Tag: mulheres negras

Mulheres Negras e as Eleições Municipais de 2020

A discussão sobre a participação política das mulheres no Brasil remonta aos Oitocentos. Apesar de manifestações anteriores, foi só no final do século XIX que as primeiras atividades conjuntas passaram a ocorrer, de forma mais acentuada, atreladas ao movimento sufragista, com posicionamentos oriundos, especialmente, de mulheres da elite econômica da nascente república. Por outro lado, foi possível verificar também a movimentação de mulheres operárias, influenciadas pelo marxismo ou pelo anarquismo. Este primeiro momento foi até a década de 1930, quando as mulheres conquistaram o direito de votar e de serem votadas. Entre os anos de 1940 e 1950, essas discussões arrefeceram, voltando a florescer a partir de 1970, quando em meio à ditadura civil-militar, as mulheres criaram frentes de participação política, entre as quais se destacavam as organizações da sociedade civil e os partidos políticos. Os anos de 1980 foram marcados pela luta em prol da redemocratização do País e ...

Leia mais
Katiúscia Ribeiro, professora de filosofia
Imagem: Ilustração: Camila Pizzolotto

Katiúscia Ribeiro explica o ‘mulherismo africana’: ‘Proposta emancipadora’

A organização social das mulheres da África antes da colonização europeia é a inspiração do mulherismo africana. Esse conceito político é resultante das pesquisas da americana Clenora Hudson-Weems, feitas na década de 80, e passou circular com mais força no Brasil nos últimos tempos. Para Katiúscia Ribeiro, professora de filosofia e coordenadora do Laboratório de Africologia e Estudos Ameríndios Geru Maã da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), essa experiência pode guiar o protagonismo feminino nos dias de hoje. "O mulherismo africana tem uma luta de raça, de restabelecer a emancipação da população negra", explica Katiúscia, nessa entrevista à coluna. Ela descarta qualquer semelhança entre mulherismo e feminismo. A base é a atuação das mulheres no continente africano, onde estavam à frente de seu povo, como centros vitais. A partir daí, o objetivo é claro. "Pesquisar o lugar participativo das mulheres africanas na história, identificando nelas o lugar de poder, ...

Leia mais
Anielle Franco (Foto: Bléia Campos)

Sobre violência política de raça e gênero e novas ameaças a mulheres negras

Desde o fim das eleições municipais de 2020, quando o Instituto Marielle Franco direcionou seus esforços para compreender melhor como operam os mecanismos de violência política contra mulheres negras no Brasil, diversos episódios envolvendo retaliações, xingamentos e graves ameaças à vida de parlamentares negras ocorreram em todas as regiões do país. Por ser uma instituição que surge a partir de um episódio bárbaro de violência política, uma das frentes de atuação da nossa organização vem sendo denunciar os casos de violência contra mulheres negras e prestar apoio às mesmas no intuito de garantir sua segurança e o pleno exercício de seus direitos políticos e das suas apoiadoras e apoiadores. Nas últimas semanas, dois casos específicos envolvendo mulheres negras com trajetórias de vida, estados, partidos políticos e cargos diferentes chamaram atenção na imprensa nacional. O primeiro caso, a primeira prefeita negra do município de Cachoeira, no interior da Bahia, Eliana Gonzaga, ...

Leia mais

Quem conta um conto, aumenta um ponto: a trajetória da luxuosa senhora baiana Rita Gomes da Silva

Em meados do século XVIII, uma mulher negra escandalizou a sociedade baiana por sua riqueza, luxo e inteligência. Rita Gomes da Silva, de alcunha Rita Cebola, morou na conhecida Cidade da Bahia, Salvador. Mulher negra, possivelmente escravizada, casou-se duas vezes com homens importantes. Nesse meio tempo conquistou sua liberdade e, quando cabia, esbanjava luxo colonial. No que foi possível reconstruir de sua trajetória, Rita da Silva soube usar os recursos disponíveis a seu favor e de seus pares. Por isso o codinome de “cebola” fazia referência a sua astúcia e versatilidade. Sua fama marcou histórias por séculos. A notável trajetória de Rita continuou sendo lembrada no século XXI, ora como uma mulher negra, vendedora de verduras, conhecida por sua habilidade de negociar espaços de sobrevivência no interior daquela sociedade, ora como um exemplo da importância de mulheres negras baianas ao longo da história.   Ana Bittencourt, membro de família importante de ...

Leia mais
Lélia Gonzalez (Foto: Cezar Louceiro / Reprodução)

Lélias em movimento

Lélia Gonzalez  é referência internacional nos estudos interseccionais de gênero, raça e classe. A filósofa e feminista estadunidense Angela Davis sempre quando em visita ao Brasil, não deixa de reverenciar a genialidade da intelectual brasileira, que é também uma de suas grandes referência sobre o feminismo afrolatinoamericano. Davis, em 2019, realizou uma pergunta às mulheres brasileiras sobre o porquê de procurarmos nas estadunidenses outras possibilidades de luta, sendo que no próprio Brasil o ineditismo de Lélia e de tantas outras mulheres negras estão fervilhando rebeldias únicas. Gonzalez inspira, além de deixar um grande legado, abriu passagem para uma contribuição enorme que perpassa e tem fertilidade em todas as áreas do conhecimento. No último ano assistimos o aumento do interesse do mercado editorial brasileiro nos escritos da mineira que lançou as bases para o movimento antirracista no Brasil bem como também para o de mulheres organizadas, como defende Jolúzia Batista, do Centro ...

Leia mais
Lúcia Xavier (Reprodução/Facebook)

Um compromisso contra o racismo nas Américas, um impulso pelos direitos das mulheres negras no Brasil

A recente notícia da ratificação da Convenção Interamericana contra o Racismo, a Discriminação Racial, a Xenofobia e Formas Correlatas de Intolerância pelo Senado Federal representa uma luz no fim do túnel para os movimentos sociais negros e de mulheres negras no Brasil e nas Américas. Apesar da longa espera por essa ratificação, que agora alcança status de emenda à Constituição do país, ela acontece em hora bastante oportuna. Todos sabemos que a crise econômica, sanitária e política decorrente da pandemia do novo coronavírus agudizou desigualdades e escancarou um projeto de morte contra grupos racializados em todo o mundo. Em 2020, mortes, discriminação e violência foram respondidas com uma forte onda de protestos e indignação contra o racismo e a violência racial. Os Estados foram os principais alvos desses protestos, e no Brasil não foi diferente. A maior nação negra fora do continente africano se revelou mais uma vez inóspita e ...

Leia mais
Carteira de trabalho Foto: Agência O Globo/Jornal Extra

Mulheres negras trabalham mais que os homens em funções não remuneradas em AL, diz IBGE

Um estudo divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), nesta quinta-feira (4), mostra que as mulheres negras alagoanas dedicam uma média de 21,7 horas semanais ao trabalho não remunerado, enquanto que os homens brancos e os negros dedicam quase metade desse tempo: 11,6 horas. O IBGE entende como trabalho não remunerado aquele representado no estudo pelos cuidados de pessoas e/ou afazeres domésticos. O levantamento feito em 2019 faz parte da pesquisa “Estatísticas de Gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil”, com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC) e outros levantamentos. O resultado revela ainda que Alagoas segue a tendência observada para a média Brasil, segundo a qual as mulheres pretas ou pardas dedicavam 22 horas semanais contra as 10,9 horas semanais dos homens brancos. Na análise com os demais estados do país, os homens brancos alagoanos, ao lado dos fluminenses, eram os que mais ...

Leia mais
As mulheres usam a mandioca tradicionalmente para cozinhar e sabem prepará-la de várias maneiras.(Foto: TANIA LIEUW-A-SOE/CEDIDAS)

As mulheres que cultivam mandioca no Suriname para vendê-la nos Países Baixos

Tania Liew-A-Soe é a presidenta e fundadora da cooperativa agrícola Wi! Uma Fu Sranan (WUFS), que em português significa: Nós! As Mulheres do Suriname. Uma cooperativa que nasceu nas remotas comunidades da região de Brokopondo, no interior deste país caribenho que até a década de setenta era uma colônia holandesa. Lá, quase toda a população é de mulheres e crianças. Há muitos poucos homens. O emprego é escasso e eles saem para caçar durante semanas ou meses ou, no pior caso, migram a trabalhar nas zonas costeiras ou nas minas de ouro. Elas ficam para cuidar da família e da terra. Em Brokopondo, a população é majoritariamente descendente dos quilombolas, africanos escravizados historicamente excluídos. A mandioca foi um alimento básico e muito especial que ajudava a subsistir às comunidades. Esse tubérculo presente na América Latina e o Caribe possui múltiplas formas de cozinha. “As mulheres conhecem bem como cultivar e ...

