Posicionamento público pela revogação da Portaria n° 077/000/2021 da FUNAP

Enviado por / FonteDo Ação Educativa

POSICIONAMENTO PÚBLICO

Pela revogação da Portaria n° 077/000/2021, de 25 de outubro de 2021, da FUNAP

A portaria que coloca mais trincos nos portões

Posicionamento Público sobre a Portaria n° Direx 077/00/2021, de 25 de outubro de 2021, da Fundação Prof. Manoel Pedro Pimentel, também conhecida como FUNAP, que tem por objetivo principal contribuir para a recuperação social da pessoa privada de liberdade, estabelecendo novas e mais diretrizes para o Programa de Incentivo à Leitura “Lendo a Liberdade”.

Mais uma vez a FUNAP, sem dialogar com as entidades, instituições e movimentos que atuam no campo da remição da pena pela leitura e violando a Resolução n° 391 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), de 10 de maio de 2021, que estabelece procedimentos e diretrizes a serem observados pelo Poder Judiciário para o reconhecimento do direito à remição de pena por meio de práticas sociais educativas em unidades de privação de liberdade, publica uma portaria, que restringe ainda mais o direito à remição das pessoas em privação de liberdade, causando indignação de profissionais das áreas da leitura, literatura e educação que já estão (ou estavam, antes da pandemia e de portarias dificultadoras) atuando em programas de incentivo à leitura dentro das unidades prisionais.

Uma portaria intencionalmente extensa e minuciosa na burocracia que retira das unidades prisionais a possibilidade de parceria direta com programas e projetos a fim de centralizar na FUNAP toda e qualquer atividade de leitura, considera dezenas de leis e atos infralegais, mas ignora todos no corpo de sua redação.

A portaria já em seu Art 1º, Item IX, fere o Art. 5º § 1º, Item III, § 2º e § 3º da Resolução n° 391 do CNJ que estabelece que o relatório de leitura feito pela pessoa presa não assumirá caráter de avaliação de desempenho ou de prova, devendo limitar-se à verificação da leitura que não precisa, necessariamente, ser feita por escrito. Quem organiza e coordena clubes de leitura, por exemplo, sabe quantas verificações de leituras inteligentes e profundas são feitas de forma oral, no diálogo entre pares, por meio de desenhos, entre outras possibilidades de expressões artísticas.

Mas vem a nova Portaria e estabelece critérios de avaliação (Art. 10º § 2º, § 3º e § 7º) que chegam a ser cruéis para quem está dentro do sistema prisional (e, sejamos sinceros, até para quem está fora), como a anacrônica exigência da “descrição de personagens principais e secundários”, “identificação dos papéis e/ou funções dos personagens”, “descrição do enredo”, “delimitação do tempo e do espaço da narrativa”, dentre outras, para coroar, o suposto “emprego correto da Língua Portuguesa ou da Língua Estrangeira”.

Quem, com a real intenção de garantir direitos, faz exigências como essas?  Dizem que a participação é livre, porém há uma linha de corte para a participação visando o aproveitamento da pessoa na atividade, e o próprio Relatório de Leitura (RL) exclui automaticamente pessoas em formação, não alfabetizadas ou com dificuldades de leitura e escrita que não terão proficiência para corresponder aos critérios exigidos, o que fere novamente a Resolução n° 391 do CNJ em seu Art. 6, Itens I e III.

Há que se considerar também que a portaria da FUNAP não é transparente com relação aos critérios para selecionar obras do acervo (Art. 1º) e dá margem ao arbítrio na seleção de livros (Art. 6º § 2º), o que abre precedente para a censura de livros, como já ocorreu, em 2020, quando a própria FUNAP vetou uma lista de livros selecionados por um projeto de remição pela leitura Site externo. A Resolução n° 391 do CNJ é bem explícita em seu Art. 5º § 4º, Item III, ao “(…) vedar toda e qualquer forma de censura”.

É inadmissível que uma Fundação, como é o caso da FUNAP, vinculada à Secretaria de Administração Penitenciária do Estado de São Paulo, trabalhe para dificultar ainda mais o direito à remição da pena, por meio da educação não-formal, em um país em que mais da metade da população carcerária não tem ensino fundamental completo e que, apesar das legislações vigentes, há um sério problema de oferta educacional que priva as pessoas presas, em sua maioria jovens negros, do Direito Humano à Educação e à Literatura.

O modo como uma sociedade trata as pessoas encarceradas diz mais sobre quem está do lado de fora dos portões do que sobre quem está dentro. Nós, integrantes das instituições, entidades e movimentos abaixo assinados, continuaremos brigando por uma sociedade melhor, realmente fraterna, pluralista e sem preconceitos, como está no preâmbulo da nossa Constituição.

Assim, a imediata revogação da Portaria n° 077/000/2021, de 25 de outubro de 2021, da FUNAP, que requeremos.

+ sobre o tema

Inscrições para o ProUni terminam hoje

Terminam hoje (19), exatamente às 23h59, as inscrições para...

Universidade de Oxford reconhece ‘Enem’ indiano em processo seletivo

Vagas serão oferecidas a estudantes que obtiverem pelo menos...

Sindicato cria disque denúncia para combater trabalho infantil e exploração sexual de crianças

Sindicato cria disque denúncia para combater trabalho infantil e...

Nota pública sobre a aprovação da Lei 12696/12

  PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS   NOTA PÚBLICA DO CONANDA Sobre...

para lembrar

Filhos recebem estímulo em casa para estudar mais

Quando pisou pela primeira vez na universidade, nem ela...

Prouni – Ex-faxineiro conta os dias para concluir curso de medicina em MS

Leandro Assunção, 26 anos, diz que sonha desde a...

Livro Popular – incentivar leitura e ampliar investimentos são prioridades para 2012

Cultura: incentivar leitura e ampliar investimentos são prioridades para...

Livro – ‘Griot’ narra conflitos religiosos

Livro infanto-juvenil narra as dores e os desafios de...
spot_imgspot_img

Geledés participa de audiência sobre Educação das meninas e mulheres negras na Câmara dos Deputados

Geledés – Instituto da Mulher Negra participou, nesta quinta-feira 21, de audiência da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, em Brasília, da qual...

Unilab, universidade pública mais preta do Brasil, pede ajuda e atenção

A Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab) surgiu com a proposta de fazer a integração de alunos de países africanos de língua...

Cotas, sozinhas, não acabam com a desigualdade

Há uma demanda crescente para que as universidades de alto prestígio (ou de elite) aumentem a diversidade étnico-racial e socioeconômica de seus alunos. Nessa...
-+=