Março por Marielle e Anderson

Enviado por / FontePor Anielle Franco, do ECOA

Estamos no primeiro dia deste mês onde revivemos com profundidade uma das datas mais tristes para minha família, e também, para a democracia deste país. Março, que para mim sempre foi marcado pela luta das mulheres em todo o mundo, a resistência e o reconhecimento de que nossos corpos são nossos e que nossa vida vale, desde o dia 14 de março de 2018 ganhou conotações também de luta por justiça. Marielle e Anderson foram retirados de nós brutalmente naquela noite trágica, e até hoje lutamos para que a justiça nos dê respostas sobre quem mandou matar e por quê.

Não há um dia sequer nestes mais de 1000 sem a Mari que eu não pense em onde ela estaria hoje, o que teria conquistado em sua vida política, o quanto ela estaria do meu lado no nascimento de minha filha mais nova, Eloah, como estaria dando mais orgulho para os meus pais e Luyara e seguiria com aquele sorriso largo e jeito de marrenta enfrentando todas as adversidades por todes nós. Ela era uma força da natureza, e continua sendo gigante. Desde aquele fatídico dia em 2018, nós, a família dela e de Anderson, ressignificamos nossos objetivos e prioridades de vida, a cada discurso, entrevista, ida aos órgãos públicos, a cada ato, homenagem e foto antiga, a cada semente plantada e inspirada pela trajetória dela sentíamos a presença e a necessidade de levar esse legado para frente.

E é isto que este março representa para nós: legado, memória, justiça e sementes. Neste mês teremos mais oportunidades de lutar e pedir justiça para Marielle e Anderson, de multiplicar e espalhar o legado, de defender sua memória e de regar milhares de sementes que multiplicam sua luta por todo o mundo. Teremos mais uma oportunidade de nos organizarmos em torno do símbolo que minha irmã se tornou: esperança e luta.

Diante da pandemia que tirou milhares de vidas nesse país, da desigualdade que cresce e nos assola, do projeto genocida em curso pelo governo federal, é disso que precisamos para tentar seguir, precisamos da esperança e luta que Mari tanto pregava. E é por isso que nosso Instituto, fundado pela família em 2018 e que desde o ano passado vem produzindo ações no Brasil em defesa da população negra, LGBTQIA+ e favelada, pretende fazer neste março de 2021.

Sabendo das limitações de circulação por conta da covid-19, iremos produzir uma agenda de ações colaborativa #MarçoPorMarielleEAnderson. Serão ações nas redes, lives, vídeos, as pessoas poderão colorir sua rua ou colocar a placa da Mari na sua janela, divulgaremos as homenagens e qualquer um pode cadastrar sua ação no site: institutomariellefranco.org/3-anos. Além disso, continuaremos pressionando as autoridades públicas sobre as investigações, pediremos justiça por ela e por Anderson, e também seguiremos avançando no enfrentamento a violência política no país, para que ninguém mais tenha que passar o que minha família vem vivendo desde 2018.

Vamos juntes transformar esse mês em um março por Marielle e Anderson!

Divulgação
Por Anielle Franco, do ECOA

+ sobre o tema

Projeto ‘Matriarcas’ retrata o universo de mulheres ligadas às culturas populares

A documentarista visual Fabiana Ribeiro assina o projeto Matriarcas...

Maria Júlia Coutinho será a primeira mulher negra a apresentar o Jornal Nacional

Jornalista entra para o rodízio de apresentadores do noticiários...

Trote: “Cheguei em casa me sentindo um lixo”

Uma ex-aluna da Universidade Federal de São Carlos relata...

para lembrar

5 cenários onde mulheres ainda sofrem com a desigualdade de gênero

Mercado de trabalho, política e educação são alguns exemplos...

“Entrei de cabeça na tristeza e lá fiquei por uns dois anos”, diz Taís Araújo sobre seu papel como Helena

Traumas, superação, racismo, aceitação: a atriz, estrela da capa...

Ser enterrada como homem é história que se repete entre as transexuais

Jennifer Gable teve os cabelos cortados, foi enterrada de...

Mulheres negras, deficiência e invisibilidade – Por: Jarid Arraes

Cerca de 40% das mulheres com deficiência já sofreram...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=