Primeira cantora transgênero indicada ao Oscar decide boicotar cerimônia

Anohni concorre na categoria de melhor canção original e não foi convidada para cantar

Do O Globo

Mais uma polêmica envolvendo diversidade atinge o Oscar em 2016. Primeira artista transsexual a concorrer a uma estatueta, a cantora inglesa Anohni vai boicotar a premiação em 2016. Indicada à categoria de melhor canção original por “Manta ray”, colaboração com J. Ralph no documentário “Racing extinction”, ela não foi convidada para se apresentar no palco da festa marcada para o próximo domingo.

Em um desabafo postado em seu site oficial, ela protestou. O texto, chamado “Por que não vou aos prêmios da Academia”, enumerava os motivos do boicote.

“Sou a primeira transgênero a ser indicada, e devo agradecer por isso aos artistas que votaram em mim. Estava na Ásia quando recebi a notícia. Desde então, passei a procurar algo, no caso de ser convidada para apresentar a canção. Todo mundo me ligou para dar os parabéns. Uma semana depois, os nomes de Sam Smith, Lady Gaga e the Weeknd foram anunciados. Outros seriam revelados “em breve”. Confusa, sentei e esperei. No entanto, ninguém me procurou”.

Na carta ela também diz que não acredita que foi excluída por ser trans, e aceita o fato de que os artistas anunciados têm mais apelo comercial. No entanto, diz que uma vida marcada por rejeições fez com que ela não pudesse deixar de notar uma delas.

“Todo mundo me disse que, mesmo assim, eu deveria ir ao prêmio. Que passar pelo tapete vermelho seria ‘bom para a minha carreira’. Noite passada, tentei me forçar a entrar num avião rumo a Los Angeles para os eventos que envolvem os indicados. Mas o sentimento de constrangimento e raiva me nocauteou. E não pude entrar na aeronave.

A cantora de 44 anos, cujo nome de batismo é Antony Hegarty, é mais conhecida por liderar a banda Antony and the Johnsons, com quem lançou quatro discos. No ano passado, ela anunciou a decisão de seguir em carreira solo e prometeu o álbum ‘Hopelessness’ para 2016.

+ sobre o tema

Queridinha do público e autêntica, a previsão é de sol para Maju Coutinho

Saudar o sol faz parte da rotina de Maria...

Hoch lebe Zumbi dos Palmares, por Sueli Carneiro

Não, caro leitor, não é o samba da crioula...

“Cura gay” é barrada nos EUA

Suprema Corte dos EUA determina aplicação de lei que...

para lembrar

EUA: relatório afirma que gays negros são mais vulneráveis ao HIV

"É a pior epidemia em todo o mundo desenvolvido,...

Violência contra a mulher: denunciar é dever e pode salvar vidas

Só nos três primeiros meses deste ano, a Polícia...

Riley Maida, 4 anos questionando o sexismo da indústria de brinquedos (legendado)

Para ativar legendas no YouTube, aperte no botão CC...

Senadora chama atenção para surto de intolerância

O recrudescimento da violência, racismo, xenofobia e homofobia levou...
spot_imgspot_img

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...
-+=