Os desafios educacionais das meninas negras exigem compromissos nas políticas públicas

Enviado por / FontePor Tânia Portella

Artigo produzido por Redação de Geledés

Programa Educação e Pesquisa – Geledés Instituto da Mulher Negra

Março é um mês marcado por agendas relevantes para o enfrentamento às desigualdades: Dia Internacional das Mulheres (08), dia Internacional para Eliminação da Discriminação Racial (21) e dia Internacional em Memória das Vítimas da Escravidão e do Comércio Transatlântico de Escravos (25), agendas que explicitam e interseccionam fatores como raça e gênero na construção de discriminações e desigualdades.

No início de março, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas) lançou o 3º boletim Estatísticas de Gênero – Indicadores Sociais das Mulheres no Brasil, informando que em 2022 meninas e mulheres dedicaram quase o dobro de tempo em afazeres domésticos e cuidados de outras pessoas que os homens. E quando os dados são desagregados por cor, esse tempo é 1,6 maior para meninas e mulheres negras.

Podemos refletir que esse dado está totalmente relacionado a outra informação do boletim, os dados desagregados revelam que além das mulheres negras apresentarem a segunda taxa mais baixa de frequência escolar, (a mais baixa é do homem negro) a distância da taxa de frequência entre mulheres brancas (39,7) e de mulheres negras (27,9) foi de 11,8 p.p. em 2022. 

Esse é apenas um dos dados que indicam como o racismo impacta fortemente a educação de meninas e mulheres negras. Nesse sentido, desde 2022 Geledés realiza diálogos com estudantes negras, a princípio com turmas do Ensino Fundamental II e em 2023 se estendeu para as estudantes do Ensino Médio. 

As conversas têm por objetivos acompanhar o contexto educacional das estudantes após o período de pandemia e estabelecer um espaço para trocas de informação e conhecimentos sobre a importância do direito à educação de qualidade, mas vai além, pois ao incluir abordagens sobre gênero e raça provoca reflexões sobre o impacto das desigualdades, do sexismo, do racismo e de várias violências na vida das jovens negras. 

As problematizações das jovens, nos momentos de diálogos, traduzem a gravidade de no mínimo duas dimensões: a dos resultados divulgados pelo IBGE, sobre desigualdades de raça e gênero na educação; e as situações violentas de racismo nos ambientes educacionais relacionados a cor da pele e cabelos, como o crime ocorrido com uma adolescente negra que foi xingada, pisoteada por estudantes que frequentam a mesma escola que ela, em cidade no interior de São Paulo1.

Nos relatos das jovens em nossas conversas, elas reconhecem e indicam essas e outras questões que precisam ser observadas por dificultarem a permanência no ambiente escolar. E ainda reforçam a importância de evitar o silenciamento, discutir o racismo e o sexismo na educação e na sociedade, e se verem representadas no currículo escolar. 

As percepções expostas pelas estudantes nos encontros, de um lado demonstram os obstáculos que comprometem a redução das desigualdades no campo da educação, e que deixam meninas e mulheres negras em situações de desvantagens nos indicadores de acesso e permanência apresentados no início do texto, cujos impactos podem ser percebidos no quadro de maiores percentuais para mulheres negras no mercado de trabalho em funções com menor remuneração, baixa valorização e reconhecimento profissional. 

Por outro lado, quando as jovens problematizam o currículo escolar e a representatividade, elas dialogam com a relevância da implementação de políticas educacionais específicas para o enfrentamento do racismo e das desigualdades de gênero e raça na educação.

Uma agenda que Geledés Instituto da Mulher Negra acompanha e aponta a urgência e necessidade de provimento e monitoramento para redução das desigualdades no Brasil.


  1.  Disponível em https://g1.globo.com/sp/sao-jose-do-rio-preto-aracatuba/noticia/2024/03/21/menina-e-pisoteada-e-xingada-de-macaca-e-cabelo-de-bombril-por-alunos-em-escola-municipal-diz-mae.ghtml 
    ↩︎

*Tânia Portella, consultora, sócia e representante de Geledés,

+ sobre o tema

Futebol Feminino – Pelé em sua versão mulher

Podemos afirmar que o futebol é o esporte mais...

“Você mora aqui ou você vem todos os dias?”

Como uma mulher afro-estadunidense e nigeriana de segunda geração,...

para lembrar

Governo Federal e PNUD firmam cooperação para fortalecimento do Sinapir

Parceria se dá entre o Ministério das Mulheres, da...

O que nós temos a receber da política?

2020 é o ano da Pandemia da Covid-19, que...

Manifesto da Articulação Brasileira de Gays pela eliminaçao da discriminaçao racial

  Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do...

Desigualdade ambiental em São Paulo: direito ao verde não é para todos

O novo Mapa da Desigualdade de São Paulo faz um levantamento da cobertura vegetal na maior metrópole do Brasil e revela os contrastes entre...

Estudo mostra que escolas com mais alunos negros têm piores estruturas

As escolas públicas de educação básica com alunos majoritariamente negros têm piores infraestruturas de ensino comparadas a unidades educacionais com maioria de estudantes brancos....

Quase metade das crianças até 5 anos vivia na pobreza em 2022, diz IBGE

Quase metade das crianças de zero a cinco anos vivia em situação de pobreza no Brasil em 2022, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira (9) pelo IBGE (Instituto Brasileiro...
-+=