Leia mais

Announcing ‘Black Women Disrupt the Web,’ a multi-country web series competition and call for entries

 Black Women Disrupt, along with Antoinette Engel and Dylan Valley, an international collaborative dedicated to uplifting Black women creatives and entrepreneurs, is announcing a new project: Black Women Disrupt the Web (BWDW). This is a global competition to produce an original web series showcase. The call for entries aims to attract proposals from Black women writer-directors from Brazil, Colombia, Kenya, and South Africa for three (3) three-minute episodes providing new perspectives on the theme, “Imagining Black Futures”.  Black women from Brazil, Colombia, Kenya, and South Africa are invited to submit original proposals for a fictional web series between February 1st and March 1st. A selection committee will choose five (5) semi-finalists to receive dedicated mentorship, production funding, professional development and inclusion in a global, online, web series showcase that will be evaluated by an esteemed panel of judges in July. The winner will receive a cash prize alongside support in ...

Leia mais
Lívia Casseres (Arquivo Pessoal)

Lívia Casseres: A esperança corre nas veias das mulheres negras

Nos primeiros dias de 2021, um sopro de esperança chega às portas dos brasileiros e brasileiras com o início da primeira etapa da vacinação contra a Covid-19 no país – ainda que de forma incipiente e em meio ao caos instalado na gestão da pandemia. Mônica Calazans, mulher negra de 54 anos, enfermeira atuante na linha de frente do combate ao coronavírus no Instituto de Infectologia Emílio Ribas, foi a primeira pessoa a ser vacinada no Brasil. Alguns dias antes, tínhamos sido tomados pela desesperação diante de mais vidas perdidas em Manaus para a negligência e incompetência dos gestores públicos, que conduziam agora – incompreensivelmente – ao esgotamento do estoque de oxigênio nos hospitais. No entanto, a imagem da enfermeira durante a aplicação da primeira dose da vacina, punhos cerrados e erguidos diante das câmeras, despertou em muitos de nós uma fagulha de fé, uma centelha de confiança na possibilidade ...

Leia mais
Arquivo Pessoal

Mulheres negras, política e cultura do cancelamento no Brasil republicano

Em 23 de agosto de 1946, o jornal baiano O Momento, vinculado ao então Partido Comunista do Brasil (PCB), estampava em sua segunda página uma matéria sobre o protagonismo da líder sindical Luiza Matos na região do Recôncavo Baiano. De acordo com a reportagem, ela liderou a criação do sindicado dos trabalhadores na Indústria do Fumo em São Félix, fundado em 19 de novembro de 1935. Entre 1937 e 1942, a sindicalista assumiu a presidência do sindicado e enfrentou muitas perseguições da classe patronal. Na época, ela trabalhava na fábrica Dannemann. Em decorrência de suas atividades políticas, foi demitida. Forjaram uma arapuca e acusaram-na de roubo para justificar a demissão. Ela buscou a justiça, provou sua inocência e foi reintegrada, mas não voltou à mesma indústria. Foi trabalhar na fábrica Suerdiek, de onde também foi demitida e readmitida após contendas envolvendo perseguições dos patrões e inquéritos policiais.  [caption id="attachment_158721" align="aligncenter" ...

Leia mais
Anielle Franco (Foto: Bléia Campos)

Mulheres pretas acadêmicas

Seguindo os últimos textos, onde destaquei algumas mulheres que seguem inspirando outras mulheres, hoje vou utilizar esse espaço para falar de duas mulheres negras e acadêmicas, que são imbatíveis. O espaço acadêmico definitivamente não foi pensado para mulheres negras. Isso em um contexto de diáspora, porém nós resistimos e existimos nesse lugar. Pensar a existência de mulheres negras ocupando cadeiras em lugares de conhecimento, formulando conhecimento, propagando ideias e sendo visíveis, não é algo comum e entendido como natural. Atualmente tem ocorrido mais, porém não com facilidade. Conquistar esses espaços, como a academia é resultado de uma corrida desigual, árdua, e incansável de mulheres como eu e tantas outras irmãs para conquistar objetivos, obter glórias, ou até simplesmente, sobreviver com dignidade em meio às desigualdades. árbara Carine fundou a Escolinha Maria Felipa, em Salvador (BA)Imagem: Acervo Pessoal Nesse caminho de resistência e ocupação de mulheres negras, ...

