segunda-feira, setembro 26, 2022
InícioÁfrica e sua diásporaPatrimônio CulturalPressionada por ministro, Casa de Rui Barbosa vai liberar carta de Mário...

Pressionada por ministro, Casa de Rui Barbosa vai liberar carta de Mário de Andrade

No texto, autor revelaria homossexualidade; instituição se recusava a cumprir determinação da CGU alegando ser inconstitucional

MARCELO BORTOLOTI, do Época

A Fundação Casa de Rui Barbosa foi obrigada, pelo ministro da Cultura, Juca Ferreira, a permitir o acesso a uma carta escrita por Mário de Andrade em 1928, em que ele supostamente revela sua homossexualidade. A carta foi enviada ao poeta Manuel Bandeira, cujo acervo está em poder da Fundação desde 1978, e ficou fora de acesso público. Há um mês, a Controladoria Geral da União, acatando um pedido de ÉPOCA feito com base na Lei de Acesso à Informação, determinou que a instituição permitisse o acesso à carta. Desde então, a Fundação reluta em entregar uma cópia do documento. Nesta segunda-feira (15), o  ministro Juca Ferreira interveio no caso e a instituição, finalmente,  informou que vai liberar o conteúdo do texto.

ÉPOCA entrou com um pedido de acesso ao documento em fevereiro deste ano. A Fundação Casa de Rui Barbosa negou o pedido, alegando que precisava consultar os herdeiros antes de liberar o acesso, e que procurava zelar pela intimidade e vida privada dos autores cujo acervo preserva. A reportagem recorreu à CGU, que determinou, há cerca de um mês, que uma cópia do documento fosse entregue.

A Fundação recorreu da decisão, pedindo que ela fosse reconsiderada. No pedido, anexou uma carta do sobrinho de Mário, Carlos Augusto de Andrade Camargo. Nela, o sobrinho afirmava que se recusava, na condição de herdeiro, a permitir o acesso, alegando direito à privacidade. Além da carta, a Fundação argumentava que “permitir o acesso poderia criar danos irreparáveis à imagem institucional junto aos doadores de arquivos privados e ser interpretada como conduta ilícita”.

Na terça-feira passada (9) a CGU recusou os argumentos do herdeiro e da Fundação, e determinou que o conteúdo da carta fosse entregue a ÉPOCA. Desde então, a instituição vinha relutando em cumprir a decisão. Segundo Ricardo Calmon, diretor-executivo da Fundação Casa de Rui Barbosa, a decisão da Controladoria contrariava normas constitucionais. Nesta segunda-feira, depois de intervenção do ministro da Cultura, a fundação afirmou que liberará a carta até o final da semana.

Parte dessa carta já foi publicada por Manuel Bandeira, quesuprimiu o trecho que supostamente falava sobre a homossexualidade do autor paulista. Segundo o inventário do acervo de Manuel Bandeira, o documento já deveria estar acessível ao público em 1995, mas os técnicos da fundação decidiram mantê-lo em sigilo.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench