Mãe de trans expulsa em escola rebate: ‘Garantir uma vaga não é suficiente. Ela precisa de direitos assegurados’

“A escola tem papel de formar o cidadão para respeitar o próximo, não somente garantir que eles ascendam profissionalmente. Só que isso não foi praticado.”

Por Ana Beatriz Rosa, do HuffPost Brasil

REPRODUÇÃO/FACEBOOK
Lara é trans e foi expulsa de escola em Fortaleza.

Em Fortaleza, a escola Educar Sesc de Ensino Fundamental garantiu a matrícula de Lara, aluna trans, para 2018. Mas, em um País que concentra 82% da evasão escolar de travestis e transgêneros, isso não é suficiente, defende a mãe da garota.

“Ela precisa de um ambiente acolhedor no dia a dia, que respeite todos os direitos dela, que promova ações educativas para que isso não aconteça com outras crianças, não só em relação a orientação sexual ou identidade de gênero, mas também em relação a raça, deficiência ou qualquer tipo de discriminação”, desabafou Mara Beatriz em entrevista ao HuffPost Brasil.

“É papel das escolas entender que eles precisam respeitar as leis e acolher as pessoas, até porque ali é um ambiente educativo. Os educadores têm esse papel de formar o cidadão para lidar e respeitar o próximo, não somente garantir que eles ascendam profissionalmente. Só que isso não foi praticado.”

Na última terça (21), a instituição de ensino foi criticada por expulsar a aluna trans de 13 anos. O caso ganhou repercussão nas redes sociais, após Mara escrever uma nota de repúdio ao colégio.

O Sistema Fecomércio-CE, que mantém a escola, resolveu voltar atrás na decisão e publicou uma nota com pedido de desculpas à família.

“Lamentamos qualquer atitude fruto de preconceito ou desconhecimento”, explicou a instituição, que garantiu revisar os protocolos para que casos semelhantes não aconteçam novamente.

No post compartilhado no Facebook, a mãe conta que foi convidada para uma reunião na escola em que a filha estuda desde os dois anos. Ao HuffPost, ela disse que ficou feliz com o convite, pois achava que finalmente o centro de ensino iria tomar uma atitude frente aos constrangimentos diários que Lara passava.

A menina, por exemplo, era a única aluna da escola que não podia usar o banheiro dos alunos. Ela precisava usar um banheiro específico para os funcionários. Ainda, a instituição de ensino não respeitava o decreto que garante o direito do uso do nome social por transgêneros.

“Essa semana ela fez uma prova e veio com o nome antigo dela. Ela rasurou, porque esse não é o nome dela mais, ela não se sente representada por ele, então é uma coisa que causa sofrimento à ela”, compartilhou Mara.

Mara Beatriz afirma que sempre manteve um bom relacionamento com a escola, que garantia respeitar a diversidade, mas que o relacionamento foi se desgastando quando ela informou à instituição que a filha estava em período de transição.

“Fomos surpreendidos com a expulsão dela. Entendi que muitas vezes o silêncio que eu tive da escola já era um sinal de transfobia. Quando informei sobre a situação de Lara, sugeri que eles procurassem o centro de referência LGBT da cidade para uma sensibilização do corpo docente, mas eles não se interessaram”, explica a mãe.

O argumento para a expulsão, de acordo com ela, foi o fato de a escola não ter o “aparato necessário” para acolher Lara. Porém, a mãe da menina reforça que o que se precisa não são condições assessórias, mas a garantia de direitos.

“O preconceito aumenta a ignorância sobre a situação dos trans. A escola dela é Sesc, é um sistema grande, então eles tem acesso a informação. A gente entregou a portaria que descrevia todos os direitos dela, juntamente com uma cartilha que incentivava práticas de inclusão. Mas nada foi feito. É um caso de transfobia clara. Ela sempre foi boa aluna, nunca ficou de recuperação. Não havia motivo de expulsão e eles admitiram isso.”

Em depoimento ao HuffPost Brasil, Mara Beatriz compartilhou parte da trajetória de Lara e lembrou que a situação vivida pela filha é apenas um reflexo do Brasil que mata e violenta um LGBT a cada 25 horas.

A travessia de Lara

“Ela sempre foi uma criança muito retraída, muito fechada. A autoestima dela era muito baixa, ela não sorria em nenhuma foto. Lara dizia que era a criança mais feia da escola. Quando chegou os 12 anos começou os primeiros traços masculinos, a voz engrossar, os primeiros pelos, o gogó aumentar. Ela ficou preocupada demais. Hoje em dia ela entende que o que ela sentia era um desencaixe, que ela não se sentia confortável com um corpo masculino.”

O apoio da família

“Ela já tinha dito para a gente que gostava de meninos, então, a gente achava que ela era um garoto gay. O que mudou foi a questão da identidade de gênero, como ela se vê. No início desse ano ela começou a usar um lápis preto no olho, a pintar as unhas de preto, então ela parecia um menino gótico. Hoje, eu percebo que essa foi a maneira que ela encontrou de experimentar, de se conhecer.

Em um determinado dia de julho, eu cheguei do trabalho e ela estava com batom vermelho. Eu até brinquei e perguntei se ela ia sair. E ela disse que não, que tinha acabado de ir para a escola. Então eu pedi para ela me contar como foi que ela tinha ido para a escola de batom vermelho. Eu perguntei se ela gostava, se ela se sentia bem, ou se era uma brincadeira. Expliquei que não tinha problema ela gostar de coisas que normalmente a sociedade orienta como femininas. A gente conversou e ela me disse que estava só esperando a oportunidade para me dizer que ela realmente se sentia uma menina.”

O mundo é caótico e o lar é uma segurança

“Hoje ela é uma menina bem vaidosa, pediu para colocar mega hair porque as pessoas confundiam se ela era um menino ou menina. E isso aumentou muito a autoestima dela. Ela é muito mais confiante.

A família aceitou muito bem porque todo mundo sabe que ela é a mesma pessoa. É a criança que a gente educou, que é amorosa, carinhosa, responsável, inteligente, que valoriza os nossos preceitos morais. É a mesma criança, mas só mudou a forma como ela se apresenta.

Nós temos a noção que para os trans a vida é muito difícil lá fora. Em Fortaleza mesmo a gente vê diversos casos de violência e assassinato. Se lá fora vai ser difícil, dentro de casa a gente precisa ser a base, a segurança, onde a pessoa se desenvolve e é fortalecida. E a gente esperava da escola a mesma coisa.”

+ sobre o tema

Depois de uma vida na prisão e ser libertada, americana comete suicídio

História de Paula Cooper, condenada ainda adolescente, mostra os...

Por que os homens não se consideram machistas e os brancos não se consideram racistas?

Pesquisas mostram reconhecimento de racismo e machismo na sociedade,...

Oscar honorário: Euzhan Palcy se torna primeira diretora negra a ganhar estatueta

A diretora de cinema Euzhan Palcy terá a sua trajetória reconhecida...

Djamila Ribeiro: “A mãe que me permito ser”

Em seu segundo texto para a ELLE Brasil, a...

para lembrar

Luz e Sombra das Mulheres de Wakanda

“Okoye, a chefe das Dora Milaje, pode ser facilmente...

Violência contra pessoas trans aumentou 271% em 2020 no Distrito Federal

No Distrito Federal, entre janeiro e novembro de 2020,...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=