ONU celebra Dia da Visibilidade de Mulheres Lésbicas e Bissexuais

Campanha destaca contribuição destas mulheres para a sociedade e conscientiza sobre a importância da luta pela justiça e igualdade entre os gêneros

Do MARIE CLAIRE

onu_1

ONU celebra o Dia da Visibilidade de Mulheres Lésbicas e Bissexuais (Foto: Reprodução / Faceboook / Carolina Rosseti)

Com o propósito de dar visbilidade às contribuições de lésbicas e bissexuais para a sociedade, a ONU lança nesta segunda-feira (29) a campanha “Livres & Iguais”. A data foi escolhida por ser o Dia da Visibilidade de Mulheres Lésbicas e Bissexuais.

As Nações Unidas veicularão, nas redes sociais, três vídeos de conscientização e ilustrações da designer Carolina Rosseti com histórias de algumas de mulheres.

A morte de Luana Barbosa dos Reis em abril deste ano vítima de espancamentos por oficiais da Polícia Militar foi um caso destacado pelo organismo internacional. Ela era negra, lésbica e moradora da periferia de Ribeirão Preto, em São Paulo.

A campanha ressalta também a importância do apoio familiar. “Quando os direitos LGBTI são afetados, todos nós somos afetados”, afirmou o coordenador residente do Sistema ONU no Brasil, Niky Fabiancic. Segundo ele, a luta por uma sociedade mais justa para gays, lésbicas, bissexuais, pessoas trans e intersex é um compromisso da ONU.

Jaime Nadal, representante nacional do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), lembrou que, em outubro do ano passado, a ONU expressou preocupação com a tramitação do Estatuto da Família (PL 6583/2013) no Congresso. O organismo internacional fez uma pelo para que o governo reconhecesse todos os arranjos familiares existentes no Brasil, não apenas aqueles formados por casais heterossexuais.

“É muito importante que uma nova legislação garanta os direitos dos casais LGBT que a jurisprudência hoje já permite”, reiterou Nadal.

+ sobre o tema

Arthur, transexual de 13 anos: “Acham que só quero chamar atenção”

Mesmo enfrentando preconceito e incompreensão fora de casa, o...

O discurso da tolerância como domesticação

Apenas uma sociedade profundamente intolerante pode invocar a necessidade...

Sem alarde nem preconceito Vigor aborda homossexualidade em anúncio para Facebook

Pode até ser que abordar homossexualidade em 2014 já...

Expulso de casa por ser gay, jovem divulga vídeo de briga com os pais

Pais evocam argumentos bíblicos para dizer que filho gay...

para lembrar

Brasileiros são destaque em evento da ONU sobre afrodescendentes

Filósofa paulista Djamila Ribeiro fala sobre promoção da igualdade...

Encontro em Goiânia lembra 30 anos do movimento de mulheres negras no Brasil

As três décadas do movimento de mulheres negras no...
spot_imgspot_img

Debate na ONU sobre a nova declaração de direitos da população afrodescendente conta com a presença de Geledés

Geledés - Instituto da Mulher Negra esteve presente na sede das Nações Unidas em Genebra, na Suíça, durante os dias 8 e 9 de...

Movimento Negro na Conferência do Clima da ONU

Depois de 13 dias respirando combustíveis fósseis, nos Emirados Árabes Unidos, andando muitos quilômetros diariamente dentro do Expo Dubai, a COP28, Conferência do Clima...

Moçambicana lança rap pelos 75 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos

Não deixe ninguém para trás, ou “Leave no one behind”, é o título da música da rapper moçambicana Iveth. O título relata o percurso...
-+=