Instituto Geledés promove evento sobre empoderamento econômico para população negra

Encontro é paralelo ao Fórum Permanente de Pessoas Afrodescendentes que acontece na sede das Nações Unidas na Suíça

O Geledés – Instituto da Mulher Negra realizou nesta quarta-feira (17) evento paralelo ao Fórum Permanente de Pessoas Afrodescendentes que acontece na sede das Nações Unidas na Suíça.

Foram abordadas questões relacionadas à (in)visibilidade de gênero e raça, à pobreza intergeracional e aos instrumentos de empoderamento econômico e os respectivos desafios enfrentados pela população negra.

Para Gabriel Dantas, advogado e representante de Geledés, o debate sobre justiça econômica é fundamental para a comunidade afrodescendente. “Não podemos ignorar o papel crucial que a estrutura financeira internacional, especialmente os bancos multilaterais de desenvolvimento, desempenha na promoção da emancipação econômica dessa população.”

Neste desafio, o instituto considera ser necessário debater o papel dos principais atores da arquitetura financeira internacional, como os bancos multilaterais de desenvolvimento, que desempenham papel fundamental na agenda de desenvolvimento socioeconômico.

Questiona também o setor privado no financiamento de investimentos que gerem resultados positivos e tenham retorno social superior ao retorno privado. Considera, inclusive, que os bancos preencham lacunas de financiamento em setores que não são adequadamente servidos pelo mercado privado.

Segundo os organizadores, é urgente a dissociação de uma perspectiva empreendedora, que ‘muitas vezes se traduz em um mercado de trabalho precário, ignorando-se a realidade da população afrodescendente, especialmente a das mulheres afrodescendentes.’

Para Sueli Carneiro, diretora e fundadora da organização, para iniciar um círculo virtuoso de promoção da mobilidade social das populações afrodescendentes no Brasil, que sustente um processo de reparação histórica, é necessário um programa de desenvolvimento econômico para a população negra, com metas de curto, médio e longo prazos.

“Requer ainda o estabelecimento de um número crescente de empresas lideradas por afrodescendentes, que permita aceder à economia formal, ao crédito e ao crescimento e empregar trabalhadores. E o estado brasileiro deve comprometer-se a implementar e apoiar políticas corporativas baseadas nos princípios de diversidade e inclusão de gênero e raça”, afirma Carneiro.

+ sobre o tema

O país que adotou a violência, mas quer abortar o criminoso

Em regra todo criminoso/delinquente/infrator contumaz possui valores próprios, singulares,...

Há uma perspectiva de classe na divulgação de crimes no Brasil, denuncia deputado

Chico Alencar, deputado federal (PSOL-RJ), compara a divulgação dada...

Colégio é condenado a pagar R$ 40 mil por danos morais após omissão em caso de bullying

Mãe de adolescente alega que agressões físicas e psicológicas...

Chacinas

Chacina pode ser definida como um tipo de violência...

para lembrar

Após ser vítima de racismo, Roberto Carlos vira ‘a lenda’ em Makhachkala

Em região que sofre com preconceito na Rússia, carinho...

Camila Pitanga diz que o racismo no Brasil ainda é velado

Aos 32 anos, Camila Pitanga está rindo à toa....

Los Angeles: Treze detidos em manifestações contra o racismo

  Pelo menos 13 pessoas foram presas em Los...
spot_imgspot_img

Senado aprova prorrogação e ampliação da política de cotas para concursos públicos

O Senado aprovou, nesta quarta-feira (22), o projeto de lei (PL) 1.958/2021, que prorroga por dez anos a política de cotas afirmativas para concursos...

Morte de senegalês após ação da PM em SP completa um mês com investigação lenta e falta de acesso a câmeras corporais

Um mês após a morte do senegalês Serigne Mourtalla Mbaye, conhecido como Talla, que caiu do 6º andar após ação policial no prédio em que morava...

Maurício Pestana: escola de negros e o Terceiro Vagão

Em vários artigos já escritos por mim aqui, tenho apontado como o racismo no Brasil utiliza a via da questão econômica e educacional para...
-+=