Jô Soares é elogiado após tratar Thammy Miranda no gênero masculino

 

Thammy Miranda e Jô Soares

Jô Soares trata Thamy Miranda no masculino e recebe apoio de internautas. Na entrevista, o artista rebateu alguns comentários sobre ter escolhido ser transexual e revelou ter passado por um processo de exorcismo, incentivado pela mãe, para tentar se livrar da homossexualidade

no Pragmatismo Político

Thammy Miranda está passando pelo processo de transexualização e, em entrevista para o “Programa do Jô” da última sexta-feira (24), foi tratado pelo apresentador no gênero masculino o tempo inteiro.

“Não tem mais jeito [de tratar no feminino]. Você é um homenzinho. Já nasceu o homem”, afirmou o apresentador.

Imediatamente, alguns internautas manifestaram apoio a Jô, elogiaram a atitude dele e colocaram a entrevista entre os primeiros lugares do Trending Topics do Twitter, o ranking dos assuntos mais comentados do momento.

“Óbvio que chorei com o Jô se referindo a Thammy no masculino, como ela realmente se sente. Que homem exemplar e amável”, comentou Bruna Kirsten, que se esqueceu de modificar o gênero. “O cuidado de Jô ao tratar Thammy pelo gênero masculino é a coisa mais fofa que já vi na televisão ultimamente”, escreveu outro internauta.

No bate-papo, Thammy disse que entende que existe uma dificuldade em ser chamado no masculino e aguarda com paciência este momento.

“Por 33 anos eu fui filha, não deixo de ser e para meus pais não deixarei de ser. Até para as pessoas que me acompanharam desde sempre fica difícil falar ele, mas no processo de transexualização eu me tornei do sexo masculino. De qualquer forma eu entendo que as pessoas têm um período para se acostumar. Eu ia vir até de barbinha, mas não deixaram”, comentou o filho da cantora Gretchen.

Ele disse que, na época em que era mulher, era “bonita, infeliz e chata”, e contou que começou a descoberta de sua sexualidade com 16 anos.

“Primeiro me descobri homossexual e que queria me relacionar com mulher. Só que eu não me dava bem com meu corpo quando olhava no espelho, meu peito e minhas formas femininas me incomodavam. Parecia que eu olhava um travesti no espelho. Era estranho. Era um homem vendo uma imagem de uma mulher no espelho. Tirar meus seios foi como cortar um sexto dedo, algo que não pertencia ao meu corpo”, lembrou.

Thammy desabafou que sente uma grande dificuldade para usar banheiros públicos, já que não e aceito em nenhum dos dois gêneros.

“Aqui no Brasil não tem jeito e eu vou no feminino mesmo. Quando entro no masculino, sempre tem um cara que diz ‘e aí, Thammy, veio dar uma conferida aqui?’. Isso é normal. Já no feminino sempre tem uma tiazinha fica me olhando com cara diferente. Eu juro, mulheres, eu não vou lá para ficar olhando vocês e só quero fazer xixi. No meu livro eu vou falar o quão difícil é você ser transexual ou homossexual.”

O artista rebateu alguns comentários sobre ter escolhido ser transexual dizendo que “uma pessoa não escolher se ferrar na vida”. “Eu tinha tudo para ser a gostosinha, que ia seguir a carreira da minha mãe, tudo para eu ficar tranquilo”. Ele ainda lembrou que chegou a passar por um processo de exorcismo, incentivado pela mãe, para tentar se livrar da homossexualidade.

“Eu combinei com ela que iria, mas se não saísse nada [de mim] eu nunca mais iria. Ela concordou. Era uma vergonha enorme estar lá na frente e o pastor começou a me chacoalhar e dizer ‘qual seu nome, espírito?’ e eu respondi ‘brother, você está me cuspindo até agora e não sabe meu nome? Prazer, Thammy’. Juro por Deus que não estou inventando. Quando saí de lá, ele falou que eu tinha de vir mais sete sextas-feiras porque o espírito se esconde”, contou rindo.

leia também:  Sororidade seletiva: travestis, transexuais e os limites da categoria mulher 

+ sobre o tema

Mulheres contra o golpe e em apoio a Dilma

Depois de receber o apoio de sindicalistas, movimentos sociais,...

Camila Pitanga protagoniza viagem incrível à África do Sul

Camila Pitanga embarcou recentemente para uma experiência incrível. Junto...

Jarid Arraes: “Escrevo para honrar minha ancestralidade”

Em entrevista, a escritora caririense Jarid Arraes conta como...

para lembrar

Lembrando Luiza Bairros – 12 de Julho de 2016

Luiza Bairros nos deixou no 12 de julho 2016....

Minhas memórias culturais familiares nos retratos pintados

Eram costume das famílias remediadas do sertão os retratos...

“O exército libertador do Brasil era formado pelo povo pobre”

Ex-presidenta da Unegro Bahia e atuante no movimento negro...

ONGs e Defensoria vão à Justiça contra Faustão por declaração machista

Apresentador, mais de uma vez, já fez comentários machistas...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=