‘Foi um tapa na cara das pessoas do meu país’, diz ativista da Guiné Equatorial sobre desfile de Beija-Flor

Após toda a polêmica em torno do desfile da campeã Beija-Flor, que teria recebido um patrocínio de R$ 10 milhões do governo ditatorial da Guiné Equatorial, o ativista guinéu-equatoriano Tutu Alicante falou ao site Conectas que considerou a homenagem ao seu país “humilhante”:

No Brasil Post 

“Foi horrível, humilhante, um tapa na cara das pessoas do meu país. Não tenho nada contra os brasileiros dançarem ou se divertirem, mas fazer isso com o dinheiro de gente pobre, que não tem educação, saúde e nem liberdade para reclamar desta falta não é certo. E pior, passa a imagem de que vai tudo bem no país, quando não vai.”

Alicante, que é diretor-executivo da EG Justice, entidade que promove os direitos humanos na Guiné Equatorial, explicou que as duas condições para que o país integrasse a CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) não vêm sendo cumpridas. São elas o fim da pena de morte e uma maior integração da sociedade civil do país nas atividades da entidade.

“Se, por exemplo, você pede permissão para realizar um pequeno e pacífico protesto, nunca consegue e, caso resolva ir em frente, pode ser detido. Os ativistas lá não podem usar a internet livremente porque ela é censurada e o acesso, limitado. Restam então mensagens de texto e ligações telefônicas. Quanto à moratória na pena de morte, isso não aconteceu. Nenhum projeto foi sequer apresentado e execuções extraoficiais continuam ocorrendo.”

O Brasil foi um dos países que apoiou a entrada da Guiné Equatorial na CPLP. Para Alicante, é importante agora que o mundo saiba o que acontece dentro do país comandado pelo ditador Teodoro Obiang, que está há mais de três décadas no poder.

“Não tenho esperanças que a Beija-Flor desista do prêmio conquistado, mas espero que os brasileiros prefiram ficar ao lado do povo do meu país do que de seu governo corrupto e opressor.”

Telhado de vidro

Em entrevista à Rádio Gaúcha, de Porto Alegre, o Neguinho da Beija-Flor, intérprete da escola de samba afirmou que o dinheiro sujo já organiza, há anos, o Carnaval do Rio de Janeiro.

“Se não fosse a contravenção meter a mão no bolso, organizar, estaríamos ainda naquele negócio de arquibancada caindo, desfile terminando duas horas da tarde, cada escola desfilando duas, três horas e a hora que quer. E a coisa se organizou”, afirmou. Em seguida, falou em tom irônico:

“Se hoje temos o maior espetáculo audiovisual do planeta, agradeça à contravenção.”

Sobre o fato de que a Beija-Flor teria recebido um patrocínio de R$ 10 milhões do governo do ditador Teodoro Obiang, Neguinho declarou não ter conhecimento, mas disparou: “Deixa falar. Deu mídia. Deixa falar”. E emendou: “A Portela também teve um patrocínio muito forte. O governador do Rio de Janeiro, o Pezão, queria que a Portela ganhasse. Vai dizer que ele não fez investimento? O prefeito é portelense doente. Vai dizer que não colocaram dinheiro na Portela?”.

+ sobre o tema

Plano Safra é relevante para combater inflação

É de pobreza franciscana o debate macroeconômico brasileiro, restrito,...

‘Ela terá a correção necessária’, diz Benedita da Silva após Carla Zambelli a chamar de ‘Chica da Silva’

A deputada Benedita da Silva (PT-SP) disse que vai notificar judicialmente...

AGU e Ministério da Igualdade Racial realizam aula inaugural do programa Esperança Garcia

A Advocacia-Geral da União (AGU), em parceria com o...

Operação resgata 12 pessoas em condições análogas à escravidão

A Polícia Federal (PF), em parceria com o Ministério...

para lembrar

Nas escadarias da laicidade

O Plano de Proteção à Liberdade Religiosa empacou. Outra...

Dilma condena uso generalizado da força na ONU

No discurso de abertura da 69ª Assembleia Geral das...

Cinco milhõesalunos voltam às aulas no dia 18 de fevereiro

Até lá, escolas se preparam para receber estudantes ...

50 livros que os bebês devem conhecer antes de deixar as fraldas e as chupetas

No bate-papo realizado em 01 de outubro, conversamos com Ana...

‘Como você atira sabendo que está ao redor de uma escola?’, diz representante da ONU no Rio; veja entrevista

Pela primeira vez no Brasil, a representante especial do secretário-geral das Nações Unidas sobre a Violência contra Crianças, a marroquina Najat Maalla M’jid, se...

A saga de uma Nobel de Economia pelo ‘Pix do desastre climático’

Mesmo com seu Nobel de Economia conquistado em 2019, Esther Duflo diz que vinha pregando no deserto havia dois anos sobre sua mais recente...

Vitória da extrema direita na França afetará guerras, Mercosul e clima

Uma vitória da extrema direita ameaça gerar um profundo impacto na política externa da França --a segunda maior economia da Europa-- com repercussão na...
-+=