confrontados com atos de violência policial  e  não punição, como nos recentes casos de abuso de poder...

Geledés e Alana lançam pesquisa sobre municípios que colocam a Lei 10.639/03 em prática

Em Diadema (SP), após um ano de implementação da Lei 10.639/03, que há 20 anos alterou a LDB e instituiu a obrigatoriedade do ensino da história e...
-+=