Concurso Miss Trans oferece reabilitação única para detentos

“Quando um transexual entra em uma prisão destinada à homens, ele invariavelmente se transforma em propriedade sexual dos prisioneiros”.

Por , do BuzzFeed

Todo mês de novembro no Complexo Penitenciário do Estado de Minas Gerais, a vencedora do concurso Miss Trans do ano anterior concede a coroa à próxima vencedora.

No ano passado, a fotógrafa Marcela Xavier esteve presente para fotografar os pontos turísticos e cerimônias ao redor deste concurso de beleza único. Marcela, que atualmente está estudando Direito e Jornalismo, sempre foi fascinada pelo sistema penitenciário, como prisões modernas são construídas, como funciona a segurança nelas e as regras internas que comandam a vida dos detentos.

Ao ouvir sobre o concurso Miss Trans na Prisão Estadual de Minas Gerais através de um amigo, Marcela soube que suas fotografias conseguiriam mostrar o evento de uma perspectiva instigante e fascinante.

O concurso Miss Trans oferece uma forma humanizada de reabilitação para as presos que não necessariamente se identificam com o sexo com o qual nasceram.

Marcela Xavier
Marcela Xavier

 

Marcela Xavier
Marcela Xavier

 

grid-cell-32525-1425315169-0 trans4

O evento foi desenvolvido como uma forma de melhorar a autoestima das mulheres cumprindo penas atrás das grades, concedendo às detentas a oportunidade de usar maquiagem e vestidos para expressar suas verdadeiras identidades.

Marcela disse ao BuzzFeed:

“Elas eram assassinas e ladras comuns, mas ninguém falou sobre isso — o foco naquele dia era o concurso de beleza, e todas queriam ter seu melhor visual”.

“Foi um dia para sentirem-se como pessoas, em vez de detentas”.

Com a ajuda de uma equipe de estilistas profissionais e maquiadores, é dada às participantes do concurso a chance de imaginar suas vidas após a reclusão.

Em um comunicado sobre o projeto, Marcela explica que a vida de uma detenta transexual pode ser difícil e traumática:

A situação deste grupo é uma das mais delicadas dentro do sistema penitenciário — muitos dos presos cumprindo pena hoje nas alas LGBT passaram por prisões masculinas em algum momento, onde além de serem vítimas do preconceito, eram também vítimas de abuso físico”.

“Quando uma transexual entra em uma prisão destinada à homens, ela invariavelmente se transforma em propriedade sexual dos prisioneiros”.

“Muitas sofrem até 20 estupros diários”.

Xavier continua a explicar o sucesso deste concurso:

“Com a oportunidade de participar de um concurso de beleza usando seus nomes sociais e roupas que enfatizam suas naturezas femininas…

…não apenas as presas transexuais podem reafirmar suas identidades como mulheres, como também ganham visibilidade em frente à mídia, representantes da Ordem dos Advogados e companheiros de prisão”.

Para ver mais do trabalho de Marcela Xavier, confira seu site em www.marcelaxavier.net

+ sobre o tema

One, People, One Love!

A voz forte e afinada brotava não se sabe...

Caminhada no Rio pede liberdade religiosa e Estado Laico

Milhares de pessoas se reuniram dia 8 na...

SSP-DF e Uber lançam transporte gratuito para vítimas de violência doméstica

A Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP/DF)...

para lembrar

Quatro mulheres negras à frente de pesquisas sobre a covid-19

A professora e pesquisadora da Universidade Federal Fluminense (UFF)...

Boxeador marroquino é preso por estuprar camareiras na Vila Olímpica

O boxeador marroquino Hassan Saada, foi preso nesta sexta-feira...

1º Curso de formação Promotoras Legais Populares em Francisco Morato

Geledés - Instituto Da Mulher Negra, em parceria com...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=