O privilégio branco e a opressão involuntária – Por Larissa Santiago

Por Larissa Santiago para as Blogueiras Negras

A primeira vez que falei sobre branquitude, percebi que o que eu dizia chegava ao receptor de uma forma completamente diferente. A conversa tomou o tom de crítica pessoal e o conflito que orginalmente era teórico passou a ser prático. O que conclui dessa primeira experiência e que me levou a ler e estudar um pouco mais sobre o lado branco da força foi um sentimento: a substituição do amor pela raiva.

Segundo Lourenço Cardoso, em seu artigo “Branquitude acrítica e crítica: A supremacia racial e o branco anti-racista*” relata que apesar da branquitude não ser uma identidade racial única e imutável (Hall, 2005, pp.12-13) ela é múltipla e sujeita a mudança. Assim sendo, metodologicamente alguns autores se referem a dois “tipos” de branquitude: crítica e acrítica ou ainda branquitude distintas e divergentes.

Família Real Portuguesa – blog professor Marcelo Camargo

Com tanta nomenclatura e classificação, fica mais fácil explicar quando a gente vai pra prática. Um sujeito de identidade racial branca que critica e se posiciona do lado oposto ao do racismo, entende-se como um sujeito que faz parte da “branquitude crítica”, logo a “branquitude acrítica” não desaprova o racismo, mesmo quando não admite seu preconceito racial e acredita na condição hierárquica do ser branco.

Isto posto, todas as vezes em que um sujeito não reflete nem se posiciona, levando em conta sua pertença a um grupo racial historicamente privilegiado, entende-se que essa posição faz parte do grande jogo imposto pelo sistema colonial. Faz parte da manutenção o não pensamento e a negação de pertença a um grupo opressor. Isso não quer dizer que esse indivíduo, crítico ou acrítico, não sofra. De tudo dito, o mais incrível é que essa “opressão involuntária” ou ainda, quando esse sujeito se descobre como parte do grupo com o qual não se identifica ideologicamente (o grupo racial branco), o sofrimento chega e tudo o que se pensa sobre amor e luta anti-racista vira raiva.

Por fim, deixo um questionamento em aberto. Será mesmo que essa pergunta tem que ser feita a nós negros ou a mim como indivíduo que pertenço a um grupo historicamente privilegiado?

“Mas, e eu? Longe de mim ser a vítima, mas a cor da minha pele determina que eu sou a vilã? E ele talvez não seja simplesmente uma pessoa violenta e machista, e sua cor da pele irrelevante?”

Nota da autora: nada que está escrito é a pura verdade nem tão certo que não possa ser questionado.

Esperando suscitar questionamentos

Larissa-Santiago avatar

Larissa Santiago
Larissa é baiana e escreve no Mundovão e no Afrodelia.

Fonte: Blogueiras Negras

+ sobre o tema

Legislação brasileira dificulta acolhida de refugiados africanos

Pesquisa revelou que depois de uma longa espera em...

Política de Extermínio

A política de confronto posta em prática pelo governo...

Com baixa expectativa de vida, jovens negros são as principais vítimas do país

Por Viviane Tavares, da EPSJV/Fiocruz, no Brasil de Fato Em...

para lembrar

Estudo mostra que custo da violência no Brasil já chega a 5,4% do PIB

Moradores de Niterói realizaram uma manifestação nos últimos dias...

Integrantes da banda New Hit são condenados a 11 anos de prisão

Eles foram acusados de estuprar duas fãs adolescentes em...

A violência contra jovens negros no Brasil

por Paulo Ramos A cada nova divulgação dos dados...

Fratura do ar: as minhas memórias do São João

Nasci em Pouso Alegre, no estado de Minas Gerais,...
spot_imgspot_img

STF prorroga validade das cotas raciais para concursos públicos

O Supremo Tribunal Federal (STF) aprovou a prorrogação das cotas raciais para o serviço público – ação afirmativa que expiraria no próximo dia 10. A Corte...

Racismo Ambiental é tema de Seminário promovido pela ActionAid

Nos dias 04 e 05 de junho, a ActionAid promoverá o “Seminário Racismo Ambiental”. O encontro será realizado das 09h30 às 17h (horário de...

A Universidade de São Paulo e os seus tribunais raciais

Em março, a Universidade de São Paulo gerou controvérsia ao barrar um aluno por não considerá-lo pardo. Como de costume, logo apareceram os críticos...
-+=