Mandela enfraquece enquanto família briga por seu legado

JOHANNESBURGO — “Sorria!”, pediu o visitante, com uma ponta de cordialidade forçada na voz, enquanto segurava o celular para tirar uma foto. Mas o rosto de Nelson Mandela, o líder de 94 anos da luta contra o apartheid, permaneceu impassível como uma pedra. O ex-presidente da África do Sul parecia confuso e irritado, como se seus olhos falhassem em reconhecer os líderes do partido Congresso Nacional Africano (CNA) que foram vê-lo no mês passado, embora Mandela já os conhecesse há décadas.

Essas imagens, captadas por uma equipe do governo e divulgadas em todo o país, foram as primeiras em mais de nove meses que mostram um enfraquecido Mandela, que foi internado no hospital quatro vezes em menos de um ano. Longe de encarar o encontro como uma homenagem, familiares do líder africano ficaram furiosos com a difusão das imagens. Reclamaram que os políticos invadiram a privacidade de Mandela e exploraram sua fragilidade para colher os benefícios políticos de posar ao lado dele.

– Fiquei realmente furiosa – disse Makawize Mandela, filha mais velha do ex-presidente, argumentando que as filmagens foram feitas contra a vontade da família. – Eles deveriam ter tido o bom senso de não publicar as fotos.

Enquanto Mandela desvanece, começa a ficar séria a luta para reivindicar seu legado, sua imagem e seu potencial de fazer dinheiro. A legenda governista do Congresso Nacional Africano, que Mandela liderou durante décadas, é acusada de usá-lo para lembrar os eleitores das raízes nobres do partido, no momento em que ele passa a encarar críticas de corrupção e de ser reduto de elites egoístas.

O principal partido opositor, a Aliança Democrática, também ficou sob fogo cruzado por usar uma foto de Mandela abraçando Helen Suzman, uma política de pele branca, pioneira na luta contra o apartheid e pertencente a um partido precursor da Aliança Democrática. O objetivo da difusão da imagem era dissipar a ideia de que a legenda seria dominada por pessoas brancas, ou que de alguma forma apoiaria o retorno da segregação racial. Mas o caso gerou críticas de que a oposição estaria tentando utilizar a imagem de Mandela para prejudicar seu próprio partido, o CNA.

Seus descendentes também envolveram-se numa disputa pública sobre o patrimônio financeiro do ex-presidente sul-africano. Descontentes com a ideia de que parte de seus fundos seja controlada por pessoas que consideram estranhas à família, como o amigo de Mandela George Bizos, os parentes recorreram à Justiça para tirar Bizos da administração de seus investimentos.

– Todo mundo quer um pouco da magia do Madiba – diz William Gumede, que tem escrito extensivamente sobre Mandela, em referência ao clã do ex-presidente. – Isso é só uma prévia do que acontecerá quando ele se for.

Mês passado, duas filhas de Mandela processaram Bizos e outros dois sócios de seu pai para forçá-los a deixar o comando de duas empresas que vendem pinturas com as marcas das mãos de Mandela, um dos muitos produtos que geram fundos para ele e seus herdeiros. A família do ex-presidente sul-africano é formada por três filhas de dois casamentos, 17 netos e 14 bisnetos.

A ação na Justiça alega que Bizos e outras duas pessoas foram nomeadas indevidamente para a função. O amigo de Mandela, um proeminente advogado de direitos humanos, parece descontente com o esforço para derrubá-lo. Ele defendeu Mandela contra as acusações de sabotagem e conspiração contra o Estado há 50 anos, e se tornou pessoa próxima ao ex-presidente sul-africano. O jornal “The Star” cita declarações de Bizos nas quais ele afirma que as filhas de Mandela “queriam colocar as mãos no dinheiro das empresas e em coisas que não deveriam ser vendidas”.

Num comunicado, os netos de Mandela rejeitam de maneira incisiva os esforços para pintar a família “como insensíveis fanáticos por dinheiro e sem respeito”. Eles acrescentam que a maioria dos parentes tem emprego remunerado e trabalham para companhias próprias.

Proteger a imagem de Mandela é uma tarefa onerosa. Seu rosto e seu nome estão por toda parte – na moeda da África do Sul, em camisas, relógios, estátuas e canções. Enquanto o líder nunca se negou a doar a imagem a causas apoiadas por ele, como direitos das crianças, pesquisas sobre Aids e esforços de paz, a Fundação Nelson Mandela gasta milhares de dólares por ano na luta contra produtos sobre o sul-africano comercializados sem autorização.

De certo modo, a imagem do líder sul-africano nunca pertenceu realmente a ele. Depois de sua condenação, em 1964, o homem desapareceu na África do Sul para dar lugar à sua imagem, de perfil ou com grades sobrepostas, tornando-se um ícone do CNA e da luta contra o apartheid. Estudantes de todo o mundo pregaram cartazes nas paredes de seus quartos como parte da campanha pela libertação de Mandela.

– Quando ele foi preso, o CNA decidiu que ele seria nosso herói – afirmou Sisonke Msimang, ativista que passou sua infância no exílio devido à importância de sua família no partido.

Nos últimos dias, Mandela tem pedido apenas para ficar ao lado da família, segundo conta sua filha. Makawize reclama que a família nunca o teve por perto, nem quando ele saiu da prisão.

– Esse é o único momento que temos para amá-lo. É a nossa vez. Acho que deveríamos aproveitar o tempo que lhe resta para desfrutar sua companhia.

 

 

+ sobre o tema

Negro é lindo: a música como resistência

Especialistas afirmam que composições que exaltam a cultura negra...

Show Review: Louis Vuitton Spring 2012 Menswear Collection

Kim Jones disse que a inspiração Africana que permeia...

Milton Nascimento grava com Jason Mraz

O cantor Jason Mraz, mais conhecido como autor da...

“Cresci sem ter um casal negro que me representasse”, diz Taís Araújo

Taís Araújo é uma das estrelas da série "Mister...

para lembrar

Lançamento – Livro infantil ilustrado ‘Trovinha das cores e amores’

Livraria Cultura do Conjunto Nacional recebe no próximo dia...

Anderson vê UFC Rio como embate seleção brasileira x resto do mundo

Lutador, Shogun Rua e Minotauro revelam ansiedade com o...

Cantor Emílio Santiago tem AVC e está na UTI

  O cantor Emílio Santiago está internado na CTI do...
spot_imgspot_img

Grávida, Iza conta que pretende ter filha via parto normal: ‘Vai acontecer na hora dela’

Iza tem experienciado e aproveitado todas as emoções como mamãe de primeira viagem. No segundo trimestre da gestação de Nala, fruto da relação com Yuri Lima, a...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...
-+=