Em greve, médico libera gestante de hospital em Leme e ela perde o bebê

Família registrou boletim de ocorrência contra o plantonista da Santa Casa.
Autônomo também teve atendimento negado após sofrer grave acidente.

Por: Suzana Amyuni

Funcionários em greve em frente à Santa Casa de Leme (Foto: Ely Venâncio/EPTV)

Uma gestante perdeu o bebê depois de passar por atendimento na Santa Casa de Leme (SP) e ser liberada, mesmo com dores e contrações, com a alegação de que os médicos estão em greve. A família acusa o médico de negligência. O caso aconteceu no sábado (20), mas o boletim de ocorrência só foi registrado na quarta-feira (24) porque todos ainda estavam abalados. A Santa Casa informou que só vai se pronunciar durante a tarde. O Sindicato da Saúde Campinas e Região (Sindsaúde) informou que não faltou atendimento e que possíveis falhas devem ser explicadas pela diretoria clínica e pela administração da Santa Casa

“Ele perguntou para minha filha se ela não tinha visto a faixa dizendo que eles estão em greve e disse que não podia fazer nada. Ele deu um remédio para dor e já deu alta”, contou indignada a mãe da vítima, Adaildes Cunha Henklein, de 61 anos.

Os funcionários paralisaram as atividades na última quinta-feira (18) por reajuste salarial e outros benefícios. Os trabalhadores pedem 20% de aumento, mas a provedoria do hospital ofereceu 6,97%, o que não foi aceito. O Sindicato da Saúde (Sinsaúde) realizou uma manifestação nas ruas da região central da cidade na manhã de quarta-feira (24).

Na noite de sábado, a gestante de 36 anos, que estava de oito meses, procurou o hospital com contrações e o médico reclamou de ter que atendê-la. “Ele justificou que trabalha em más condições e que não tem estrutura, por isso estavam paralisados. Aí só deu um remédio para ela e nada mais. Ele tinha que ter internado ela ou até feito o parto”, falou a mãe.
Na manhã de domingo (21) a família fez uma nova tentativa. “Nós ligamos para a doutora que acompanhou a gravidez da minha filha e dissemos que pagaríamos tudo para ela nos atender. Mesmo assim, ela disse que não poderia atender porque estava sem banho e sem comer e mandou que a gente procurasse a Santa Casa”, relatou Adaildes.

Ainda com dor, a gestante voltou ao hospital na segunda-feira (22) e foi atendida por outro médico que fez o diagnóstico de que o bebê tinha morrido. A família disse que procurou a delegacia três dias depois e foi orientada a prestar queixa. “Nós ainda estamos muito chocados. Tenho certeza que isso ocorreu por causa da greve, foi muita negligência”, desabafou Adaildes.

O boletim de ocorrência foi registrado como homicídio culposo. A Polícia Civil vai abrir inquérito para investigar o caso e o delegado vai ouvir os envolvidos, entre eles, o médico, a mãe e o pai do bebê.

Outro caso
Na quarta-feira (24), um autônomo de 19 anos teve o atendimento negado na Santa Casa também por causa da greve, após sofrer um acidente de trânsito na Rodovia Anhanguera (SP-330).

Segundo a Polícia Rodoviária, o jovem seguia sentido capital, quando um pneu dianteiro do carro estourou, ele perdeu o controle da direção e capotou várias vezes. Ao capotar, o veículo ainda atingiu um ônibus com 35 passageiros, mas nenhum deles ficou ferido.

O motorista do carro foi socorrido pelo resgate da Intervias com uma lesão grave na coluna. Ao chegar à Santa Casa, teve o atendimento negado por causa da greve e teve que ser transferido para o hospital da Unimed, em Araras. A suspeita é que o jovem tenha quebrado uma vértebra, mas seu estado de saúde não foi informado.

Sindicato
Em nota, o Sindicato da Saúde Campinas e Região (Sindsaúde) informou que são mantidos cerca de 200 funcionários para atendimento de urgência e emergência e que não faltou atendimento. “Neste caso, se houve falha, ela deve ser explicada pela diretoria clínica e pela administração da Santa Casa de Leme”, dizia um trecho da nota.

Sobre o caso do rapaz acidentado, o sindicato informou que ele foi encaminhado diretamente para o hospital da Unimed, em Araras, e não chegou a ser levado para a Santa Casa de Leme.

 

Fonte: G1

+ sobre o tema

53,5% dos negros brasileiros já estão na classe média

Pesquisa do economista da FGV Marcelo Neri também mostra...

Conferência Nacional de Saúde – Mobilização alcança 75% dos municípios brasileiros

Em 2011, a Conferência Nacional Saúde reforça conquistas ao...

Casamento no Candomblé ao som de tambores africanos

POR ELI ANTONELLI Casamentos nos espaços sagrados das...

Em livro, pesquisadores desmistificam suposta ausência de negros na Amazônia

por Monica Prestes Obra produzida por 13 pesquisadores relata...

para lembrar

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da...

Sônia Nascimento – Vice Presidenta

[email protected] Sônia Nascimento é advogada, fundadora, de Geledés- Instituto da...

Suelaine Carneiro – Coordenadora de Educação e Pesquisa

Suelaine Carneiro [email protected] A área de Educação e Pesquisa de Geledés...

Sueli Carneiro – Coordenadora de Difusão e Gestão da Memória Institucional

Sueli Carneiro - Coordenação Executiva [email protected] Filósofa, doutora em Educação pela Universidade...
spot_imgspot_img

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...

Caixa lança edital de concurso com 3,2 mil vagas para técnicos

A Caixa Econômica Federal publicou nesta quinta-feira (22), no Diário Oficial da União, o edital do concurso público para o preenchimento de 1,6 mil vagas para...
-+=