Ilê Aiyê está de luto pela morte de mãe Hilda Jitolu

Enviado por / FonteMatéria original

Faleceu neste sábado, 19, às 10h30, a ialorixá Hilda dos Santos, 86 anos, mais conhecida como mãe Hilda Jitolu e líder espiritual do grupo cultural Ilê Aiyê. Mãe Hilda estava internada desde o último dia 7, no Hospital Unimed, localizado em Lauro de Freitas. O velório está sendo realizado no Ilê Axé Jitolu, na Rua do Curuzu, onde estão reunidos parentes e amigos.

“Ela estava com problemas cardíacos e também contraiu uma pneumonia”, disse Antônio Carlos dos Santos, mais conhecido como Vovô do Ilê, presidente da instituição e filho biológico de mãe Hilda.

O sepultamento será neste domingo, 20, no Jardim da Saudade, em horário ainda a ser definido. Mãe Hilda comandava o terreiro Ilê Axé Jitolu, sediado na Rua do Curuzu, Liberdade, onde morava desde 1938.

Foi no terreiro que aconteceram as primeiras reuniões que deram origem ao Ilê Aiyê. O bloco desfilou pela primeira vez em 1975 e tornou-se uma das mais fortes referências na luta de combate ao racismo. O Movimento Negro Unificado (MNU) só surgiria três anos depois.

Com o lema “negro é lindo” o Ilê iniciou um processo de estímulo ao resgate da autoestima da população negra privilegiando a música, as roupas coloridas, dentre outros signos estéticos de origem afro-brasileira.

Era mãe Hilda quem comandava a cerimônia religiosa que antecede o desfile do Ilê Aiyê no sábado de Carnaval.  Da sacada de sua casa, ela presidia um rito que pedia licença, principalmente, a Obaluaê, divindade que governa a saúde e à qual era consagrada, além de Oxalá, que é o protetor do seu filho Vovô. A cerimônia terminava com a soltura de pombos brancos por todos os diretores do Ilê Aiyê e pela rainha da beleza do ano, a Deusa de Ébano.

Liderança – Além do Carnaval,  sempre sob a inspiração de mãe Hilda, como faz questão de frisar Vovô, o Ilê passou a realizar diversos projetos sociais. Dentre eles se destaca a Escola Mãe Hilda, que oferece não só  educação formal, mas também oficinas artísticas e formação em cidadania.
Está marcada para amanhã, o início da Semana da Mãe Preta, uma série de atividades educativas e culturais que o Ilê Aiyê realiza em homenagem a mãe Hilda todos os anos.

A instituição ainda não informou oficialmente se as atividades serão canceladas, mas diretores apontam que dificilmente os eventos serão mantidos.

 

+ sobre o tema

Morre o ativista Ivan Rodrigues Costa

O Centro de Cultura Negra do Maranhão (CCN/MA), a...

Nossa Gente, Axé! Adeus prematuro a Isabel Cristina Santos Machado

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL - SEÇÃO DO ESTADO...

Luiza Bairros Vive!

Dia 12 de julho, completa 1 ano que Luiza...

Morre em Salvador a líder religiosa Makota Valdina

A educadora, líder religiosa e militante da causa negra,...

para lembrar

Aos 105 anos, morre a integrante mais velha da Irmandade da Boa Morte

Aos 105 anos, morre a integrante mais velha da...

Movimento Negro perde Maurília Queiroga

Especialista em Bioética e em Políticas Públicas, Maurília Queiroga,...

Morre Tereza Santos (1930 – 2012) Guerreira da Cultura Negra

Tereza Santos é uma mulher negra, nascida no Rio...

Movimento negro perde Oraida Abreu

Faleceu na tarde desta terça-feira (14/01) em Goiânia, vítima...
spot_imgspot_img

Movimento negro perde Oraida Abreu

Faleceu na tarde desta terça-feira (14/01) em Goiânia, vítima de câncer, a psicóloga e militante do movimento negro, Oraida Abreu, ex-dirigente da Fundação Palmares...

SEMDH comunica o falecimento de Maria do Céu Ferreira da Silva

Liderança quilombola faleceu no domingo – 6 de outubro – em decorrência de queimaduras no corpo A Secretaria de Estado da Mulher e da Diversidade...

Multidão se despede de Augusto Omulú

“O negro segura a cabeça com a mão e chora, e chora sentindo a falta do rei...”. Os versos da canção “Brilho de Beleza”,...
-+=