Leia mais
Imagem retirada do site  Mijente.net

Mulheres negras e o direito ao amor: entre escolher e ser escolhida

Conversava com um amigo italiano esses dias e ele disse o seguinte: “Anos atrás eu estava perdido no trabalho. A empresa começou a demitir muita gente e ofereceu uma boa proposta para aqueles que pediam demissão de forma voluntária. Então pensei em ir para o sul da Itália, aonde chegam os barcos com os refugiados e pegar uma somaliana e me casar com ela”.  Essa sua fala me incomodou profundamente. Pensei: ele estava no pior momento da sua vida, perdido e desempregado e não pensou sequer na possibilidade de “pegar” uma italiana, uma sua igual, ou mesmo de ir para a Alemanha, pegar uma mulher por lá, mas a da Somália, essa sim, na sua cabeça, o aceitaria sem pestanejar e em quaisquer condições.  Porque uma somaliana? Para o meu amigo italiano, a mulher africana estaria ganhando ao ser “pega” por ele, logo, não ofereceria oposição.  A construção da mulher ...

Leia mais
Fotos: @enredo.fotografia

Em caso de despressurização racial, máscaras antirracistas cairão automaticamente!

“Sim. Eu corri para não ser rotulada. Corri da violência doméstica, das escolas de brancos, da  humilhação na sala de aula, dos assédios, das portas fechadas, dos enquadramentos eurocêntricos, dos vícios, da cidade que não oferece oportunidades e das relações abusivas. A partir de um tempo, meus pés sagraram tanto, que não pude mais correr. Mas, logo percebi que tenho asas e comecei a voar.” Começo esse texto agradecendo às minhas irmãs, tias, primas, orientadoras e a todas as mulheres negras, especialmente, à minha mãe pelo apoio e estímulo que sempre me deram, para que eu não tivesse medo de abrir as asas e me deixasse conduzir por elas em voos cada vez mais altos. Durante um tempo, as impactantes reverberações do racismo e da opressão de gênero quase me convenceram de que eu jamais conheceria outros lugares. Minha família sempre gostou muito de viajar. Assim, meus pais e tios juntavam ...

Leia mais
Ilustrações de Marcelo Jean Machado

Cientistas negras brasileiras são homenageadas em novo livro de passatempos do “Meninas e Mulheres nas Ciências”; baixe

No dia nacional da Consciência Negra, professoras e estudantes da UFPR que integram a equipe do Projeto de Extensão “Meninas e Mulheres nas Ciências” lançam o livro de passatempos “Cientistas Negras: Brasileiras – Volume 1”, disponível gratuitamente aqui. O objetivo da obra é divulgar o protagonismo das cientistas negras brasileiras, impulsionando a educação e divulgação científica em uma perspectiva descolonizadora e humanizadora.  O material aborda os assuntos por meio de atividades lúdicas, tais como caça-palavras, palavras cruzadas e desenhos para colorir. No primeiro volume, são contadas as trajetórias de 14 cientistas negras brasileiras de diferentes campos de conhecimento. Na capa, as nove cientistas ilustradas simbolizam as grandes áreas de conhecimento. Uma delas, a professora Rita de Cássia dos Anjos, das Ciências Exatas e da Terra, é professora e pesquisadora de destaque na Universidade Federal do Paraná (saiba mais sobre ela abaixo).  A coordenadora do projeto, professora Camila Silveira, do departamento de Química, enfatiza a importância da obra para o fortalecimento e reconhecimento de referências intelectuais negras no ...

