Primeira prova do Enem aborda racismo e sustentabilidade

Cerca de 280 mil estudantes do Paraná realizaram na tarde deste sábado (3) a primeira prova do Enem 2012. O teste de Ciências Humanas e da Natureza não fugiu muito do que já havia sido aplicado em edições anteriores: textos longos, alternativas com intuito de confundir os mais distraídos e temas atuais.

Foto: Tato Rocha / Acervo JC Imagem

Discussões envolvendo o desenvolvimento sustentável apareceram em muitas questões, abordando reciclagem, produtos orgânicos e geração de energia. Outro tema que chamou a atenção dos estudantes foi o racismo. No primeiro Enem após aprovação da Lei das Cotas nas universidade federais, Martin Luther King e o legado dos povos africanos à cultura brasileira foram destaque na prova.

A quantidade de questões de química foi outro diferencial. “Na área de exatas dominaram as questões de química, que apareceram muito mais do que nas edições passadas”, fala a estudante Fernanda Lausi Rodrigues, 19 anos.

Temas culturais também foram abordados, debatendo a história dos Estados Unidos através dos quadrinhos do Capitão América, a relação do surgimento do rock com a Segunda Guerra Mundial e interpretação de uma música de Luiz Gonzaga. As artes plásticas, no entanto, foram um pouco renegadas. “Teve apenas uma questão, achei muito pouco”, reclama a estudante Ana Beatriz Babugia, 19 anos.

Textos longos

As opiniões sobre a prova foram diferenciadas, mas com uma reclamação comum: os longos textos. “Tinha artigo que era inútil, não precisava dele para responder as questões, pura perda de tempo”, aponta Ana Beatriz, que considerou a prova difícil. “Não havia só questões óbvias, como em edições anteriores. Nessa prova houve muita ‘pegadinha'”, fala a estudante, que pretende usar a nota para obter uma boa colocação no Prouni e cursar Jornalismo.

Já Fernanda Rodrigues, considerou a prova de dificuldade “média”. Para ela, os textos longos, e as 90 questões para serem respondidas em quatro horas, foram os principais obstáculos. “É uma prova de resistência, mas deu tempo de fazer”, diz. A estudante fez o teste apenas para autoavaliação, uma vez que seu objetivo é entrar no curso de Comunicação e Multimeios, da UEM.

Outros mais experientes, como Mariana Aiolsi, de 20 anos, avaliou o teste como “tranquilo”. Ela, que deseja cursar Medicina em alguma universidade federal, fez o Enem pela terceira vez. “Não foi novidade para mim, já esperava aquele tipo de pergunta. Achei essa prova até mais objetiva, sem perguntas absurdas, como ocorreu nas anteriores”, brinca.

Redação e matemática domingo

Neste domingo (4) será a vez das provas de linguagens, códigos e suas tecnologias, redação e matemática. Os candidatos terão 5h30 para a conclusão. Lembrando que todos devem chegar aos locais de prova até as 12 horas (horário de Brasília).

Os gabaritos das provas serão divulgados pelo Inep no dia 7 de novembro. A previsão é que os resultados gerais saiam no dia 28 de dezembro.

Fonte: o Diário

+ sobre o tema

Pará e África unidos pela cultura

O olhar cinematográfico o acompanha desde a infância,...

Unesco e Brasil criam programa para ensino da história africana

A Organização das Nações Unidas para Educação, a...

As falhas no Enem e os interesses que se movem nos bastidores

"Prova do Enem é tecnicamente sustentável sob todos os...

O racismo como polêmica escolar

ERICA BARBOSA BAIA FERNANDA MARQUES DE ALMEIDAROSIANE MACHADO...

para lembrar

Dicas para lidar com o racismo na sala de aula

Não é fácil abordar a questão do racismo na...

Bibliotecas Comunitárias contra o analfabetismo funcional

Por: Kátia Ferraz   A liberdade, a prosperidade e...

Professores da rede pública poderão fazer curso nos EUA

Boa notícia para os professores de Língua Inglesa da...

Fuvest 2011 tem mais inscritos do que ano anterior

Ao todo, 132.969 pessoas se candidataram às 10.752 vagas...
spot_imgspot_img

Educação antirracista é fundamental

A inclusão da história e da cultura afro-brasileira nos currículos das escolas públicas e privadas do país é obrigatória (Lei 10.639) há 21 anos. Uma...

Faculdade de Educação da UFRJ tem primeira mulher negra como diretora

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) tem a primeira mulher negra como diretora. A professora Ana...

O que a proibição de livros nos diz sobre o futuro que nos aguarda

Reportagem da Agência Pública mostrou que existe um movimento coordenado para barrar a entrada de determinados livros no sistema prisional de Minas Gerais. Apenas títulos...
-+=