Jovem, talentoso e negro

Aspirações representam um mecanismo complementar para lidar com a pobreza e gerar mobilidade socioeconômica

O que é talento? Essa palavra, que se popularizou nas últimas décadas, ainda não tem uma definição consensual. Para alguns, talvez os mais arrogantes e egocêntricos, o melhor significado para o termo tende a ser aquilo que eles veem no espelho ou algo parecido.

Outros confundem talento com posição social. Esquecem a influência do dinheiro e de outros fatores nas trajetórias individuais. Ignoram que uma parcela daqueles que nasceram em famílias mais abastadas teve quase toda a sociedade trabalhando para eles, mas, ao mesmo tempo, isso gerou um desincentivo para que avançassem. Muitos se acomodaram e não desenvolveram todo o seu potencial.

Porém, talento é algo diferente. É aquilo que surge de uma combinação bem orquestrada das escolhas, do esforço individual e dos investimentos que cada um recebe da família e da sociedade. Isso faz com que desenvolvamos habilidades distintas, cujos retornos são não só individuais mas também coletivos.

O esforço e as escolhas estão associados às aspirações. Aspirações estas que são moldadas de acordo com nossas experiências e oportunidades. Aqueles que cresceram em ambientes mais estruturados desfrutam de maior liberdade para escolher o que almejar. Muitos destes possuem o privilégio de alcançar determinados objetivos empregando menor esforço.

No caso dos mais desfavorecidos, o cenário é diferente. Eles costumam ter suas pretensões de atingir um futuro promissor subtraídas. Para estes, determinadas trajetórias são tão distantes que muitos nem sequer sonharam com a possibilidade de tentar.

Isso é um problema. Para além da questão de justiça social, também há desdobramentos socioeconômicos relevantes. A marginalização de uma parcela da sociedade influencia diretamente as suas aspirações e, consequentemente, os resultados atingidos.

Estes, quando olham ao seu redor, geralmente, não têm em quem se espelhar. Quando olham para o futuro, independentemente do nível de dedicação, as possibilidades de avanço não geram entusiasmo. Tal fato abala as expectativas e pode acabar gerando uma profecia autorrealizável.

Entretanto, intervenções que afetem as aspirações representam um mecanismo complementar para lidar com a pobreza e gerar mobilidade socioeconômica. Conexões de pessoas de diferentes classes sociais e níveis educacionais, por exemplo, ajudam a melhorar o acesso às redes de contatos e ampliar o conhecimento. Isso afeta as perspectivas sociais não só dos mais pobres como também dos ricos.

As políticas voltadas para democratizar o acesso ao ensino superior representam um modelo nesse sentido. Além de gerar maior integração entre grupos que antes não dialogavam, elas também contribuem para a ascensão social de uma parcela esquecida da sociedade.

Milhares de jovens desfavorecidos ultrapassaram as mais variadas barreiras e estão virando modelos sociais para outros que se encontram em posições de desvantagens socioeconômicas. Além disso, também estão ajudando a quebrar diversos estereótipos enrustidos no nosso tecido social, enquanto pavimentam o caminho para que o progresso de outros seja menos custoso.

O texto é uma homenagem à música “To Be Young, Gifted And Black”, de Nina Simone e Weldon Irvine.

+ sobre o tema

Enquanto Queiroz e a mulher vão para domiciliar, jovem preso com 10 g de maconha morre na prisão de covid-19

Enquanto a Justiça soltava Queiroz e concedia prisão domiciliar...

Zero Hora, vamos falar de racismo?

O que leva um veículo de imprensa a divulgar...

Senado quer proibir discriminação nos estádios

Por: Mário Coelho Os senadores aprovaram um projeto de lei...

para lembrar

Imigrantes qualificados enfrentam discriminação no trabalho

Um estudo da Comissão Federal contra o Racismo...

“Não somos racistas”: faltou combinar com os russos…

O dia de Martin Luther King é comemorado...

Ex-delegado é condenado por preconceito contra muçulmana no Rio

Ex-policial ofendeu mulher por ela pertencer à região islâmica....
spot_imgspot_img

Mãe não é tudo igual

- Coloca um casaco, meu filho! - Na volta a gente compra, filha. É bem provável que muitos de nós já tenhamos ouvido alguns desses bordões...

Carta aos negacionistas: comprem um seguro de vida

Senhores negacionistas, Coube à nossa geração viver uma encruzilhada existencial: ou mudamos a forma de nos relacionar e habitar o planeta, ou simplesmente esse planeta...

À espera da extinção da escravidão

Dia 13 de maio de 2024 completam-se 136 anos da assinatura da Lei 3.353/1888 pela então princesa imperial regente. Para além do abandono dos negros...
-+=