quarta-feira, maio 25, 2022
InícioSem categoriaDesinteresse de médicos, mesmo com incentivos, pode facilitar vinda de estrangeiros

Desinteresse de médicos, mesmo com incentivos, pode facilitar vinda de estrangeiros

Dos 16.500 profissionais brasileiros que se inscreveram no “Mais Médicos”, apenas 938 confirmaram a entrada no programa. Número de vagas preenchidas corresponde apenas a 6% da demanda do país.

Somente 6% dos profissionais que haviam se cadastrado inicialmente no “Mais Médicos” assinaram o termo de compromisso de participação. No total, foram 16.500 médicos inscritos, mas apenas 938 confirmaram a entrada no programa.

A lista dos médicos brasileiros que confirmaram a participação na primeira chamada foi divulgada pelo Ministério da Saúde (MS) na terça-feira (6). A maioria dos médicos (51,8%) atuará nas periferias de capitais e regiões metropolitanas e os 48,1% restantes em municípios do interior de alta vulnerabilidade social, totalizando 404 cidades atendidas nesta chamada.

O que mais chama atenção é o número de vagas preenchidas, que corresponde apenas a 6% da demanda do país.

Na última segunda-feira (5), a ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, afirmou que dos locais escolhidos pelos candidatos brasileiros ninguém optou pelos 700 municípios que não possuem médicos. Para a ministra, a situação confirma a necessidade de abertura do programa para médicos estrangeiros.

“Acabou quase que confirmando aquilo que a gente já tinha plena consciência de que nós não temos médicos em números suficientes, inclusive, com a disposição necessária para estar atuando em todos os locais, todos os municípios, todos os bairros e periferias das grandes cidades.”

A vinda de médicos estrangeiros enfrenta resistência de entidades como o Conselho Federal de Medicina. O médico brasileiro formado em Cuba Augusto César acredita que a postura está relacionada ao perfil elitista dos cursos de formação.

“Quem entra hoje na universidade pública para fazer medicina? É quem tem dinheiro para fazer um bom cursinho ou estudou o tempo todo numa escola particular. Essas são as maiorias.”

De São Paulo, da Radioagência NP, Daniele Silveira.

 

Fonte: Radio Agência NP

Artigos Relacionados
-+=