Fux dá indicativo de voto pela criminalização da homofobia como racismo

4 dos 11 ministros já declararam voto em favor dessa tipificação do crime

por Catia Seabra no Folha de São Paulo

O ministro Luiz Fux em sessão plenária do STF – Pedro Ladeira:Folhapress

O ministro Luiz Fux, do STF (Supremo Tribunal Federal), deu nesta sexta-feira (29) mostras de que deverá votar pelo enquadramento da homofobia como crime de racismo, tema em pauta na corte.

No Tribunal, 4 dos 11 ministros já declararam voto em favor da tipificação da homofobia como crime de racismo. Mantida essa tendência, Fux será o quinto a endossar a criminalização dos atos contra homossexuais nos moldes da Lei contra o Racismo.

Na manhã desta sexta-feira, Fux não só chamou de memorável o voto do decano (Celso de Mello) pela criminalização, como também lembrou que o STF estabelece que o racismo é atentado contra a raça humana, seja muçulmano, judeu, católico ou adepto a religião de matriz africana.

“O Suprremo Tribunal Federal entendeu que é, sim, racismo praticar as condutas previstas na Lei de Racismo contra homossexuais, lésbicas, transexuais, o grupo GLT”, disse o ministro.

Na palestra organizada pela Amaerj (Associação de Magistrados do Rio), Fux acrescentou: “Já imaginaram se tivesse uma placa aqui dizendo o seguinte: ‘os integrantes da comunidade GLT estão proibidos de ingressar nessas palestra’? Isso é racismo, é claro que é racismo”.

Na palestra, Fux repetiu um exemplo dado por ele mesmo no plenário do STF. “Se uma pessoa dessa comunidade [LGBT] é morta comprando drogas em um tribunal do tráfico desses que tem aí, se um integrante dessa comunidade é assassinado consumindo drogas, isso não é racismo. Agora, se essa pessoa é morta porque pertence a essa comunidade, isso é racismo, sim”.

O ministro lembrou que parlamentares apresentaram pedido de impeachment dos ministros que votaram pela criminalização. Voltando-se ao ex-ministro Bernardo Cabral, presente à solenidade, Fux comentou: “Bernardo, qual é a diferença disso para a ditadura? Já imaginou sofrer um impeachment porque votei no sentido que é racismo isso? É delito de opinião do mesmo jeito”.

​Fux fez essas declarações ao lamentar a judicialização da política. Segundo ele, era “atribuição do Legislativo inserir as categorias passíveis de racismo”. “Não o fez, não vai fazer, porque hoje há um desacordo moral no Parlamento”.

Fux disse ainda que são submetidas ao Judiciário questões políticas, questões sociais, que, no estado democrático de direito, deveriam ser resolvidas pela Legislativo, criando um protagonismo maléfico para o Poder Judiciário. “Ou seja, a judicialização leva ao Judiciário problemas que são interna corporis, problemas que deveriam ser decididos pelo Parlamento, mas há um custo social, há um custo político”, disse.

+ sobre o tema

Garoto vítima de homofobia se suicida em Vitória; pais culpam escola do filho

No último dia 17 de fevereiro um garoto se...

“Nosso objetivo é a extinção da Justiça Militar”, diz ex-sargento homossexual discriminado

Fernando Alcântara e Laci Araújo, sargentos assumidamente gays, denunciaram...

STF julgará se Marco Feliciano será processado por homofobia

Procuradoria da União também acusa deputado de racismo A Procuradoria...

Casais homoafetivos viram ‘pães’ no Dia dos Pais

De acordo com o IBGE, 16% das famílias brasileiras...

para lembrar

“Com a criminalização da homofobia, muitos crimes não ficarão impunes”, diz MV Bill

O cantor carioca de rap, MV Bill, 35, surpreendeu...

Seria histórico ver um país desclassificado da Copa por racismo da torcida

por Leonardo Sakamoto Seria fabuloso se alguma seleção perdesse os...

Vereador do PSB sugere segregar gays em uma ilha

Sérgio Nogueira (PSB), vereador de Dourados (MS), afirmou que os...

John Smid ex-líder de grupo que defende a “cura gay” se casa com um homem

O americano John Smid, que liderou durante 18 anos...
spot_imgspot_img

PM que agrediu mulher no Metrô disse que ela tinha de apanhar como homem, afirma advogada

A operadora de telemarketing Tauane de Mello Queiroz, 26, que foi agredida por um policial militar com um tapa no rosto na estação da Luz do Metrô de São...

Comitê irá monitorar políticas contra violências a pessoas LGBTQIA+

O Brasil tem, a partir desta sexta-feira (5), um Comitê de Monitoramento da Estratégia Nacional de Enfrentamento à Violência contra Pessoas LGBTQIA+, sigla para...

Homofobia em padaria: Polícia investiga preconceito ocorrido no centro de São Paulo

Nas redes sociais, viralizou um vídeo que registra uma confusão em uma padaria, no centro de São Paulo. Uma mulher grita ofensas homofóbicas e...
-+=