Ministra Luiza Bairros afirma que Prêmio Abdias Nascimento vai mostrar o tipo de jornalismo que a sociedade deseja

“De tudo o que nós fizemos nessa área, de promoção da igualdade racial, me parece que na comunicação – o jornalismo, especificamente, é um dos obstáculos mais difíceis de serem superados”, afirmou a ministra da Igualdade Racial, Luiza Bairros, sobre o Prêmio Jornalista Abdias Nascimento, lançado no último dia 10, no Rio de Janeiro. Para ela, a iniciativa vai mostrar qual é o jornalismo que sociedade brasileira deseja. “Essa iniciativa é de maior importância porque abre espaço para os bons exemplos e torna evidente qual é o tipo de jornalismo que nós queremos”, declarou, oferecendo o apoio a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) ao projeto.

Com sete categorias (mídia impressa, televisão, rádio, fotografia, internet, mídia alternativa ou comunitária e especial de gênero), o Prêmio Nacional Jornalista Abdias Nascimento foi criado para estimular a realização de reportagens sobre temas relacionados à população negra no Brasil. Os vencedores de cada categoria receberão R$ 5 mil. O prêmio homenageia o ativista e ícone da luta pela igualdade racial no país, o ex-senador da República Abdias Nascimento, hoje com 97 anos.

Para Elisa Larkin Nascimento, coordenadora do Instituto de Pesquisas e Estudos Afrobrasileiros (Ipeafro) e esposa de Abdias, o prêmio é uma das mais importantes homenagens feitas ao ex-senador. “O prêmio não se encerra numa estátua, numa medalha ou num evento. Mas sim abre novas oportunidades, espaços públicos de debates sobre essa questão racial, que é vital para a construção de uma verdadeira democracia, de uma verdadeira sociedade igualitária brasileira”, disse.

Equilíbrio

A representante da Fundação Ford no Brasil, Ana Toni, acredita que a iniciativa é estratégica porque associa o tema da liberdade de expressão à questão racial. “Pesquisas recentes revelaram que a imprensa brasileira adotou uma postura parcial em relação às ações afirmativas. O Prêmio Abdias Nascimento é uma oportunidade de estimular novas visões sobre essa e outras temáticas”, afirmou.

Outra que aposta na promoção da diversidade e no combate à invisibilidade no negro na mídia é a jornalista Mirian Leitão. “Existe uma tentativa da sociedade brasileira, da elite, de não ver os negros. É não ver fisicamente, não contar como foi a história, não abrir espaço e não reconhecer a sua existência”, disse a jornalista. O professor Muniz Sodré, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), reforça a importância deste combate. “A nossa imprensa é atravessada pelo imaginário patrimonialista no tocante à desigualdade antropológica do cidadão de cor escura”, afirmou Sodré.

Lançado no Ano Internacional dos Afrodescendentes, conforme declarou a Organização das Nações Unidas (ONU), o Prêmio Jornalista Abdias Nascimento é uma iniciativa da Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial (Cojira-Rio), vinculada ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro (SJPMRJ). O projeto tem o apoio da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e do Centro de Informações das Nações Unidas no Brasil (UNIC). O patrocínio é da Fundação Ford. As inscrições estão abertas. Informações no site: www.premioabdiasnascimento.org.br .

 

 

Fonte: Lista Racial

+ sobre o tema

A Carta e o SUS

Há problemas, mas nenhum país de mais de 100...

Fórum da ONU em Genebra discute desenvolvimento econômico dos negros

No terceiro dia do 3º Fórum Permanente de Pessoas...

Entrega da Carta no gabinete da deputada federal Adriana Accorsi – PT/GO

Geledés - Instituto da Mulher Negra assinou a carta...

O Brasil tem metade dos médicos que precisa

Conheça o retrato dramático da saúde pública no Brasil...

para lembrar

Fundo Brasil vai doar mais de R$ 1 milhão a projetos de direitos humanos

Propostas serão recebidas até fevereiro e vão passar por...

Elza Soares é vacinada no Rio: ‘Coração cheio de esperanças’

A cantora Elza Soares, de 90 anos, foi vacinada...

RedeTV! faz história ao escalar primeira dupla negra à frente de telejornal

Pela primeira vez na história um telejornal foi ancorado por...

Entidades responsabilizam Estado Brasileiro por política de extermínio

Por: Patrícia Benvenuti e Tatiana Merlino Julgamento não-oficial...
spot_imgspot_img

Câncer de pênis: Brasil é considerado o país com maior número de casos do mundo; veja os 6 sinais mais comuns da doença

O Brasil é considerado o país com maior incidência de câncer de pênis no mundo, em especial nas regiões Norte e Nordeste. Este tumor representa...

Geledés participa da 54ª Assembleia Geral da OEA

Com o tema “Integração e Segurança para o Desenvolvimento Sustentável da Região”, aconteceu entre os dias 26 a 28 de junho, em Assunção, Paraguai,...

Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos abre inscrições para sua 46ª edição

As inscrições para a 46ª edição do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos estão abertas de 20 de junho a 20...
-+=