Imprensa escocesa demora a despertar para caso de racismo

Tradução: Fernanda Lizardo, edição de Leticia Nunes. Informações de Roy Greenslade [“At last, some of Scotland’s mainstream media report racism story”, The Guardian, 10/1/14] e de Billy Paterson [“TV comic Limmy’s brother jailed for six months for bigoted podcast vendetta against young female writer”, Daily Record, 10/1/14]

A imprensa escocesa demorou para cobrir um caso de racismo sofrido por uma jornalista de Glasgow. Angela Haggerty recebeu uma série de mensagens abusivas em sua conta no Twitter depois que David Limond, que faz podcasts não-oficiais na internet para apoiar o time de futebol local Rangers, fez uma transmissão online cheia de insultos a ela. Na gravação de setembro de 2012, Limond se referiu à jornalista como “Taig” – termo pejorativo utilizado na Escócia para descrever o povo irlandês ou aqueles com herança irlandesa – e incentivou os ouvintes a “atacarem-na com todas as suas forças”.

Angela, que trabalha para a revista The Drum, de marketing e mídia, recebeu 50 mensagens de ódio no Twitter. A jornalista de 27 anos havia editado um controverso livro sobre a crise financeira que atingiu o Rangers.

No início de dezembro, Limond foi condenado a seis meses de prisão por “envio de comunicado ameaçador, agravado por preconceito racial e religioso”, mas só na semana passada, quando ele foi para a cadeia, jornais e emissoras de rádio e TV deram destaque ao caso.

Acúmulo de abusos

O jornal escocês Daily Record noticiou a prisão de Limond, embora o ângulo abordado sugira que a notícia só tenha sido veiculada porque o condenado é irmão de Brian Limond, comediante amplamente conhecido na Escócia por um programa exibido na BBC. Dito isto, o longo artigo publicado na página nove é abrangente e explica os antecedentes do caso.

Por outro lado, a edição escocesa do jornal The Sun não publicou o fato em edições anteriores, dedicando apenas recentemente uns poucos parágrafos no pé da página sete. O Herald fez menção ao caso na primeira página, além de uma reportagem mais completa na página três.

Embora a BBC Scotland e a STV News tenham publicado artigos curtos em seus respectivos sites, falharam ao não reportar o caso em seus boletins de radiodifusão.

Apesar da condenação por abuso racista anti-irlandês, Limond recebeu apoio no Twitter, onde usuários publicaram posts com a hashtag #freelimmy (“libertem Limmy”, em tradução livre). A conta do time dos Rangers no Twitter continua a acumular abusos contra Angela – são citados termos como “escória católica” e “Fenians estúpidos” (“Fenians” é um termo pejorativo utilizado para se referir aos católicos da Irlanda do Norte).

Fonte: Observatório da Imprensa

+ sobre o tema

SP:áreas valorizadas são as que mais têm incêndios de favelas

Dos últimos incêndios que ocorreram neste ano na...

10 estratégias de manipulação da mídia – Noam Chomsky

As grandes estratégias da manipulação midiáta por Noam Chomsky 1...

Mulheres negras presidem pela primeira vez Comissões de Direitos Humanos em três Estados no Brasil

A deputada estadual Leninha (PT-MG), Renata Souza (PSOL-RJ) e...

para lembrar

Concurso Público – de 29/05 a 05/06

Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de...

Internet matará a televisão, diz criador do site YouTube

Fonte: Folha de São Paulo   Não é o YouTube...

Mais de 2 mil pessoas são presas em operação da Polícia Civil

Balanço da Operação Gênese foi feito nesta quinta (29).Participaram...

Quanto a perseguição a Lula pesou no AVC de Dona Marisa Letícia? Por Nathali Macedo

Ler os comentários nas notícias dos grandes portais conservadores...
spot_imgspot_img

Evento do G20 debate intolerância às religiões de matriz africana

Apesar de o livre exercício de cultos religiosos e a liberdade de crença estarem garantidos pela Constituição brasileira, há um aumento relevante de ameaças...

Raça e gênero são abordados em documentos da Conferência de Bonn

A participação de Geledés - Instituto da Mulher Negra na Conferência de Bonn de 2024 (SB 60), que se encerrou na última quinta-feira 13,...

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...
-+=