Pesquisa aponta que 44% dos professores de SP já sofreram agressão nas escolas

Do total de professores que relataram ter sido vítimas de violência, 39% disseram ter sofrido agressão verbal, 10% assédio moral, 6% bullying e 5% disseram ter sofrido agressão física

DIGITAL VISION. VIA GETTY IMAGES

Um levantamento feito com professores da rede estadual de ensino de São Paulo mostrou que 44% deles já sofreram algum tipo de violência nas escolas. Contratada pelo Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), a pesquisa foi feita em 167 cidades entre janeiro e março deste ano.

Do total de professores que relataram ter sido vítimas de violência, 39% disseram ter sofrido agressão verbal, 10% assédio moral, 6% bullying e 5% disseram ter sofrido agressão física. “Isso é crescente e você não vê um recuo, pelo contrário. Tornou-se corriqueira a questão da violência na escola e acaba que você, ao longo do tempo, não vê uma diminuição desses números”, disse Maria Izabel Azevedo Noronha, presidente da Apeoesp.

Conforme o estudo, 42% dos professores disseram ter presenciado alunos sob efeitos de drogas e 29% afirmaram ver tráfico de drogas nas escolas. Além disso, 57% consideram violentas as escolas onde lecionam. Entre aqueles que trabalham em instituições no centro das cidades, 45% acham as escolas perigosas. Já os que atuam na periferia mostraram maior apreensão com a violência, 63% dos casos.

As principais vítimas são os professores homens, que lecionam no ensino médio. Disseram ter sofrido violência 65% deles, enquanto as mulheres representam 45% das vítimas. A maioria dos educadores (74%) acredita ainda que falta de respeito e de valores é a principal causa de violência nas escolas. Outros 49% apontaram ausência de educação em casa e 47% culparam a desestruturação familiar.

Para Maria Izabel, os números sobre violência nas escolas servem para justificar o alto número de educadores doentes. “Se eu casar a pesquisa da violência nas escolas com a pesquisa do adoecimento dos professores, fica claro que o grau de síndrome do pânico, estresse, advêm da agressão verbal, do assédio moral que eles sofrem nas escolas. Então, cresce o número de licenças médicas e isto acaba fazendo com que o professores se afastem”, disse.

 

Desisti de ser professor do Estado

Estresse, depressão e ansiedade: os inimigos do professor da rede pública de SP

Reação de aluno ateu a bullying acaba com pai-nosso na escola

Representações sociais de bullying por professores

Fonte: Agência Brasil

+ sobre o tema

Harvard lança mais de 100 cursos gratuitos e legendados em português

Os cursos disponíveis são divididos nas áreas a seguir. Artes...

Inscrições no Enem 2024 são prorrogadas até 14 de junho

As inscrições no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)...

Inscrições para o Enem 2024 terminam nesta sexta-feira (7)

Termina nesta sexta-feira (7) o prazo para realização das...

para lembrar

spot_imgspot_img

Estudantes têm até esta sexta-feira (14) para se inscrever no Enem

Termina nesta sexta-feira (14) o prazo para inscrições no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Os interessados devem acessar a Página do Participante e utilizar o cadastro...

Harvard lança mais de 100 cursos gratuitos e legendados em português

Os cursos disponíveis são divididos nas áreas a seguir. Artes e Design; Negócios e Gestão; Ciência da Computação; Ciência de Dados; Ciência e Engenharia; Ciências Sociais; Desenvolvimento Educacional e Organizacional; Humanidades; Matemática e...

UnB abre vagas na especialização gratuita em Políticas Públicas e Tecnologias Educacionais

A Universidade de Brasília (UnB) abriu 26 vagas na especialização gratuita em Políticas Públicas e Tecnologias Educacionais, que serão divididas da seguinte maneira: 15 vagas...
-+=