Eliane Brum e “AzMina” apontam barreiras que ainda persistem nas redações

A jornalista Eliane Brum destacou a importância da realização do “Troféu Mulher IMPRENSA” na segunda-feira, 10 de julho, e indicou quais avanços ela entende que as ainda redações precisam alcançar. Durante a cerimônia da 12ª edição do prêmio, a repórter do El País lembrou que, além do machismo, o jornalismo também precisa vencer barreiras impostas por racismo e discriminação contra transexuais.

Por Fernando Arbex, do Portal Imprensa 

Crédito:Edwaldo Costa e Heron Marques

“Embora seja importante falar das mulheres, a gente também tem de lembrar que as mulheres não são todas iguais. Pelo o que a gente vê na sociedade brasileira, é muito mais difícil para as mulheres negras. As assimetrias são muito maiores. Tanto que a gente quase não vê negras nas redações, assim como a gente quase não vê mulheres trans”, disse Eliane ao Portal IMPRENSA.

Durante a cerimônia, o manifesto de Eliane foi endossado por Nana Queiroz, diretora de redação de AzMina, que subiu ao palco com as colegas Larissa Ribeiro, Helena Bertho, Letícia Bahia, Lívia Magalhães e Barbara Mengado para receber o prêmio na categoria “Projeto Jornalístico” em nome da revista.

“A revista AzMina é o único veículo dessa premiação que é auto-destrutivo. Nosso sonho é que um dia a gente não precise mais existir. O ‘Troféu Mulher IMPRENSA’ é necessário, como a nossa revista também, mas eu sonho que um dia deixe de ser. Que um dia a gente tenha tantas oportunidades de fazer coisas incríveis, de ser reconhecida por nossas matérias, de não precisar sofrer assédio sexual para conseguir um furo de reportagem”, afirmou Nana.

Crédito:Edwaldo Costa e Heron Marques

Ainda durante o discurso, a jornalista fez questão de marcar a posição da revista no mercado. “Nunca digam que a gente faz jornalismo ativista , porque a gente faz jornalismo investigativo para mulheres. Tem uma diferença entre jornalismo ativista e o especializado em causas. Quando a gente fala em jornalismo feminista, eu não um problema que AzMina seja, o problema é que os outros veículos sejam machistas. Vivemos em um mundo tão distorcido que 80% dos colunistas homens e 90% de fontes masculinas parece normal. Quando a revista AzMina chega com a proposta de botar mulheres para falar, dizem que é ‘ativismo’. Não é”, disse.

+ sobre o tema

OEA condena Brasil por morte de sem-terra

Fonte: Folha de São Paulo Por Dimitri do Vale...

Brasil: Violência no Rio de Janeiro – o desafio de mudar

Anistia Internacional: Declaração Pública A Anistia Internacional...

CULTNE – Bastidores do Encontro de Produtores Negros – RJ

Cultne registrou com imagens e edição de Filó...

Vacina cubana contra HIV apresenta resultados positivos em testes com seres humanos

Não foram registrados casos de efeitos colaterais ou de...

para lembrar

Brasil ultrapassa a marca de meio milhão de casos prováveis de dengue, com 75 mortes

O Brasil ultrapassou a marca de meio milhão de...

Política cultural e liberdades individuais

Fonte: José Luiz Herencia O MinC não acredita numa...

Como as escolas de samba nos ensinam sobre ancestralidade

Desde que foram criadas, escolas de samba têm sido...

Letícia Sabatella: ‘O pastor Feliciano é uma benção de Deus’. Entenda

Glamurama acaba de cruzar com Letícia Sabatella no Projac...
spot_imgspot_img

Cimi registra ataques a povos indígenas em três estados

Os conflitos entre produtores rurais e grupos indígenas continuam no Mato Grosso do Sul e Paraná. De acordo com publicação feita neste sábado (20) pelo Conselho...

Movimento Negro cobra e Brasil se posiciona na ONU sobre agenda racial

Nesta quarta-feira, 17, durante a sessão do Fórum Político de Alto Nível nas Nações Unidas, em Nova York, Geledés – Instituto da Mulher Negra...

46º Prêmio Vladimir Herzog: inscrições prosseguem até 20 de julho

Termina no próximo sábado, 20 de julho, o prazo para inscrições ao 46º Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos (PVH).  A premiação...
-+=