Leia mais
Adobe

“O coco branco mesmo que esse cheire mal”. Uma reflexão experiencial de uma mulher negra sobre as relações inter-raciais em Cuba

Para aqueles de nós que gostam de música de dança cubana, estamos familiarizados com a palavra “negra’ na letra, refrão e frases individuais entre os guias das canções mais populares. Esta voz alude àquela mulher que é a figura central, em torno da qual o roteiro  que inspira nos concertos ao vivo, o público cantará em voz alta porque se reconhecem nas canções. Muitas destas composições, umas mais elaboradas do que outras, são dedicadas a que “negra” os seus os melhores elogios. Ela é a musa que inspira o cantor, o mestre da sua insônia e das suas paixões, a epítome do desejável e do odiado, tudo ao mesmo tempo, uma espécie de drama ao estilo cubano que se perde quando não se tem e se sofre quando se vive. Esta tendência não é exclusiva da música de dança contemporânea. No mais “piegas” do patrimônio cultural cubano aparece esta menção: ...

Leia mais
Maria Carolina Trevisan (Foto: André Neves Sampaio)

Calar sobre ataques a Manuela, Marília e mulheres negras é ser conivente

Não é um acaso que os ataques de ódio e fake news recaíram sobretudo contra Manuela D'Ávila (PCdoB) nas eleições municipais de 2020. Ela disputou pela terceira vez a Prefeitura de Porto Alegre em uma campanha acirrada. Perdeu o segundo turno para o emedebista Sebastião Melo, eleito com nove pontos percentuais de diferença. Duas condições fizeram de Manuela o principal alvo dessa ofensiva: a rejeição à esquerda e o fato de ser mulher, com muito mais peso no fator gênero. O machismo é um forte componente nas práticas de disseminação de ódio e de desinformação. Essas estratégias, com recorrência, apelam para a condição de mulher, como se fosse uma fraqueza ser mulher e, portanto, um alvo mais fácil de constranger e desmobilizar. Isso só ganha força em uma sociedade que se escora no machismo e na misoginia, no racismo e na homofobia. Foi assim com Manuela, com Marília Arraes (PT) ...

Leia mais
Photo by Tima Miroshnichenko from Pexels

Sobre mordaças e Chicoachings Contemporâneos

Ao procurar emprego no linkedin, me deparei com essa publicação da https://www.artemisia.org.br/empregabilidade/ que trouxe o seguinte excerto: “Reitero a defesa de Saadia Zahidi, diretora-administrativa do Fórum Econômico Mundial, quando diz que as organizações bem-sucedidas e inovadoras são aquelas alimentadas pela diversidade de opiniões, habilidades e experiências de vida. Garantir justiça social, paridade de gênero, inclusão das pessoas com deficiência, das pessoas LGBTQIA+ e respeito à diversidade humana precisa ser o ‘novo normal’ que deve emergir da crise provocada pela covid-19.” Ontem assisti uma palestra incrível com Raj Sisodia que me fez acreditar que o que eu penso em relação a novas relações entre colaboradores e empresa, não podem se manter da forma que estão. Passei a noite sem dormir, assim tem sido toda essa semana. Preciso falar sobre isso. E toda vez que sinto essa necessidade, a mordaça volta a minha boca. Fui demitida por questionar o salário que recebia ...

Leia mais
Ilustração: Stephanie Pollo

Que Brasil teríamos, com mais mulheres negras no poder?

Por CFEMEA, para a coluna Baderna Feminista O Brasil já está às voltas com as eleições municipais. Mergulhadas numa crise profunda, ainda mais trágica pela crise sanitária que já matou quase 150 mil pessoas em nosso País, nos perguntamos sobre o que significa a realização de um processo como este em um contexto político marcado por um golpe e pelo fascismo crescente na sociedade brasileira. O que significa termos um processo eleitoral já com quase dois anos do governo Bolsonaro? Os movimentos feministas têm uma trajetória de monitoramento de políticas públicas e de ação junto ao Parlamento. Desde a Constituinte, organizações e movimentos incidem para aprovar legislações igualitárias e pressionar para que os marcos normativos se traduzam em políticas e serviços que alterem concretamente a vida das mulheres. Nós, do CFEMEA, atuamos nesse front e temos alertado para a presença cada vez maior de partidos políticos criados a partir de fés religiosas e para ...

Leia mais
Página 1 de 3 1 2 3

Últimas Postagens

Artigos mais vistos (7dias)

No Content Available

Twitter

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist