Fórum da ONU em Genebra discute desenvolvimento econômico dos negros

Enviado por / FonteO Globo, por Mirian Leitão

Ministra Anielle Franco e mais figuras importantes do movimento negro brasileiro participam do 3º Fórum Permanente de Pessoas Afrodescendentes

No terceiro dia do 3º Fórum Permanente de Pessoas Afrodescendentes, promovido pela ONU, em Genebra, a ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, destacou a importância do fortalecimento da memória e da história da população negra como caminhos de desenvolvimento coletivo para justiça, igualdade e democracia.

A ministra participou de uma mesa com artistas negros brasileiros que estão com as obras expostas na sede das Nações Unidas. Segundo ela, desde a inauguração da exposição, recebeu uns 15 pedidos de mulheres negras por editais de arte para mulheres negras.

– Isso se deve ao fato de que a arte nos permite sonhar, e, muitas vezes me salvou, principalmente, após a morte da minha irmã, quando eu precisava me agarrar em algo. Da última vez que vim ao Fórum, vim denunciar a violência policial nas favelas, e hoje, estou numa exposição de artistas afrodescendentes, que a gente possa cada vez mais dar visibilidade aos artistas negros, que cada vez mais que nos enxerguem como seres humanos e que parem de tentar nos matar – disse a ministra.

Na mesa, Camila Valverde, COO e Diretora de Impacto da Rede Brasil, lembrou que a questão racial precisa ser prioridade em qualquer conversa ou setor.

– É imprescindível trazer as empresas para a luta antirracista e progredir na proteção aos direitos humanos das pessoas afrodescendentes.

Também ontem, o Geledés promoveu evento paralelo ao fórum, com o tema “Estratégias para Empoderamento Econômico da População Negra”. Em sua fala inicial, Sueli Carneiro, diretora e fundadora do instituto, defendeu novamente que a implementação do amplo “Programa de Desenvolvimento para reparação histórica para a população negra. Para isso, ela considera que é preciso uma reorientação geral das estratégias de desenvolvimento dos bancos públicos e bancos multilaterais, colocando o desenvolvimento econômico dos afrodescendentes como uma das suas principais prioridades.

– Requer ainda o estabelecimento de um número crescente de empresas lideradas por afrodescendentes, que nos permita aceder à economia formal, ao crédito e ao crescimento e empregar trabalhadores. E o estado brasileiro deve por fim comprometer-se a implementar e apoiar políticas corporativas baseadas nos princípios de diversidade e inclusão de gênero e raça.

+ sobre o tema

Direitos das mulheres afrodescendentes são reforçados na COP 28 por Geledés

No primeiro dia de participação de Geledés – Instituto...

COP28 – Movimento Negro e perspectiva para o futuro climático

Nos dias 6 e 7 de novembro de 2023,...

Geledés reforça a diplomatas brasileiros em NY ideia de formar Major Group na ONU

Nesta terça-feira, 19, em seu último dia de participação...

para lembrar

Brasileiros participam de Curso para Defensores e Defensoras de Direitos Humanos na OEA

Três representantes de entidades da sociedade civil brasileiras, entre...

Brasil responde a processo inédito por discriminação racial no trabalho na Corte IDH

A Corte Interamericana de Direitos Humanos (Corte IDH) realizou...

Geledés e OEA juntas em Washington

Em parceria com a Missão Brasileira na Organização dos...

Geledés participa de evento paralelo em fórum da Unesco

Geledés - Instituto da Mulher Negra participou de evento paralelo do 3º Fórum Global contra o Racismo e a Discriminação da Unesco, que começou nesta terça-feira,...

Documento final da CSW leva parecer de organizações negras do Brasil

Em parceria estabelecida entre Geledés - Instituto da Mulher Negra e as organizações-não-governamentais Casa Sueli Carneiro e Criola, foi-se possível alcançar um importante resultado...

Em fórum da Unesco, Geledés aponta necessidade de incluir os meninos em políticas antimachistas

Neste segundo dia do 3º Fórum Global contra o Racismo e a Discriminação da Unesco, que aconteceu nesta quinta-feira 30 no SESC 14 Bis,...
-+=