Fenaj repudia programa Brasil Urgente por humilhar negro

Desde o começo desta semana, o vídeo da “entrevista” feita pela “jornalista” Mirella Cunha, em que ela escracha um jovem negro acusado de ter assaltado e estuprado uma mulher na Bahia, vem repercutindo negativamente na internet, na imprensa alternativa e em blogs. Nesta quarta-feira (23), a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) divulgou uma nota de repúdio à produção e exibição do conteúdo.

A Federação enfatiza que “estes programas ferem os princípios e a ética do Jornalismo e configuram abuso das liberdades de expressão e de imprensa, por violarem os direitos constitucionais da cidadania”.

Nesta quarta-feira (23), o Núcleo Criminal do Ministério Público Federal na Bahia entrou com uma representação junto à Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão para que sejam adotadas as medidas cabíveis contra a repórter.

Veja a íntegra da nota:

A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) torna público seu veemente repúdio à produção e exibição, no programa “Brasil Urgente”, da TV Band Bahia, de entrevista que expõe à humilhação um jovem negro detido pela polícia, acusado de assalto e estupro. Programas policialescos, irresponsáveis e sensacionalistas não podem ser tolerados pela sociedade por se travestirem de produções jornalísticas. Na verdade, estes programas ferem os princípios e a ética do Jornalismo e configuram abuso das liberdades de expressão e de imprensa, por violarem os direitos constitucionais da cidadania.

A entrevista “Chororô na Delegacia: acusado de estupro alega inocência”, veiculada no programa “Brasil Urgente”, foi feita por Mirella Cunha, que não é jornalista profissional, na 12ª Delegacia de Itapoã. As atitudes da entrevistadora, que em nada segue a técnica e a ética jornalísticas, deixam evidente a intenção de constranger e humilhar o jovem detido. Diante da sua alegação de inocência da acusação de estupro e de sua disposição de submeter-se a exame pericial para comprová-lo, a entrevistadora debocha do jovem por ele não saber o nome do exame que poderia ser feito para comprovar sua inocência e dá gargalhadas.

A entrevista ganhou repercussão nacional pelo YouTube, onde foi postada sob o título “Acusado de estupro quer fazer exame de próstata”. A Band, diante da repercussão negativa na rede mundial de computadores, divulgou nota em que anuncia que “a postura da repórter fere o código de ética do jornalismo da emissora”. Informações extraoficiais dão conta de que ela foi demitida.

A Fenaj defende, quando couber, a aplicação de medidas disciplinares aos profissionais do Jornalismo. Entretanto, a Federação dos Jornalistas alerta a sociedade brasileira para a necessidade de responsabilização das empresas da mídia, que definem os formatos de seus programas e os impõem aos profissionais e ao público.

Infelizmente, o caso em voga, registrado na Bahia, não se esgota em si. Práticas semelhantes ocorrem cotidianamente na produção pseudojornalística da grande imprensa – principalmente em programas popularescos de cobertura policial transmitidos em rádios e TVs –, ferindo a dignidade humana.

Diante de tamanho desrespeito aos direitos humanos e transgressão aos princípios do Jornalismo e à ética jornalística, cometidos não só pelos profissionais que se sujeitam a tais práticas, como também pelas empresas que as promovem e pelos agentes do Estado que cometem abuso de poder, a Fenaj reivindica do governo da Bahia a apuração dos fatos e das responsabilidades, no âmbito dos órgãos de segurança pública, e do Conselho Estadual de Comunicação medidas para coibir práticas semelhantes, acionando, no que couber, o Ministério Público Estadual e os poderes constituídos.

Da Redação do Vermelho,

Vanessa Silva

 

 

 

Fonte: Vermellho

+ sobre o tema

Técnicos da Funai dizem que assassinato de garoto indígena não passa de boatos infundados

por Alex Rodrigues Técnicos da Coordenação Regional da Fundação...

OPAS: ‘Mais Médicos’ no Oiapoque resgata saber tradicional de tribo indígena

O cubano Javier Lopez Salazar, do Programa Mais Médicos,...

Fiocruz recomenda vacinação contra a Covid para crianças a partir de cinco anos

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgou nesta terça-feira (28) uma nota...

para lembrar

Mulheres negras têm salário menor e menos acesso ao mercado de trabalho

A discriminação com a mulher negra no mercado de...

Greenwald critica monopólio da mídia e lança Intercept em português

Jornalista norte-americano, que denunciou recentemente a fraude da pesquisa...

Relatoria Nacional para o Direito Humano à Educação

A Relatoria Nacional do Direito Humano à Educação é...
spot_imgspot_img

Desenrola para MEI e micro e pequenas empresas começa nesta segunda

Os bancos começam a oferecer, a partir desta segunda-feira (13), uma alternativa para renegociação de dívidas bancárias de Microempreendedores Individuais (MEI) e micro e...

“Geledés é uma entidade comprometida com a transformação social”, diz embaixador do Brasil no Quênia

Em parceria com a Embaixada do Brasil no Quênia, Geledés - Instituto da Mulher Negra promoveu nesta sexta-feira 10, o evento “Emancipação Econômica da...

Caso Sônia é desastroso para combater trabalho escravo, alerta auditor

A história de Sônia Maria de Jesus, de 50 anos – que foi resgatada em uma operação contra o trabalho análogo à escravidão da...
-+=