No auge da crise, Conectas leva caso de haitianos à ONU

Imigrante recebe copo d’água em abrigo superlotado
Angela Peres/Secom Acre

Conectas realizou na terça, 25/3, 11 horas, em parceria com MENAMIRD (Mesa Nacional para las Migraciones y Refugio en República Dominicana), umpronunciamento oral no Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra, na Suíça, sobre a situação dos imigrantes haitianos.

A denúncia acontece no mês em que o abrigo construído pelo governo na pequena cidade de Brasileia, no Acre, atingiu seu pico máximo de ocupação, coincidindo com um período de chuvas e inundações que deixaram o local ilhado. A cidade se converteu em principal ponto de chegada para os haitianos que vêm ao Brasil sem visto. O galpão, construído para abrigar 300 pessoas, atende hoje a 2,3 mil. Segundo o governo local, aproximadamente 400 imigrantes usam as instalações e comem no abrigo, mas conseguem alugar quartos na cidade.

Segundo relatos de parceiros locais, entre 80 e 90 haitianos têm chegado a Brasileia todos os dias, enquanto apenas 20 conseguem deixar a cidade.

 
“A Conectas escuta há 8 meses do governo federal que medidas estão sendo elaboradas para ampliar o abrigo e melhorar as condições ali. É preciso menos promessas e mais vontade política”, disse Camila Asano, coordenadora de Política Externa da Conectas.
 
Inércia
 
Conectas denuncia há mais de 8 meses a falta de esforços, em todas as esferas, para resolver a crise em Brasileia. Em setembro de 2013, pouco depois de constatarem as condições insalubres do abrigo, representantes da entidade se reuniram com autoridades dos ministérios da Justiça, Trabalho e das Relações Exteriores em Brasília para exigir soluções urgentes para a crise. À época, o governo se comprometeu a realizar uma força tarefa para melhorar as condições de acolhida do galpão, mas nada foi feito até agora.
 
Pouco depois, em outubro, a organização levou o caso para a CIDH (Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA). Em novembro, enviou carta à presidente Dilma Rousseff às vésperas de sua viagem ao Peru, pedindo comprometimento intergovernamental para acabar com as violações cometidas contra os imigrantes no caminho até o Brasil. Em janeiro de 2014, pouco antes de reunião interministerial sobre o caso, Conectas enviou documento ao Ministério da Justiça e à Casa Civil com 7 recomendações para solucionar a crise.  
 
 
Fonte:  Conectas.org

 

+ sobre o tema

O protesto dos cineastas contra a ‘política do coturno’

O filme Trabalhar Cansa, dos diretores Juliana Rojas e...

Pinheirinho: Apesar de ordem de suspensão, PM mantém operação de despejo

Juíza não reconhece decisão do Tribunal Regional Federal Apesar...

O racismo nosso de cada dia

Em 2012, ela ganhou o Prêmio Nacional de Jornalismo Abdias...

Mortalidade materna cai pela metade, anuncia a ONU

NAÇÕES UNIDAS — Melhores cuidados reduziram quase à metade...

para lembrar

Apoio a dona Jane Camilo: nota pública do fórum social de Manguinhos

NOTA PÚBLICA DO FÓRUM SOCIAL DE MANGUINHOS EM APOIO A...

‘Brasil forjado na ditadura representa Estado de exceção permanente’

Para professores, filósofos e defensores de direitos humanos,...

Senado aprova projeto que proíbe uso de algemas durante parto de detentas

Projeto de senadora do DEM também assegura assistência médica...

Curso de Extensão População Negra e Direitos Humanos: história, educação e cultura

Inscrições de 26/04 a 30/04 Vagas Limitadas Início: 06 de maio...
spot_imgspot_img

Registros de ansiedade entre crianças e jovens superam os de adultos pela 1ª vez no Brasil

Pela primeira vez na história, os registros de ansiedade entre crianças e jovens superam os de adultos, mostra análise da Folha a partir da Rede de Atenção Psicossocial...

Levantamento aponta crescimento da população de rua em São Paulo

Levantamento do Observatório Brasileiro de Políticas Públicas com a População em Situação de Rua revela aumento do número de pessoas vivendo nestas condições na...

Proposta de Geledés para empoderamento da mulher negra é retomada na ONU

Geledés - Instituto da Mulher Negra, em fala conjunta com as organizações Coalizão Negra por Direitos, Criola e Coletivo Danêji, conseguiu obter bons resultados...
-+=