Dirigentes de ensino terão de fazer prova para manter cargo

Fonte: Folha de São Paulo –

Foto: Stock.Xchange

O governo do Estado vai submeter a uma espécie de “vestibular” todos os 91 dirigentes regionais de ensino e exonerar do cargo de confiança aqueles que não forem aprovados no teste. O mesmo valerá para diretores regionais de saúde e diretores de hospitais da rede estadual.

Hoje, essas funções são de livre nomeação do Estado, ou seja, não requerem concurso. Pela proposta do governo, os cargos continuarão de confiança, mas só poderão exercer a função os servidores que passarem na prova e obtiverem um certificado, válido por três anos.

Segundo o secretário de Gestão Pública, Sidney Beraldo, que comanda o projeto, a ideia é dar “mais eficiência à estrutura pública”. “Nada impede que um diretor de ensino tenha a indicação política da composição que atua na sua região, mas ele terá que fazer parte do processo de certificação”, afirma.

O processo prevê até três etapas. A primeira prova para os servidores da Educação será aplicada pela FGV (Fundação Getulio Vargas) entre 13 de julho e 7 de agosto pela internet, em centros de testes da instituição. Serão 40 questões de múltipla escolha referentes a temas de gestão pedagógica, gestão de demanda escolar e gestão dos processos administrativos inerentes ao cargo.

Quem não for aprovado no teste passará por um curso de aperfeiçoamento na Fundap (Fundação do Desenvolvimento Administrativo). Depois, o dirigente regional de ensino poderá fazer uma nova prova.

Além de obrigar os atuais dirigentes regionais de ensino a prestar o exame, o governo abriu mais 212 vagas para servidores que desejarem obter a certificação para o cargo. A ideia é montar um “banco de talentos” para as secretarias.

Segundo Beraldo, a certificação para funcionários de confiança será ampliada para todas as secretarias do governo para as quais se aplicar o projeto, mas o processo não deve atingir assessores do primeiro escalão do governo. Segundo a Secretaria da Gestão Pública, o Estado mantém 338.989 servidores na administração direta, dos quais 6.638 em cargos de confiança.

 

Críticas

Entidades ligadas à educação e à saúde discordam da medida de certificar servidores de confiança como forma de qualificar o serviço público. “O governo quer avaliar, avaliar, mas não valoriza os servidores da educação. Esse deveria ser um programa ligado a um plano de carreira, e não descolado dele”, diz Maria Izabel Noronha, presidente da sindicato dos professores do Estado, que defende a escolha de dirigentes pela comunidade escolar da região.

Angelo D’Agostini, diretor do Sindicato dos Trabalhadores Públicos da Saúde em SP, critica o momento da medida. “Deveria ter sido feita no início do governo, depois da transição, e só depois é que o governo deveria cobrir os cargos”, diz.

 

Matéria original: Regra valerá também para diretores regionais de saúde e de hospitais de SP

+ sobre o tema

Mariana vira 1º crime ambiental apontado como violação de direitos humanos

O rompimento da barragem do Fundão, operada pela mineradora...

Violência contra a criança é debatida no último dia do Fórum de Direitos Humanos

    Brasília- A defesa dos direitos humanos e o enfrentamento...

Menos de 50% das meninas tomaram as 2 doses da vacina contra HPV em 3 anos de imunização

Segundo especialista, "maior dificuldade é convencer adolescente a se...

Profissionais dos Mais Médicos começam atender periferias e interior em setembro, diz governo

  Entidades médicas brigam na Justiça contra pacote...

para lembrar

O que será dos profissionais de saúde que distorcem a ciência?

A semana de sofrimento e morte promovida em Manaus...

‘Quem lincha sabe que tem respaldo social no Brasil’, diz pesquisadora

O caso de Cleidenilson Pereira da Silva, de 29...

Sebrae mostra impacto da pandemia sobre empreendedores negros

Pesquisa feita pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro...

MARIA APARECIDA ROCHA SIMÃO e OUTROS

VÍTIMA: MARIA APARECIDA ROCHA SIMÃO e OUTROS Caso de discriminação...
spot_imgspot_img

Evento do G20 debate intolerância às religiões de matriz africana

Apesar de o livre exercício de cultos religiosos e a liberdade de crença estarem garantidos pela Constituição brasileira, há um aumento relevante de ameaças...

Raça e gênero são abordados em documentos da Conferência de Bonn

A participação de Geledés - Instituto da Mulher Negra na Conferência de Bonn de 2024 (SB 60), que se encerrou na última quinta-feira 13,...

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...
-+=