Monteiro Lobato: Cuidados pedagógicos – Por: ANA PAULA BRANDÃO e HELOÍSA PIRES LIMA

A recente polêmica em torno de Monteiro Lobato acabou por destacar as bibliotecas do país. Afinal, o que os brasileirinhos escolhem para ler? Se a seleção espontânea fica à mercê de estratégias dirigidas ao potencial consumidor da tenra idade, resta notar, então, o espaço para um educador intervir. Afinal, a literatura é expressão das sociedades e cabe à criatividade deste encontrar modos de propiciar vivências, transmitir valores e princípios na mediação estabelecida com os pequenos.

O conteúdo de uma obra pode agir como um comentário sutil a chamar a atenção da gurizada para um ou outro detalhe do mundo a apreender. Já o tema racismo, em debate no caso, leva a reparar o lugar no qual as figurinhas negras são posicionadas nas cenas que recriam realidades. As Nastácias do Lobato circulam, por décadas, em inúmeras abordagens visuais. Todas, no entanto, reiteram as mensagens próximas ao contexto da escravidão. Fica óbvio o encurtamento para o leitor identificar na personagem as possibilidades da população que ela representa. Bitola, aliás, redimensionada para além das letras. Na perspectiva do setor editorial, a ampliação do repertório com figuras negras foi lenta tanto quanto a presença de escritores negros a garantir o ponto de vista existencial na criação. Todavia, iniciativas como o projeto A Cor da Cultura (www.acordacultura.org.br) constituem intervenções sensíveis a essas demandas.

Fruto de uma parceria entre Canal Futura, MEC, Seppir, Cidan, Petrobras, TV Globo e Fundação Cultural Palmares, o projeto produz, entre outros, programas como o “Livros Animados”. No programa, a apresentadora Vanessa Walborn, rodeada por um grupo de crianças assíduas nos episódios, lê livros infantis enquanto as ilustrações da própria obra surgem animadas na tela. Os critérios na seleção dessa biblioteca, que vira, por sua vez, uma videoteca, vão desde características mais técnicas, como o tamanho e a quantidade de imagens, até a busca por repertórios que remetam de um modo afirmativo à História e Cultura Afro-Brasileira e Africana.

O cuidado pedagógico voltado para um público na faixa etária de 5 a 10 anos amplia a densidade humana nessa referência e a chance para essa geração ressignificar padrões identitários. É uma resposta à responsabilidade de virar as páginas da história do racismo no país.

ANA PAULA BRANDÃO é historiadora. HELOÍSA PIRES LIMA é antropóloga.

Fonte: Aarffsa

+ sobre o tema

Ana Maria Gonçalves – Lobato: Não é sobre você que devemos falar

Por: Ana Maria Gonçalves Monteiro Lobato: um homem com um...

Monteiro Lobato: No STF mais um grande momento da advocacia em ação

por Graça Santos Tive o prazer de estar presente neste importante...

Monteiro Lobato, racista empedernido

Estudo comprova a admiração do escritor pela Ku Klux...

para lembrar

MEC reabre sistema do Fies para novos alunos dia 23, não anuncia outras mudanças

SÃO PAULO (Reuters) - O Ministério da Educação informou...

Salvem as universidades públicas!

A  crise nas universidades é um sinal de alerta...

Como escrever um artigo perfeito: 10 Regras de ouro para um post memorável

Você já passou por isso? Você escreve um novo artigo....
spot_imgspot_img

Manifesto Contra a Regulamentação da Educação Domiciliar e em Defesa do Investimento nas Escolas Públicas

As Coalizões, Redes, Entidades Sindicais, Instituições Acadêmicas, Fóruns, Movimentos Sociais, Organizações da Sociedade Civil e Associações signatárias deste documento consideram que a possível autorização...

Geledés participa de evento paralelo em fórum da Unesco

Geledés - Instituto da Mulher Negra participou de evento paralelo do 3º Fórum Global contra o Racismo e a Discriminação da Unesco, que começou nesta terça-feira,...

Lula cria fundo privado de R$ 20 bi para tentar manter alunos pobres no ensino médio

O governo Lula (PT) editou uma MP (medida provisória) que cria um fundo privado de financiamento de bolsas para incentivar estudantes pobres a permanecerem no ensino...
-+=